FLOW - Acredita-se que as pessoas têm, intrinsecamente, uma vontade de sair daquele mundo sem variedades.

Acredita-se que as pessoas têm, intrinsecamente, uma vontade de sair daquele mundo sem variedades.

(Por Claudia Hölter)

FLOW

Flow é um conceito criado por Mihaly Csikszentmihalyi, co-fundador do movimento chamado psicologia positiva, idealizado por Martin Seligman em 1998. A partir de extensos estudos e pesquisas, investigando e verificando a questão da motivação intrínseca, Csikszentimihalyi concluiu que “não há empreendimento capaz de fugir ao marasmo se os desafios que representa são sempre do mesmo nível”.

Como vencer os marasmos da vida?

Acredita-se que as pessoas têm, intrinsecamente, uma vontade de sair daquele mundo sem variedades, que muitas vezes impregnam as suas vidas, seu trabalho – saem em busca de novos desafios – que sejam capazes de quebrar aquela monotonia indesejável. Nesse cenário, Seligman aponta o engajamento como sendo um dos principais facilitadores na relação trabalho e flow – “engajamento está ligado a uma posição de entrega: entregar-se completamente sem se dar conta do tempo, e perder a consciência de si mesmo, durante uma atividade envolvente”.

Segundo Csikszentimihalyi, “os melhores momentos costumam ocorrer quando temos o corpo e a mente completamente empenhados em um esforço voluntário para realizar algo difícil e que valha a pena”. O propósito subjacente a essa experiência de flow está no aumento crescente da complexidade das atividades empregadas para estimular o indivíduo a aperfeiçoar suas habilidades, fazendo com que se concentre e se sinta absorvido em sua ocupação – tal como uma  situação ótima de flow.

Flow pode ser comparado a uma experiência de bem-estar produzida por uma motivação intrínseca.

Flow pode ser comparado a uma experiência de bem-estar produzida por uma motivação intrínseca.

Engajamento, autoconhecimento e motivação

Diante disso, podemos entender que flow pode ser comparado a uma experiência de bem-estar produzida por uma motivação intrínseca do ser e que traz não só benefícios momentâneos, mas também duradouros. No caso da experiência profissional da autora como master coach, os benefícios sociais que o trabalho de coaching  trouxe ao longo do tempo em função do networking construído com pessoas de vários níveis hierárquicos e nacionalidades diferentes, a ajudou a se relacionar melhor e mais eficazmente com as pessoas, fortalecendo, assim, sua autoestima, seus talentos e, consequente, sua satisfação com o seu trabalho.