Posted in:

Briefing: O que é, Benefícios, Como Fazer e Exemplos

Não há projeto que seja bem-sucedido sem um briefing de qualidade.

O conceito remete imediatamente ao marketing e à gestão de empresas.

Nessas áreas, o briefing ajuda a entender as necessidades do cliente e as particularidades de um novo projeto.

Para criar esse material, é essencial compreender de fato a demanda, saber traduzi-la para a prática do mercado e dialogar com os anseios do público-alvo.

Ou seja, um briefing bem feito é uma peça-chave das empresas de sucesso.

Mas seu conceito pode ser expandido para outras esferas.

Neste texto, você vai entender, com exemplos práticos, o que é um briefing, como elaborá-lo e quais são os seus benefícios.

Ao fim da leitura, você será capaz não apenas de elaborar um briefing de qualidade, mas também de defender a sua importância em qualquer reunião corporativa.

Esperamos que a leitura seja produtiva. Vamos lá?

O que Seria um Briefing? Conceito e Significado

briefing significado - conceito

Para começar, vamos destrinchar o conceito de briefing.

A palavra “briefing”, na língua inglesa, pode ser traduzida como “instruções”.

Essa é a tradução literal do termo, mas, no marketing e na publicidade, a palavra recebe um significado mais abrangente.

Na definição do Dicionário Oxford, em inglês, é uma reunião na qual as pessoas recebem instruções ou informações.

Para o autor Rafael Sampaio, em seu livro Propaganda de A a Z (Editora Elsevier, 2013), o briefing pode ser definido como um “documento contendo a descrição da situação da marca ou empresa, seus problemas, oportunidades, objetivos e recursos para atingi-los”.

Sampaio afirma, ainda, que o briefing é a “base do processo de planejamento”.

Já o autor Armando Sant’Anna, em seu livro Propaganda: teoria, técnica e prática (Editora Cengage Learning, 2015), diz que “chama-se briefing as informações preliminares contendo todas as instruções que o cliente fornece à agência para orientar os seus trabalhos.”

Finalmente, no livro Briefing the Team: A Guide to Better Briefing for Clients (Editora Thomas Telford, 1997), os autores definem o briefing como um “processo pelo qual um cliente informa outras pessoas a respeito das suas necessidades, ambições e desejos, seja de forma formal ou informal”.

Como você deve ter percebido, a definição e o conceito estão fortemente relacionados com o mercado publicitário.

Isso acontece porque foi na publicidade e no marketing que essa ferramenta cresceu, expandindo-se para outros ambientes corporativos.

De forma resumida e simplificada para facilitar o entendimento, o briefing pode ser definido como um processo (mas também pode ser um documento) por meio do qual alguém estabelece os parâmetros para execução de um projeto por outra pessoa (ou grupo de pessoas).

No contexto da publicidade, o briefing é elaborado pelos representantes da marca para ser apresentado aos representantes da agência de publicidade.

O objetivo do briefing é orientar os profissionais de criação para que a agência produza um material de divulgação alinhado às necessidades definidas pelos representantes da marca.

Justamente por isso, deve ser capaz de nortear as ações e sanar as dúvidas, para que as pessoas responsáveis pela execução permaneçam convictas durante o processo.

Para que isso seja possível, precisa conter uma série de informações sobre a empresa que está contratando os serviços.

Deve apresentar, por exemplo, informações sobre o segmento do mercado em que a empresa atua, detalhes sobre o produto que está sendo lançado e o público ao qual esse produto está relacionado.

O briefing deve expor as dificuldades que a empresa está enfrentando e explicar o que a organização deseja alcançar.

A partir daí, o trabalho fica por conta dos gestores, que precisarão pensar em alternativas para atingir o objetivo traçado pelo cliente.

Deu para entender por que o briefing é uma peça-chave para o sucesso do seu trabalho, não?

Principais Benefícios da Estratégia de Briefing

briefing beneficios

Agora que você já entende o conceito de briefing e o seu significado no ambiente corporativo, vamos listar os principais benefícios que a adoção da estratégia do briefing traz para os resultados – tanto da empresa que contrata, como da empresa que executa.

Para facilitar esse entendimento, permita-se fazer um exercício de imaginação.

Considere que a sua empresa de cosméticos vai lançar um novo produto no mercado, como um xampu.

Você, que participou do processo de concepção da marca e da definição do conceito, sabe que o xampu é destinado a mulheres de cabelos crespos e que a o lançamento representa uma mudança de posicionamento da marca no segmento.

Agora imagine que, seja por um imprevisto, por pressa, por falta de planejamento ou por desorganização, essas informações que você conhece não cheguem de forma integral até os responsáveis por executar a publicidade.

Duas semanas depois, quando o grupo de trabalho da agência entrega o material finalizado e pronto para ser aprovado, a peça de publicidade mostra uma criança de cabelos lisos e tranças saltitantes.

Como um erro tão grosseiro pôde acontecer?

As pessoas responsáveis por pensar a estratégia de lançamento não apenas se basearam em informações incompletas, como passaram todo o tempo produzindo um material com um objetivo diferente do esperado por você.

Resultado de tudo isso? Você já sabe: desperdício de tempo e de recursos.

Todo esse cenário descrito acima, que deve ter dado calafrios aos profissionais mais metódicos e organizados, seria evitado por um briefing assertivo.

Só que a assertividade e a eficiência não são os únicos benefícios do processo.

De fato, o briefing também contribui com o próprio cliente que está contratando o serviço, porque impõe reflexões a respeito do produto e dos objetivos finais.

Ao realizar o briefing, a informação é encontrada e sistematizada.

Aquilo que estava apenas no pensamento das pessoas envolvidas no projeto é organizado de forma metódica: preto no branco, para não deixar margem para erro.

Com isso, as informações, que estavam dispersas, ficam agrupadas.

Por agrupar as informações que estavam dispersas, o briefing se transforma em um centralizador de conteúdo.

Recebe, por assim dizer, uma hierarquia dentro do projeto, sendo referência para todos que nele atuam.

Mas não é só isso.

O processo de elaboração do briefing também costuma ser muito propenso a novas ideias e ao surgimento de soluções que ninguém havia cogitado.

É um momento de inspiração para todos.

Finalmente, ainda vale lembrar que o grande benefício da estratégia do briefing é direcionar, com planejamento prévio, o trabalho que será executado pelas pessoas criativas, com foco nos objetivos apresentados como prioridade pelo cliente.

Por que é Importante a Realização do Briefing?

importancia do briefing

Ainda não está convencido da importância da realização do briefing?

Vamos listar, a partir de agora, tópicos que explicam por que esse processo é fundamental para o sucesso de qualquer projeto.

Informações Centralizadas e Organizadas em um Lugar

Quem conhece a rotina de trabalho em ambientes corporativos sabe que, frequentemente, é preciso lidar com informações desencontradas.

Considere, por exemplo, uma dinâmica em que o briefing não ocorre da maneira ideal.

O designer recebe uma orientação repassada pelo diretor de arte, que se reuniu com um dos profissionais de atendimento que receberam as informações dos clientes.

Do desejo do cliente à mensagem repassada ao designer, a informação se modifica, porque, inevitavelmente, ocorrem perdas no caminho.

Ao conduzir e elaborar um briefing, você reúne todas as informações importantes em um único documento.

Dessa maneira, não há dispersão dos fatos mais relevantes para o projeto.

Todos podem consultar as informações a todo momento, e o documento serve como referência inclusive quando não há aprovação do cliente em relação ao produto final.

Se os critérios apontados no briefing foram seguidos, fica difícil argumentar contra o material que foi realizado.

Assertividade do Trabalho

Outro problema frequente na rotina corporativa é o retrabalho, ou a refação, como você preferir.

Ela ocorre quando algum funcionário precisa executar a mesma tarefa mais de uma vez.

Voltando ao exemplo do designer, o retrabalho significa que a arte criada por ele não foi aprovada e é preciso refazer tudo.

O problema é o motivo por trás do retrabalho.

Quando há uma quebra de expectativa do cliente em relação ao produto final e aos critérios elencados no briefing, é justo que a arte seja refeita.

Mas, quando os critérios se perderam pelo caminho e o designer recebeu uma orientação incorreta, que induziu ao erro, significa que a empresa não é eficiente.

Além de ser frustrante para todos os envolvidos na tarefa, essa dinâmica significa desperdiçar tempo e dinheiro.

Com um briefing completo, que reúne informações relevantes sobre todas as etapas do trabalho, esse retrabalho é reduzido.

Todas as etapas se tornam mais assertivas, e a quantidade de retrabalho é reduzida.

Planejamento com Etapas de Processo

O briefing estipula as diretrizes do trabalho e define as etapas que devem ser cumpridas para o objetivo final ser atingido.

Ele permite que a empresa planeje suas ações, de forma a potencializar os resultados e desperdiçar a menor quantidade de recursos possível.

Dentro de qualquer empresa, o planejamento, como você sabe, é peça-chave para o sucesso.

Com o briefing, o planejamento se torna automático, porque faz parte do processo de briefing delegar funções e definir metas de trabalho.

O briefing, assim como o planejamento, tem objetivos claros e bem definidos.

Qual o objetivo do trabalho? Quem deve ser impactado? Quando os resultados devem ser atingidos? Quanto é possível gastar?

Todas essas informações fazem parte do briefing e permitem planejar a rotina de trabalho dentro da empresa.

Isso significa que o briefing é um processo contínuo, com várias etapas dentro do planejamento da empresa.

Se cada uma dessas fases for superada da maneira esperada, o resultado final fica próximo da perfeição.

Manter Equipe Engajada

Finalmente, o briefing tem o poder de manter a equipe engajada em todas as etapas do projeto, trabalhando de forma coesa e organizada.

Isso acontece porque todos os participantes do projeto conhecem as suas obrigações e as obrigações dos outros.

Com isso, o Pedro não executa a mesma função desempenhada pelo Arthur, porque ambos sabem qual o seu papel no processo.

A engrenagem funciona de forma harmônica e coesa.

Cada um faz a sua parte e todos controlam o trabalho dos outros.

Assim, o resultado final é produto de uma construção coletiva e organizada.

É o melhor que a empresa pode oferecer.

O que Deve ter em um Briefing?

o que deve ter um briefing

Agora que você já sabe o que é um briefing, quais seus benefícios e por que ele é importante, vamos detalhar o que esse instrumento deve conter para ser assertivo.

Histórico do Cliente

O primeiro passo da elaboração do briefing é mostrar quem é o cliente.

O documento deve ter informações sobre o histórico da empresa, explicando quando ela foi fundada e o mercado em que atua.

Deve ter, também, detalhes sobre o posicionamento da marca no mercado

É preciso que os envolvidos com o projeto saibam em que segmento a empresa atua e onde pretende chegar nos próximos anos.

Outra informação relevante sobre a empresa que está contratando os serviços é o propósito da marca.

Esse propósito pode ser definido como uma mistura entre a missão e os valores da empresa: que ideais ela prega e o que ela valoriza nos seus produtos.

Também é preciso detalhar cases de sucesso dessa empresa nos últimos anos, que deixem claro aquilo que deu certo.

Finalmente, vale a pena inserir detalhes sobre o faturamento da empresa e sobre recursos disponíveis para o projeto, embora o orçamento do projeto seja assunto para outra etapa.

Com todas essas informações em mãos, os profissionais envolvidos no projeto podem fazer um trabalho que esteja alinhado com a realidade da empresa.

Essa, como você sabe, é uma das condições para a aceitação do produto final por parte da empresa.

Definir Responsáveis

O processo de briefing também deve identificar quem serão os responsáveis por cada etapa do projeto.

Nesse momento, é preciso justificar a presença de cada colaborador na reunião em que o processo de briefing ocorrerá, para que não haja desperdício de tempo e nem de recursos.

A definição das pessoas estritamente necessárias também evita que haja interrupções desnecessárias e otimiza o tempo gasto no processo.

Ao estabelecer quem ficará responsável por executar e coordenar cada etapa do projeto, é preciso que todos saibam das responsabilidades de cada um.

Ao final do documento, cada responsável deve ser elencado, com informações de contato para que todos envolvidos no projeto possam contatar uns aos outros.

Isso permite que, ao ficar com alguma dúvida a respeito da execução, os colaboradores se dirijam às pessoas certas, reduzindo a margem de erro e otimizando os resultados.

Descobrir Problemas de Marketing

descobrir problemas de marketing - briefing

Problemas de marketing existem em qualquer lugar, e reconhecer isso não é um problema.

Pode ser válido, para o bom andamento da campanha, mencionar erros que ocorreram no passado.

Isso permite que as ações sejam colocadas em perspectiva pela equipe de agência encarregada de produzir a nova campanha.

Também permite que todo o time aprenda com os erros, para que eles não se repitam.

Como você sabe, não há problema em errar uma vez – mas insistir é demonstrar ignorância.

Ao definir os problemas de marketing, você também permite que o processo de briefing encontre alternativas para ele, já que se trata de um documento personalizado, que leva em conta aspectos específicos do cliente.

Para que o melhor resultado possível seja alcançado, a empresa deve ser transparente, sem “dourar a pílula”, como se diz no jargão do marketing.

Traçar Objetivos Claros

O momento de traçar os objetivos é uma das etapas mais importantes do processo de briefing.

Isso porque todo o esforço que está sendo realizado entre a empresa e a agência culmina na definição dos objetivos.

Nessa hora, é preciso ser claro para responder com assertividade uma pergunta principal: o que a empresa quer?

Algumas das respostas que podem surgir dessa pergunta e serem inseridas nos objetivos é aumentar a participação da empresa no mercado.

Outra possibilidade é intensificar as vendas de determinado produto em determinado segmento.

É possível, ainda, que a empresa deseje estabelecer um posicionamento sobre determinado tema que seja de interesse da empresa e dos consumidores.

Isso acontece, por exemplo, quando existe uma polêmica no mercado e a empresa precisa se posicionar para sanar dúvidas.

Imagine, por exemplo, que determinada marca de água mineral foi acusada de inserir mais sódio do que o recomendável na água.

Nesse caso, o objetivo da empresa seria restabelecer a verdade e se comunicar com os consumidores, algo bem diferente do lançamento de um produto.

É importante, nesse momento, estabelecer objetivos mensuráveis, para que o processo possa ser acompanhado e os resultados sejam comparáveis.

Em vez de afirmar que a empresa quer aumentar a visibilidade de determinado produto, estabeleça quantas pessoas devem passar a conhecer esse produto, com base nas informações atuais da empresa e da sua atuação no mercado.

Outra possibilidade é definir um percentual do mercado ou uma taxa de crescimento em relação aos clientes atuais.

Dessa forma, será possível estabelecer planos de ação que cumpram esse objetivo, seja com estratégias mais agressivas ou por meio de técnicas mais simples.

Além disso, será possível identificar se a estratégia foi bem-sucedida ao final do projeto.

Para facilitar a abordagem, também é recomendável dividir esses objetivos em camadas.

Nos objetivos de marketing, interessa saber o que a empresa pretende alcançar com a estratégia: lançar um produto, aumentar o conhecimento da marca, etc.

Nos objetivos de venda, interessa saber quanto (e se) a empresa deseja vender a mais em relação às vendas atuais.

Nos objetivos de comunicação, é relevante definir quantas pessoas a empresa deseja atingir, quem são essas pessoas e que tipo de atitude se espera delas.

Questões Específicas do Cliente

quetoes especificas dos clientes - briefing

Cada cliente é único e cada empresa tem as suas especificidades, seja qual for a área de atuação.

Por esse motivo, o briefing também deve apontar questões específicas do cliente, por se tratar de um documento personalizado.

A empresa que contrata uma agência deseja que todas as questões relevantes sejam atendidas, e não ficará satisfeita com um documento genérico.

Mesmo que a agência esteja acostumada a receber vários clientes do mesmo segmento, é preciso respeitar as diferenças de cada organização, porque pequenos detalhes podem significar mudanças impactantes na abordagem.

Uma empresa de origem familiar, por exemplo, pode se interessar por valores morais diferentes de uma companhia multinacional.

Também é possível que os sócios da empresa que está contratando a agência possuam restrições bastante específicas para o projeto, como a aversão a determinadas abordagens, cores ou palavras.

Da mesma forma, é possível que a empresa tenha uma série de especificidades que vão garantir mais oportunidades para os profissionais criativos no momento de configurar a campanha.

Histórias pessoais, cases de sucesso, origem da empresa, obstáculos iniciais, tudo isso pode ser relevante para personalizar a campanha.

Imagine, por exemplo, um curso de idiomas cujo fundador tem família com origens no exterior.

Ele é a terceira geração de uma família japonesa no Brasil e criou a empresa porque sentiu na pele a dificuldade com o idioma e sabe, na prática, o quanto a comunicação é importante.

Inserir esses elementos na campanha de marketing, mesmo que de forma indireta, vai ajudar a humanizar o conteúdo e criar um storytelling poderoso.

É necessário que a agência questione a empresa sobre todas essas questões específicas, a fim de averiguar todas as possibilidades.

Mesmo que seja cansativo ou a empresa não entenda a razão do questionário, é importante ressaltar que, aos olhos dos publicitários, detalhes que parecem irrelevantes para os sócios podem se tornar fundamentais na campanha.

Decidir Público-alvo: Conheça a Sua Persona

Entender e personificar seu público-alvo são medidas fundamentais.

Para isso, o primeiro passo é definir uma faixa de idade, com base no produto, no segmento e nos clientes atuais.

Uma empresa de cursos pré-vestibular vai ter mais facilidade para definir a faixa etária do que uma pet-shop, mas ambas precisam fazer esse recorte para entender o perfil do cliente.

Em seguida, é preciso definir a classe social ou a faixa de renda.

Isso pode ser feito dividindo o público em classes: A, B, C e D.

Nessa divisão, A são os consumidores mais ricos, e D são os consumidores mais pobres.

Em seguida, é preciso estabelecer o grau de escolaridade do público-alvo: ensino fundamental, ensino médio ou ensino superior são as principais classificações.

Depois disso, vem a definição da localização do público.

Para empresas de e-commerce, talvez a localização não importe tanto, mas a cidade em que o público-alvo mora é vital para empresas prestadoras de serviço, por exemplo.

Nessa divisão, você pode elencar o Estado, a região (metropolitana, oeste, sul, central, etc.), a cidade e até o bairro, se a empresa tiver interesse pelo hiperlocalismo.

Em seguida, vêm os hábitos de consumo, que dizem respeito ao comportamento do cliente.

Nesse momento, o estudo do público-alvo se torna mais complexo, porque os hábitos de consumo exigem mais destreza para serem mensurados, por meio de pesquisas qualitativas.

Faz parte dessa pesquisa, por exemplo, entender como o público-alvo se informa, que lugares frequenta, quais produtos consome e por quê.

Finalmente, com base em todos os dados levantados e em todas as informações apuradas, é possível montar uma persona para o negócio.

Essa persona representa um cliente-padrão, e permite que todas as estratégias de marketing sejam direcionadas para ela.

Uma persona de uma pet-shop, por exemplo, poderia ser, com base nas informações elencadas acima, uma mulher, entre 30 e 40 anos, casada, com ensino superior completo, das classes A e B, moradora da região metropolitana de São Paulo, que usa as redes sociais para se informar e dá preferência para produtos orgânicos.

Agora, se a empresa é a de cursos pré-vestibular, a persona poderia ser um jovem de 18 anos, solteiro, com ensino médio completo, da classe C ou B, morador de São Paulo, que não assiste mais televisão e dedica várias horas do dia às redes sociais.

Traçar as personas do negócio permite que todas as etapas do projeto sejam direcionadas para o seu público-alvo.

Pesquise o Mercado: Estudar Concorrência e Áreas geográficas de Atuação

pesquise o mercado - briefing

O processo de briefing deve trazer um estudo aprofundado sobre o mercado em que a empresa atua.

Isso permite que todos os profissionais envolvidos com o projeto tenham um panorama completo do segmento ao pensar nas estratégias de campanha.

Nesse momento, é preciso entender quais são os concorrentes diretos e indiretos e detalhar onde eles estão localizados.

Mais do que isso: a agência deve listar as principais estratégias de marketing e de comunicação dos concorrentes.

O líder do segmento aposta em comerciais televisivos? Investe em anúncios na imprensa? Tem presença forte nas redes sociais ou outdoors espalhados na cidade?

Também é importante citar qual é a política de preços adotada por esses concorrentes.

Além dos preços, é relevante conhecer as promoções da concorrência, como programas de fidelidade, programas de pontos, condições de pagamento, descontos, liquidação e condições de pagamento.

Nesse momento, o processo de briefing deve listar os pontos positivos e negativos dos produtos dos concorrentes.

Dessa forma, a estratégia de marketing poderá ser utilizada para neutralizar os pontos fortes dos concorrentes e explorar os pontos negativos, conquistando a preferência dos consumidores.

Além da concorrência, essa etapa do briefing deve trazer informações detalhadas e aprofundadas do mercado em que a empresa contratante atua.

A agência deve ser capaz de responder, juntamente com a empresa, qual o tamanho desse mercado, com dados objetivos e atualizados.

Houve crescimento desse mercado nos últimos anos, o segmento se manteve estável ou perdeu espaço?

Também é importante especificar qual parcela do mercado a empresa domina.

Especificidades do mercado, como a sazonalidade, devem ser amplamente debatidas, porque isso interfere de forma decisiva na estratégia de marketing.

Imagine, por exemplo, uma floricultura focada em presentes e brindes.

O dia dos namorados, o dia das mães e o mês da mulher são as principais datas do ano para essa empresa, representando, muitas vezes, boa parte do faturamento anual.

Agora imagine uma empresa de confecções que produz biquínis. O ritmo de produção e de venda no inverno e no verão são completamente diferentes, e a estratégia da campanha de marketing deve saber lidar com essa sazonalidade.

Por fim, é importante citar como esse mercado se movimenta: a partir de influências econômicas, ambientais, políticas, regionais, sazonais, demográficas, etc.

Definir Prazos e Orçamentos

Tão importante quanto as definições do público-alvo, do mercado, da concorrência e dos objetivos é a definição de prazos e orçamentos.

A definição do orçamento disponível para o projeto vai pautar as estratégias da campanha, levando a equipe a buscar as opções de melhor custo-benefício, de acordo com os critérios estabelecidos ao longo do briefing.

Se a empresa tem o objetivo de tornar sua imagem mais conhecida para determinado público, o orçamento disponível pode restringir ou potencializar os resultados.

Com pouco dinheiro, é preciso pensar em estratégias alternativas e ser assertivo, buscando a maior conversão possível.

Com mais recursos, é possível ampliar o leque de alternativas e buscar estratégias mais abrangentes.

O dinheiro disponível também dá a dimensão do projeto que será realizado e define quantas pessoas poderão contribuir na campanha, já que recursos humanos também são definidos pelos recursos financeiros disponíveis.

Na etapa do orçamento, também é importante dividir a campanha em etapas e discriminar o valor disponível para cada uma delas.

Além de facilitar o projeto, essa abordagem evidencia o que a empresa e a agência definem como prioridade dentro da campanha.

O momento da definição do orçamento também pode ser utilizado para definir os prazos e chegar a um acordo entre agência e empresa.

Mais do que definir quando a campanha será lançada e quando ficará concluída, é importante montar um cronograma detalhado de todas as etapas.

Isso permite a organização de todos os envolvidos no projeto e garante o acompanhamento dos responsáveis da empresa e dos representantes da empresa.

Além disso, um cronograma bem montado evita problemas de última hora e deixa a equipe mais confortável para trabalhar.

Lembre-se, porém, que o cronograma não deve ser visto com rigidez extrema.

É preciso estar preparado para se adaptar a possíveis mudanças ao longo do percurso e ser flexível, porque a campanha pode mudar de rumo, em especial quando se trata de um projeto de longo prazo.

Definir e Vencer Objeções

briefing - definir e vencer objecoes

Já tratamos aqui das possíveis objeções da empresa à campanha: são os itens que o cliente rejeita e que, por isso, precisam ser elencados previamente.

A única maneira de fazer isso é questionando a empresa de maneira aprofundada, para entender em detalhes quais são as objeções e por que elas existem.

Uma boa pergunta para fazer aos representantes da empresa, nesse momento, é: o que a campanha não pode ter sob hipótese nenhuma?

As respostas para essa pergunta vão compor uma lista com itens que não são admissíveis para a empresa, desde posicionamentos no campo moral até o uso de determinadas palavras e a contratação de determinada pessoa para se aliar à marca.

O principal objetivo de listas as objeções é garantir que o resultado final da campanha esteja alinhado ao pensamento da empresa.

Essa estratégia potencializa resultados e evita o retrabalho, principalmente quando as objeções são listadas com possíveis alternativas.

As alternativas são possibilidades que devem ser consideradas durante a campanha para dar lugar às objeções.

Por exemplo: se o cliente não tolera publicidade por meio de anúncios impressos, o processo de briefing deverá apontar alternativas a esse modelo, como o marketing digital, logo no início da concepção do projeto.

Como Criar um Briefing na Prática?

como criar um briefing na pratica

Se você chegou até este ponto do texto, já sabe conceituar o que é um briefing, já sabe por que sua execução é importante e já sabe contar, em detalhes, o que esse instrumento precisa abranger para ser bem-sucedido.

Agora, vamos dar algumas dicas para criar um briefing na prática:

Escolha Seus Parceiros(as) de Projeto Cuidadosamente

A escolha dos parceiros do projeto vai impactar de forma decisiva no resultado final.

É importante que você conheça todos os parceiros que atuarão no projeto e tenha referências positivas de todos eles.

Apenas dessa maneira o trabalho vai ocorrer de forma fluída e produtiva para todos os envolvidos.

Se você não conhece algum dos integrantes cotados para o projeto, não deixe de buscar referências com quem já trabalhou com eles em situações semelhantes.

Escolher apenas as pessoas essenciais, como já foi abordado, aumenta a eficiência do uso do tempo e torna o trabalho mais assertivo.

Centralize Informações

A ideia de centralizar informações é importante em um contexto de excesso de dados, com muito ruído de comunicação.

Nesse caso, é importante que o briefing funcione como um centralizador de informações, reunindo todo o material relevante para orientar todas as pessoas envolvidas no projeto.

Ficou com alguma dúvida a respeito da história da empresa, do segmento do produto, do objetivo da campanha ou dos custos do projeto? O briefing deve abranger essas respostas.

Filtre o que Não é Necessário

Ao mesmo tempo em que centralizar informações é necessário, reunir dados em excesso pode ser prejudicial para o andamento do projeto.

Cabe a você e à equipe que está montando o briefing definir o que é estritamente necessário para o projeto, sob pena de criar um documento muito extenso e detalhado, de difícil leitura.

Quanto mais objetivo for o briefing, mais assertiva tende a ser a campanha.

Seja o Mais Simples Possível

A objetividade e a simplicidade andam de mãos dadas.

Além de ser objetivo nos critérios elencados no briefing, você precisa adotar uma abordagem simples, que esteja ao alcance de todos os envolvidos e não crie problemas de compreensão.

Quanto mais simples for o briefing, menores são as chances de erros ou de retrabalho ao longo do processo.

Explicações elaboradas e argumentos extensos devem ser destinados a outros documentos.

No briefing, adote a simplicidade extrema para não dar margem para dúvidas.

Adapte o Projeto Para Diferentes Situações Caso Necessário

Outra característica importante do briefing é a adaptabilidade.

De nada adianta passar uma semana debruçado sobre o briefing de um projeto de longo prazo se, na primeira reviravolta, todo trabalho for por água abaixo.

O briefing precisa considerar alternativas para mudanças de trajeto ao longo do percurso.

A estratégia geral precisa se manter estável, mesmo que seja necessário enfrentar problemas ou restrições.

Por isso, o briefing precisa ter espaço para adaptações, e todas as pessoas envolvidas no projeto precisam saber que o briefing se trata de um organismo vivo, fruto de uma relação constante entre empresa e agência, sujeito a mudanças caso necessário.

Exemplo de Briefing

exemplo de briefing

Existem vários modelos de briefing no mercado, e nenhum pode ser considerado melhor do que o outro, porque cada projeto é único e tem diferentes demandas.

Um dos modelos mais tradicionais é o questionário, em que a empresa contratante responde a uma série de perguntas por parte da agência contratada, e as respostas obtidas compõem o briefing.

Vamos a um exemplo?

Neste cenário abaixo, uma empresa deseja aumentar a visibilidade sobre determinado produto por meio da publicidade.

Acompanhe o questionário:

1. Quem fabrica o produto?

Empresa com sede em Santa Catarina, que atua há oito anos no mercado de confecções infantis.

2. Como o produto é feito?

Com uma linha de produção moderna, que reduz a emissão de resíduos e dá preferência à matéria-prima local.

3. Como o produto é vendido?

Por meio de representantes comerciais com atuação em especial nos estados do Sudeste e do Sul.

Chega ao cliente final por meio de lojas de butique.

4. Qual é o principal benefício que o produto oferece?

Conforto das roupas e a linha exclusiva, além do custo-benefício.

5. A empresa ou o produto ganhou algum prêmio?

Sim. Recentemente, a linha de verão da empresa foi premiada pela originalidade por uma revista especializada.

6. Como era feita antes a propaganda da empresa?

A publicidade anterior foi focada nas relações entre pais e filhos.

7. Como é a propaganda dos concorrentes?

Focada nos baixos preços dos produtos.

8. Quem são os consumidores do produto?

Pais de crianças com até dez anos, que pertencem às classes A e B.

A partir das informações coletadas nas respostas, você pode elaborar um documento que resuma todos os dados e instruções importantes para a estratégia do projeto.

E, então, dar início à elaboração do conjunto de medidas específicas que serão tomadas para atender às demandas do cliente, de acordo com todas as suas particularidades.

Conclusão

briefing- conclusao

Viu como não é tão complexo?

Esse modelo é bastante simplificado, e você notou, ao longo do texto, como o processo pode se estender para abranger todas as especificidades de cada empresa.

De qualquer forma, o exemplo permite que você tenha uma referência no próximo momento em que for elaborar um briefing.

E se você estiver buscando uma maneira de aprimorar essa ferramenta, vale a pena conhecer o coaching.

Essa metodologia oferece muitas técnicas para que você faça as perguntas certas para direcionar as ações do projeto e entenda exatamente o que o seu cliente está buscando.

Quando você se coloca no lugar do interlocutor e trabalha com inteligência emocional, pode extrair dele informações mais completas e assertivas para nortear o seu planejamento.

Gostou das dicas sobre o briefing, sua importância e aplicação? Então, deixe um comentário e compartilhe este artigo nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *