Abandonando a Procrastinação

mulher pensamentos
A procrastinação é, em certa medida, algo normal. O problema é quando ela passa a atrapalhar.

(por Fernando Colella)

Quem nunca vivenciou um momento de angústia por se ver empurrando com a barriga alguma tarefa importante? Quantas vezes nos vemos paralisados para agir, mesmo sabendo que algo relevante precisa ser executado? Segundo especialistas, a tão temida procrastinação é, em certa medida, algo normal. O problema é quando ela passa a atrapalhar a vida de quem vive postergando o que deve ser feito. Quadros como estresse, vergonha e culpa são comuns em procrastinadores, que acabam sendo, também, frequentemente taxados de preguiçosos ou improdutivos.



//

Se você é coach e tem de lidar com um cliente que enfrenta esse tipo de problema, ou mesmo se você é uma daquelas pessoas que sofrem por deixar para depois atividades essenciais, uma boa forma de lidar com isso é começar identificando as causas da procrastinação. Segundo o estudo acadêmico de Piers Steel, intitulado, “The nature of procrastination: A meta-analytic and theoretical review of quintessential self-regulatory failure”, há quatro razões básicas pelas quais a maioria das pessoas procrastinam.

A primeira razão é a natureza da tarefa. Ações desagradáveis ou de baixa relevância para quem procrastina, muitas vezes acabam justificando o seu adiamento. Por exemplo, alguém que deixa de acordar cedo para ir à academia pode fazê-lo por não ver tanta importância ou urgência que justifique o comprometimento com esse objetivo. Muitas vezes, essa mesma pessoa não encontra tantas dificuldades em acordar cedo para ir a uma reunião com um cliente ou a outro compromisso profissional, mas posterga com facilidade objetivos pessoais como a prática de uma atividade física.

Não adianta assumir novos projetos ou responsabilidades se não houver um comprometimento pleno com as atividades necessárias para isso. Para esse tipo de procrastinação, o melhor a fazer é ter clareza dos objetivos envolvidos. Atividades chatas muitas vezes são necessárias para realizar metas maiores, e ter em foco o objetivo ao invés das tarefas é uma das principais estratégias para alcançar o sucesso. Uma dica é escrever em uma folha de papel todos os benefícios que determinado objetivo poderá trazer após concluído. Acordar cedo para praticar uma atividade física talvez não seja uma meta psicologicamente atraente para quem procrastina essa ação, mas trazer à consciência benefícios decorrentes disso, como levar uma vida mais saudável, ter maior disposição para as atividades diárias ou aumento da autoestima, pode fazer grande diferença para que se deixe de procrastinar.

A segunda causa da procrastinação está ligada à personalidade de quem adia as tarefas. Segundo o estudo de Steel, as características pessoais de um indivíduo também podem levá-lo a postergar suas ações. A boa notícia é que, embora não seja possível mudar a personalidade das pessoas, podemos controlar o entorno. Em outras palavras, é possível produzir um ambiente que torne inevitável deixar de fazer algo. Por exemplo, se alguém tem de realizar um trabalho e acaba se distraindo facilmente com e-mails ou redes sociais, pode desconectar-se da internet até concluir a tarefa. Sempre que o procrastinador tiver um impulso autosabotador, ele será lembrado de que deve se manter focado em sua atividade, já que não terá como recorrer à distração habitual.

Outra técnica que funciona bem nesses casos é a de assumir um comprometimento público. Pedir para que amigos ou familiares cobrem uma tarefa que você quer assumir tende a dar resultados, uma vez que não desejamos que outras pessoas se frustrem conosco. Dar-se uma penalidade em caso de falha ajuda a potencializar esse comprometimento. Essa é a base de alguns programas bem sucedidos, como os Vigilantes do Peso. Segundo um estudo publicado na revista médica The Lancet, participantes desses grupos de dieta tendem a perder duas vezes mais peso do que pessoas que recorrem a outros métodos de emagrecimento, graças ao seu sistema de comprometimento público entre os participantes, que envolve ainda recompensas e sanções.

o que você pode se propor a melhorar um pouco mais amanhã?
A grande característica da espécie humana que a diferencia dos outros seres vivos é a capacidade de fazer escolhas.

O terceiro aspecto que leva alguém a adiar suas ações envolve as expectativas desse indivíduo. Ou seja, conhecer o “caminho das pedras” para a realização de um objetivo dificulta a procrastinação, enquanto a incerteza do sucesso pode levar a ela. A principal coisa a ser feita neste caso é compreender que o mais difícil é começar, e o grande desafio será dar o primeiro passo. Uma dica para isso é utilizar a “regra dos 2 minutos”, inspirada no famoso livro “Getting Things Done” (no Brasil, “A Arte de Fazer Acontecer”), do guru de produtividade pessoal David Allen.

Allen sugere que uma tarefa que demore até 2 minutos para ser executada jamais seja postergada, devendo ser feita no mesmo instante em que aparece. A justificativa é que, para uma ação de rápida execução, não faz sentido gastar mais tempo e energia programando-a para depois. Imagine quantas tarefas podem ser concluídas rapidamente levando a cabo essa regra: uma resposta rápida a um e-mail, lavar o prato após uma refeição ou escolher a roupa para usar no dia seguinte, são exemplos de como muitas coisas podem deixar de ser adiadas com pouco tempo e esforço.

É claro que nem todas as ações podem ser concluídas em menos de 2 minutos. Mas é fato que qualquer uma terá os seus 2 minutos iniciais, e basta dar o primeiro passo se dispondo a utilizar esse pequeno instante de tempo para sair da zona de conforto. Escrever um artigo pode demorar vários minutos ou horas, mas bastam 2 minutos para começar escrevendo a primeira frase. Um livro pode demandar bastante tempo para ser lido, mas em apenas 2 minutos é possível concluir a primeira página. O desafio será comprometer-se com um primeiro passo curto e deixar as coisas fluírem a partir daí.

Por fim, a quarta razão pela qual as pessoas procrastinam é o medo do fracasso. Em geral, o medo que leva alguém a deixar de agir é consequência de um objetivo que pode parecer grande ou difícil demais. Em uma das mais importantes obras da filosofia moderna, o “Discurso do Método”, René Descartes escreveu que “uma tarefa deve ser dividida em tantas partes quantas forem necessárias para melhor poder resolvê-la”. Assim, definir metas menores dentro de um objetivo maior é uma boa maneira de planejar e motivar-se para fazer o que deve ser feito, facilitando o processo e enfrentando o medo de falhar.

É importante compreender que o medo é um dado natural, um mecanismo de defesa que pode ser fundamental em situações de crise ou incerteza. O prestigiado diretor de “Titanic” e “Avatar”, James Cameron, afirmou em sua TED Talk que “o fracasso é uma opção, mas o medo não”. Portanto, é preciso ter em mente algo que poucos param para refletir, mas que trata-se do óbvio: por mais assustadora que uma situação possa ser, a única escolha que nos dá a garantia do fracasso é a paralisia ou a desistência de seguir em frente. O medo de falhar não é um problema, e a sua ausência nada tem a ver com ser corajoso. Coragem é a capacidade de superar as adversidades e enfrentar o medo.

A grande característica da espécie humana que a diferencia dos outros seres vivos é a capacidade de fazer escolhas. Sendo assim, se agir é uma opção, deixar de fazê-lo também é. A verdade é que as decisões mais difíceis sempre serão aquelas que exigirão maior dedicação e coragem. A liberdade de escolher deve nos levar então a questionar: vale a pena o esforço? A resposta nem sempre é evidente, mas encerremos este artigo recorrendo ao grande filósofo Aristóteles para nos ajudar a refletir: “a coragem é a primeira das qualidades humanas, simplesmente porque garante todas as outras”. Boas escolhas!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Conheça as vantagens e desvantagens do outsourcing

Empowerment: O Que é, sua Importância nas Empresas e Exemplos

Dinâmica de Apresentação: Como Fazer, Dicas e Exemplos Práticos

Diagrama de Ishikawa: Guia Completo Passo a Passo

O Carnaval chegou… todo cuidado é pouco!

AFINAL, EXISTE UM MODELO DE CORPO PERFEITO?

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.