Chefe reunião

Um líder que sabe o momento certo para agir com maior rigor evita a formação de trabalhadores irresponsáveis e desmotivados.

Num mercado cada vez mais competitivo, o sucesso da empresa está diretamente relacionado ao tipo de liderança que é praticado no ambiente de trabalho. A predominância do perfil ortodoxo e autoritário tende a diminuir na cultura das organizações, pois costuma gerar alta rotatividade de funcionários e ações judiciais por conta da gestão baseada no medo e na opressão. No entanto, a boa liderança também exige do gestor uma postura mais firme em certos momentos, como durante tomadas de decisões que vão determinar o futuro da corporação.


O modelo de gestão participativa, aberta ao diálogo e à flexibilidade, tem ajudado a solucionar muitos problemas e a criar métodos mais eficientes para o crescimento da equipe e da empresa. De fato, respeitar e reconhecer as ações do liderado são medidas que devem ser praticadas pelo gestor. Mas a falta de atitude firme de muitos deles para delegar atividades e assumir riscos compromete a concretização dos resultados em momentos cruciais.

Rigor no momento exato

Um líder que sabe o momento certo para agir com maior rigor evita a formação de trabalhadores irresponsáveis e desmotivados.

Durante ocasiões em que uma empresa está à beira da falência ou sofreu uma fusão recente, por exemplo, a figura autoritária é de extrema importância para que sejam feitas as mudanças necessárias.

Executivo escritório mesa

Tomar decisões faz toda a diferença.

Diferença entre chefiar e liderar

Você sabe diferenciar chefia e liderança? Mais que dar ordens, ser um bom líder é saber conduzir uma reunião, planejar metas, orientar bem os colaboradores e ter visão ampla dos negócios para entender as dificuldades e poder cobrar resultados.

Nessas horas, tomar decisões faz toda a diferença, sobretudo quando se assume a responsabilidade não só dos acertos, mas também das falhas.

Mais importante que evitar os erros é tirar deles lições que sirvam para a correção e o aperfeiçoamento de atividades futuras.

Tenha bom senso

Diante da dúvida quanto à dosagem certa de autoridade, é natural que muitos profissionais tenham medo de parecer carrascos. Por isso, o importante é ter bom senso:

– Perceba o que o momento exige: dureza ou maleabilidade;

– Avalie se não há argumentos que o convençam a voltar atrás no direcionamento das estratégias;

– Faça autorreflexões com frequência;

– Evite a inflexibilidade exagerada, que irá gerar clima de insatisfação entre liderança e equipe e comprometer a qualidade do trabalho;

– Às vezes é necessário descentralizar certas ações para dar mais agilidade ao desenvolvimento das tarefas e evitar que os funcionários fiquem dependentes da iniciativa do chefe.