Buracos negros não têm solução; problemas, sim. É uma questão de interpretação.

Buracos negros não têm solução; problemas, sim. É uma questão de interpretação.

(Por Marco Beck)

Como você encara os obstáculos que surgem no seu caminho depende diretamente da sua interpretação da vida.

Um obstáculo para você é como um buraco negro? Se for, meus pêsames, porque buracos negros não têm solução – tudo o que passa perto de um buraco negro, no espaço, é sugado para dentro dele. Até a luz. É um poço sem fundo, um beco sem saída, o fim da linha.

No meu trabalho como coach, a primeira providência quando me deparo com alguém que se sente num poço sem fundo é apresentar a situação como se ela fosse não um buraco negro, mas um problema.

Buracos negros não têm solução; problemas, sim. É uma questão de interpretação. Você pode não saber a resposta para o problema, ele pode ser sério, mas você sabe que há solução.

O obstáculo não é um buraco negro e nem é um problema, mas um desafio.

O obstáculo não é um buraco negro e nem é um problema, mas um desafio.

O próximo passo é mudar de novo a interpretação: o obstáculo não é um buraco negro e nem é um problema, mas um desafio. Você lamenta quando tem um problema – “que droga!” –, mas se entusiasma ao deparar-se com um desafio. “Oba, vamos resolver isso!”

Um dos pressupostos da Programação Neurolinguística, que é uma das fontes do Coaching, diz exatamente isso: não existe realidade, existem mapas pelos quais as pessoas interpretam a realidade. Você pode interpretar a sua realidade como um buraco negro, como um problema ou como um desafio.

Qual a melhor interpretação? Qual a que te fortalece para superar o obstáculo? Qual a que te põe pra cima e faz surgir o melhor de  você?

A questão não é a questão, mas como você interpreta a questão.

Faz sentido?…