A parceria de negócios entre gestores e cogestores chama a atenção para o tipo de relacionamento gerencial que cultivam entre si.

A parceria de negócios entre gestores e cogestores chama a atenção para o tipo de relacionamento gerencial que cultivam entre si.

(por Claudia Hölter)

Pensando sobre o tema do bem-estar na carreira profissional de executivos, em função da minha própria experiência profissional vivida conjuntamente em situações diárias de desafios, ousadia e engajamento nas trajetórias de liderança com meus gestores, sinalizarei  alguns aspectos de importância para uma parceria de sucesso entre gestores e cogestores, a fim de contribuir para o fortalecimento e melhoria de seus relacionamentos e otimização da parceria de negócios.

Acredita-se que a parceria de negócios entre gestores e cogestores chama a atenção para o tipo de relacionamento gerencial que cultivam entre si, uma vez que este grupo, em especial, possui características inerentes à função, conduzem uma carga de estresse muito grande, afetando a si mesmos e, muitas vezes, os que os reportam diretamente. Como, então, repensar essas relações de trabalho e indicar formas de lidar com as demandas dos executivos?

O coaching, alinhado a Psicologia Positiva, é uma ferramenta poderosa para firmar parcerias entre gestores

Sem dúvida, essa parceria exige um alto grau de habilidade e engajamento para lidar com as demandas que envolvem o seu dia-a-dia. Portanto, repensar as relações de trabalho em termos de engajamento pode facilitar o bem-estar em suas ocupações, afirma Martin Seligman, ex-presidente da American Psychological Association (APA) e criador da Psicologia Positiva,  “engajamento está ligado a uma posição de entrega: entregar-se completamente sem se dar conta do tempo, e perder a consciência de si mesmo, durante uma atividade envolvente… Acredito que a atenção concentrada exigida pelo engajamento consome todos os recursos cognitivos e emocionais que formam nossos pensamentos e sentimentos. Daí a importância de se identificar seus pontos mais fortes e aprender a usá-los com mais frequência para entrar no engajamento”. (SELIGMAN: 2011, p.22)

A ideia subjacente a isto, é a de que o exercício de práticas de coaching com esses profissionais pode vir a ser uma forma eficaz de lidar com as demandas inerentes aos seus cargos, uma vez que ajuda, por exemplo, a alinhar os estilos de gerenciamento, as formas de comunicação e a corresponsabilidade pela gestão de carreiras com base em seus pontos fortes.

Um processo de team coaching pode vir a contribuir para uma parceria de sucesso entre gestores e cogestores.

Um processo de team coaching pode vir a contribuir para uma parceria de sucesso entre gestores e cogestores.

Por fim, faz-se oportuno mencionar que um processo de team coaching pode vir a contribuir para uma parceria de sucesso entre gestores e cogestores, uma vez que buscará identificar os talentos que levam esses indivíduos a terem satisfação no ato de trabalhar e reconhecê-los como sendo pontos fortes a serem descritos, explorados e praticados no seu dia a dia. Essas são as minhas dicas de hoje para você, leitor!

Até a próxima.