mulher quadro

Uma nova tendência é a contratação de mulheres para cargos de gerência.

Apesar da conquista de direitos femininos ao longo das últimas décadas, a diferença de gênero ainda é fator de preconceito no mercado de trabalho. Embora as pesquisas apontem que as mulheres já são maioria no ensino superior, muitas empresas continuam resistentes a contratá-las. E quando finalmente são empregadas, muitas vezes enfrentam um novo problema: a discrepância salarial. Em compensação, possuem características favoráveis ao relacionamento interpessoal no ambiente corporativo. Enquanto os homens são movidos, geralmente, pela racionalidade, elas, por sua vez, são mais tolerantes, sensíveis e intuitivas, podendo facilitar a solução de conflitos com base na negociação.

Elas invadiram o mercado

Segundo dados do governo brasileiro, em 2011 o crescimento da participação feminina foi maior que o da masculina, com aumento de 5,93% em relação ao ano anterior. De acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), o número de empregos de mulheres com carteira assinada passou de 18,3 milhões em 2010 para 19,4 milhões no ano seguinte.

Os registros revelam ainda que a mudança ocorreu tanto em pequenos como em grandes cargos. Dentre eles, destacam-se atividades em Administração Pública, Construção Civil, Construção de Estações e Redes de Telecomunicações, Comércio Varejista especializado em eletrodomésticos e Transporte Rodoviário de Carga. Outros estudos também apontam expansão nas áreas de Recursos Humanos e Educação.

Qualidades

Uma nova tendência é a contratação de mulheres para cargos de gerência. A opção pelo gênero tem sido, inclusive, um dos requisitos exigidos para o preenchimento das vagas. Segundo especialistas, uma das razões é o fato de serem mais objetivas na execução de tarefas diárias, como, por exemplo, realizar uma reunião dentro do tempo planejado.

mulher sala mesa equipe

A rede de contatos é fundamental para ter acesso a melhores oportunidades.

Além disso, outros pontos favoráveis podem ser citados:

Flexibilidade e paciência: procuram atuar de forma mais harmônica, incentivando a participação dos colaboradores;

Equilíbrio: embora saibam usar a racionalidade para tomar decisões assertivas, também fazem uso da emoção para equilibrar situações que exigem mais maleabilidade;

Organização: costumam ser mais organizadas e disciplinadas;

Motivação no trabalho: demonstram estar mais satisfeitas em relação às atividades desenvolvidas;

Salários menores: Além de tudo isso, geralmente aceitam remuneração inferior a dos homens.

Claro que essa é uma avaliação feita de modo generalizado, visto que, além da questão de gênero, outros fatores vão determinar o comportamento humano e a empregabilidade. De todo modo, é importante que as mulheres saibam aproveitar as qualidades inerentes ao sexo feminino para alavancar a carreira profissional.

Amplie sua rede

Uma boa dica é expandir o networking. A rede de contatos é fundamental para ter acesso a melhores oportunidades. Para isso, além de convenções presenciais, é válido acessar sites de busca com listas de empresas e associações relacionadas a diversas áreas de interesse.

Há também plataformas online que funcionam como redes sociais destinadas a profissionais, onde é possível criar perfis com currículos e portfólios. Através de ferramentas como essas, as chances de contato direto com futuros empregadores são maiores.