atleta paraolímpica

Grandes objetivos são aqueles realmente importantes para quem os traça, e este tipo de conquista merece ser sempre celebrada e estimulada

(Por Fernando Colella)

Em meu último artigo neste blog, defendi que propor-se objetivos medíocres porque podem ser alcançados com maior facilidade não pode caracterizar uma busca pelo sucesso. Grandes objetivos são aqueles realmente importantes para quem os traça, e este tipo de conquista merece ser sempre celebrada e estimulada. De fato, um dos papéis de um bom coach é motivar seu cliente à conquista de metas relevantes. Por outro lado, é preciso ter em mente que um dos critérios a ser considerado para que uma meta bem formulada é o seu realismo. Objetivos difíceis, mas alcançáveis, são sempre estimulantes. Porém, objetivos improváveis, cedo ou tarde, tornam-se frustrantes.

Em geral, as maiores e mais ambiciosas metas de um indivíduo estão relacionadas aos padrões de satisfação que este estabelece para uma determinada área da vida. Por exemplo, na área de recursos financeiros, imagine alguém que pretende ganhar um salário mensal de R$ 30 mil atuando profissionalmente em uma atividade incompatível com esses ganhos. Se ele não estiver disposto a mudar de área, terá de rever seus critérios salariais para não viver frustrado com ganhos inferiores aos pretendidos. Na área de saúde, uma pessoa pode ter como projeto ideal participar de corridas e maratonas, mas se sofrer algum acidente ou doença que lhe traga limitações físicas, como ter de viver em uma cadeira de rodas, permanecerá infeliz enquanto não rever seus padrões para essa área da vida.

No livro “Quality of Life Therapy”, o psicoterapeuta clínico Michael B. Frisch, autoridade internacional em psicologia positiva, sugere que, em casos como esses, objetivos realistas sejam determinados a partir de uma revisão nos padrões de uma determinada área da vida em que o indivíduo esteja insatisfeito. Se um objetivo não puder ser melhor formulado para se adequar às expectativas de seu autor, este poderá considerar então baixar levemente seus padrões para que possa obter maior satisfação na respectiva área de sua vida. Desta forma, retomando o exemplo acima, um indivíduo que desejava tornar-se um maratonista e que tem de viver em uma cadeira de rodas, poderá rever seus critérios e encontrar sua satisfação pessoal praticando modalidades paraolímpicas ou cuidando da área da saúde de outras maneiras, que podem incluir uma alimentação mais saudável ou práticas de exercícios mais leves e compatíveis com sua condição.

A revisão de critérios também merece ser considerada para indivíduos perfeccionistas, que normalmente buscam padrões inalcançáveis de perfeição para uma atividade, e que sofrem por ser impossível atingi-los. Por exemplo, um jornalista que precise concluir um texto e não consegue fazê-lo por considerar seu trabalho sempre insatisfatório, pode padecer com a falta de produtividade e ter problemas para cumprir prazos. Rever os padrões neste caso passa a ser fundamental para que esse profissional exerça de forma mais assertiva a sua profissão. Isso pode ser feito através de perguntas, como: “o que é suficiente?” ou “que objetivos e padrões realistas posso determinar para o sucesso nesta área da minha vida?”.

alcançar planos

Encontre sua satisfação pessoal

Se você acredita não possuir padrões realistas em alguma das áreas de sua vida, ou se é coach e tem de lidar com clientes que passam por essa situação, uma boa alternativa é utilizar a ferramenta abaixo para identificar critérios distorcidos e estabelecer novos padrões de satisfação em uma ou mais áreas. São perguntas eficazes que podem ser utilizadas juntamente com uma Roda da Vida para cada uma de suas áreas, ou em conjunto com outros métodos para validação de objetivos, como o SMART. Criei-a para trabalhar com alguns de meus clientes de coaching que não possuíam clareza de parâmetros em certos aspectos de suas vidas, e tenho obtido excelentes resultados. Espero que possa ser tão útil para você como tem sido para mim.

ESTABELECENDO NOVOS PADRÕES

1) Estabeleça a área da vida a ser avaliada a partir do objetivo pretendido (trabalho, finanças, família, intelecto, etc).

2) Avalie, de 0 a 100%, o seu nível de satisfação neste momento de sua vida com a área mencionada.

3) Descreva como seria exatamente alcançar o 100% nesta área. Seja específico.

4) Este padrão que você está querendo atingir é realista e viável? Em caso negativo, qual seria um padrão realista e viável?

5) O que precisa ser feito para que você possa a assumir esse novo padrão? Qual é o próximo passo para isso?

Observações: As questões 1 e 2 podem ser substituídas pela utilização da Roda da Vida. Neste caso, as perguntas seguintes aplicam-se a cada uma das áreas avaliadas. A última pergunta só deverá ser colocada caso perceba-se que o padrão a ser atingido não é viável. Não esqueça que é fundamental assumir um comprometimento pleno com essa mudança para alcançar resultados efetivos e duradouros. Bons novos padrões!