São os axiomas, provérbios pessoais que não precisam de comprovação para serem usados.

São os axiomas, provérbios pessoais que não precisam de comprovação para serem usados.

(Por Marinaldo Matos)

“Líderes apitam faltas”.  A sentença direciona meus pensamentos e motivações para que eu possa conduzir adequadamente uma reunião sem ser engolido pelas múltiplas interpretações do momento, flagrantes faltas interpessoais que interrompem reuniões de diretoria ou paralisam reuniões de equipe. Quando a falta acontece é o líder quem apita.

Por outro lado, quando tudo está dando errado naquele evento que seria importante para toda a equipe, todas as estratégias parecem não surtir efeito nas negociações, reunir a equipe será a situação mais sensata.  Declare então: “Foi desafiante. Mas tivemos o privilégio de fazer isso juntos”. Essa declaração tem um efeito de refrigerar a alma. Esses pensamentos vão amadurecer suas decisões e fortalecer  seus comandados.

São os axiomas, provérbios pessoais que não precisam de comprovação para serem usados. Consideramos crenças positivantes ou princípios, ou ainda estertores que catalisam nossos valores. Os axiomas surgem do exercício constante de liderar com eficácia e amor, verdades construídas para alavancar a si e aos seus liderados. São dinâmicas mentais de liderança para vencer desafios em equipe. No coaching pouco usamos tal expressão, mas é uma boa referência para a propositura de novas crenças.

Os líderes, de uma forma ou de outra, se pautam por princípios. E os resultados são maiores ou menores a partir do que compartilham com seus grupos ou times. Marcos C. B. Cunha, da Academia de Líderes, elenca três princípios como pontos nevrálgicos da liderança.

Grandes líderes fazem crescer não somente os resultados, também as pessoas

Grandes líderes fazem crescer não somente os resultados, também as pessoas.

A primeira responsabilidade é, inequivocamente, a capacidade de fazer com que uma visão e uma missão tenham resultados claros e atingíveis no mundo real. Vai muito além de uma frase bem feita e emoldurada num quadro que, neste momento, está pendurado numa das paredes do depósito de coisas inúteis e descartáveis.

A segunda responsabilidade é a qualidade da experiência vivida junto aos seus liderados. Eles apresentam maior satisfação, experimentam mais crescimento, mais saúde, mais disposição. Tudo isso é consequência de as pessoas estarem nessa jornada com você.

A terceira responsabilidade é a autoliderança, comprovadamente a mais difícil e desafiadora de todas. Profissional estagnado é uma bomba relógio de estresse. É trágico ver um talento sendo desperdiçado, tomado pela síndrome do “já sou completo”. Negligenciam o desgaste e a desorientação que se avolumam com o tempo e as mudanças. É preciso conhecer mais a cada momento, abastecer o tanque para continuar evoluindo na jornada.

Os grandes líderes propõem e cumprem a lição de casa, dessa forma deixam o cansaço e instabilidade de lado.  Criam seus provérbios e suas máximas. E a cada crença proferida é uma oxigenação para si e para quem o ouve.

O general Colin Powel, exímio estrategista americano, dedicou 24 sessões de seu livro “The Powell Principles” aos seus princípios adquiridos desde os seus dias de soldado até seu posto como alto oficial do Governo Americano. “Mantenha uma política de portas abertas”, “investigue a organização”, “promova o conflito de ideias”. São alguns dos princípios defendidos, os axiomas de liderança eficaz defendidos por Powell.

Grandes líderes fazem crescer não somente os resultados, também as pessoas. Não apenas lideram bem, mas são capazes de articular resumidamente frases memoráveis sobre como lideram.