O Capital Humano pode ser financiado pela instituição ou não, mas depende exclusivamente do colaborador a exploração desse resultado.

O Capital Humano pode ser financiado pela instituição ou não, mas depende exclusivamente do colaborador a exploração desse resultado.

(por Marinaldo Matos)

Nos ambientes de trabalho, é cada vez maior o investimento em cursos, palestras e workshops com dinâmicas de melhorias da comunicação humana. É uma necessidade de ampliar performances interpessoais, verbais e de comportamento. O que se busca é conhecer e despertar potencialidades que podem interferir positivamente nas relações profissionais e pessoais. O benefício vai além, faz parte de um pacote chamado Capital Intelectual.

O conceito ainda é relativamente novo, portanto, passível de alguns equívocos.

Afinal, o que é capital Intelectual? É um conjunto formado por: capital humano, capital estrutural e capital dos clientes.

  • O Capital Humano pode ser financiado pela instituição ou não, mas depende exclusivamente do colaborador a exploração desse resultado. São qualificações, habilidades, conhecimento e a criatividade dos membros de uma equipe, que aumentam a produtividade e exercem a função econômica;

 

  • O Capital Estrutural é a organização de métodos e procedimentos organizados pela instituição. O colaborador volta para casa, mas esse capital permanece na empresa. Entre eles estão os bancos de dados e os manuais de procedimentos;

 

  • O Capital dos Clientes são valores de relacionamento. É o valor da franquia, da marca, do relacionamento com os clientes, a lealdade deles à marca da empresa, o quanto ela conhece as necessidades de seus clientes e, antecipadamente, resolve seus problemas. É por isso que certas empresas podem custar bem mais caro que o valor do seu patrimônio.  Ou, ao contrário disso, esse capital intelectual pode estar tão abalado que o valor cobrado por uma empresa não cobre o patrimônio que tem.

 

Com o mercado mais exigente, as empresas vêm sentindo a necessidade de investir cada vez mais em recursos humanos, acrescentando em seu capital o conhecimento.

O Capital Intelectual passa a ser reconhecido como a mais nova “fonte de recursos” das empresas. Com essa representatividade, tal capital não pode ser subestimado e nem usado de forma ineficiente. Precisa sim, ser incentivado e investido para potencializar a atração de bons negócios e melhorar a rentabilidade. E é nesta esteira de busca por mais conhecimento, desenvoltura, habilidade e criatividade que entra a comunicação interpessoal, a inteligência emocional e a necessidade de estabelecer contato sensorial com os mais diversos atores da engrenagem social da empresa.

O avanço do coaching se dá por uma necessidade humana do conhecimento e do autodesenvolvimento.

O avanço do coaching se dá por uma necessidade humana do conhecimento e do autodesenvolvimento.

A competência técnica é fornecida por cursos técnicos ou de faculdade, mas a competência humana ainda causa desânimo nos empregadores. A revista Boletim Técnico do Senac, do primeiro quadrimestre de 2012, afirma que o avanço do coaching se dá por uma necessidade humana do conhecimento e do autodesenvolvimento. E que os profissionais têm competências em comum, como saber ouvir, ter capacidade de argumentação e negociação, ser ético, ter liderança e maturidade.  As empresas mais antenadas já descobriram essa potencialidade. E entre os seus investimentos há sempre uma boa parcela para treinamentos de melhoria de performance, de alta performance.