Não guarde mágoas

Não guarde mágoas

Os sentimentos, por muitas vezes, dominam as rotas dos relacionamentos, especialmente os amorosos e familiares. Porém, as sensações negativas não devem conduzir os indivíduos e, sim, decisões fundamentadas na sensatez.

As cegueiras do rancor

Sentimentos negativos são prejudiciais. Nas interações corporativas, por exemplo, as consequências podem ser graves. O colaborador que represa em si o rancor, e desconhece formas de se livrar desse incômodo, termina por transferir seu sentimento a outros colegas, que não compreendem o motivo para desproporcional agressividade. Além disso, as atividades podem ser, igualmente, comprometidas, pois o indivíduo, tomado pelo rancor, deseja sair do ambiente de trabalho o mais rapidamente possível.

Contudo, sempre é preciso ressaltar que os inconvenientes devem ser resolvidos para que a proporção do evento não cresça de forma incontrolável, gerando fofocas e desconfortos. O feedback é uma ferramenta útil para lidar com essa questão, porém, deve ser realizado com tranquilidade, evitando questões pessoais.

Outra figura que não se deve abater pelo rancor é o líder. Esse profissional é o responsável pelo equilíbrio e por direcionar a equipe ao sucesso e, além disso, a justiça deve ser uma de suas qualidades, por isso, não é possível que o bom líder se influencie por esse sentimento.

Geralmente, na vida pessoal, guardar rancor é um exercício de tolerância que não atinge a todos. Muitas vezes, o momento de explosão é inevitável e aí se vão anos de casamento, de namoro e/ou de amizade, pois controlar os sentimentos em relações afetivas é muito difícil, uma vez que questões mais profundas estão em risco e parece não ser possível esperar mais um segundo para expressar tudo o que se pensa e sente. Porém, é evidente que, em alguns momentos, a calma e o distanciamento são fundamentais para lidar com o rancor.




Coaching é o caminho do equilíbrio

O coaching é um processo eficaz que possui técnicas e ferramentas que trazem benefícios para a vida pessoal e profissional das pessoas. Por isso, quem fundamenta seus conhecimentos e atitudes nessa prática saberá como lidar com os próprios sentimentos e como transformá-los em possibilidades de crescimento e mudança, além de se abastecer com o autoconhecimento que, com certeza, apresentará novas bases de reflexão sobre os caminhos a tomar.