Parece que decidir se tornou algo a ser evitado.

Parece que decidir se tornou algo a ser evitado.

(Por Bruno Calderaro)

Ultimamente, um evento especifico tem me chamado a atenção: a inabilidade das pessoas em tomar decisões. A meu ver, parece que decidir se tornou algo a ser evitado. É como se, ultimamente, tomar decisões causasse algum tipo de fobia. E não estou falando de grandes decisões, como construir um negócio próprio, mudar de carreira ou começar uma família. Falo de decisões do tipo “aonde vamos no feriado”, “estudo ou durmo”, “não sei o que eu peço no restaurante”.

A analise que eu faço é que, de uma forma geral, as pessoas estão abdicando de seu direito mais precioso, o do livre arbítrio, o de decidir o que quer e o que não quer na sua vida. Permitindo que as coisas simplesmente aconteçam.

E o reflexo disso é que na linha do tempo, após inúmeras vezes em que elas se anularam, sabe-se lá por qual razão, elas simplesmente “chutam o balde”.

Virou moda e estão considerando isso como algo positivo, a ideia de chutar o balde. Profissionais que construíram carreiras, simplesmente largam tudo para ir vender coco na praia. Ou pais de família, mães que construíram um lar, deixam tudo de lado para ir viver uma “vida loka”.

Isso é insano!

Qualquer que seja seu desejo, ele começa com uma decisão.

Qualquer que seja seu desejo, ele começa com uma decisão.

Por que tem que ser assim?

Fico rico ou tenho um casamento feliz? Qual o motivo dessa mania de pensar que só se pode ter uma coisa ou outra? A vida não é zero ou um, só maquinas trabalham assim.

Não importa seu nível de conhecimento e quantidade de dinheiro que você tem nesse momento, se você começar agora eu garanto que em cinco anos você se tornará uma pessoa bem sucedida. Em dois anos eu já não sei.

Não importa o quão despedaçado esteja seu relacionamento com sua mulher, filho, irmão, pai, mãe ou quem quer que seja. Em três anos você poderá estar vivendo o relacionamento dos seus sonhos. Em seis meses? Aí eu já não sei.

É importante entender que você pode ter tudo, tudo na vida, mas não tudo ao mesmo tempo. Só isso.

E qualquer que seja seu desejo, ele começa com uma decisão. E para tomar decisões de forma coerente e eficaz é necessário ter apenas uma única coisa em mente:

O que eu quero obter dessa situação? Na linguagem do coaching: qual é o meu objetivo?

Por que da importância de se ter um objetivo?

Simples: porque se você não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve.

Seguindo o exemplo do titulo desse artigo, onde a decisão a ser feita esta entre casar ou comprar uma bicicleta. O raciocino é a ser seguido é:

Se você quer ter liberdade, aventura, independência, como resultado final você compra a bicicleta.

Se o que você procura é apoio, segurança, estabilidade, está muito claro que casamento é o que você busca.

Bons insights e, mais que isso, desejo a vocês muitas decisões!