recebendo informações

É essencial “filtrar” todo tipo de informação que recebemos principalmente no que compete a utilidade de cada uma delas

(Por Fernando Colella)

O filósofo grego Sócrates, que viveu em Atenas entre 469 a.C. e 399 a.C., é uma referência presente em nossa sociedade. Ele não apenas é considerado o pai da filosofia, justamente por reconhecer a própria ignorância das coisas, mas foi também o criador da maeiêutica, um método dialético de chegar a verdades e conclusões a partir de perguntas, e isso a técnica do coaching deve muito a ele. Sócrates acreditava que todos carregam a verdade dentro de si, e esta poderia ser alcançada através de perguntas assertivas que obrigassem o seu interlocutor a refletir sobre questões que comumente não pensava a respeito.








A forma como o Sócrates procedia em seus diálogos é bem exemplificada no texto abaixo. Trata-se de um conteúdo apócrifo atribuído ao clássico filósofo, mas de autoria desconhecida e popularizado graças ao poder de propagação da internet. De qualquer forma, ninguém sabe ao certo se as histórias e diálogos reputados a Sócrates aconteceram de fato e da forma como são contados, já que ele jamais escreveu nada. A maior fonte de suas ideias está na obra de seu mais conhecido discípulo, Platão. Se as histórias de Sócrates aconteceram como foi narrado ou se são invenções platônicas, jamais saberemos. O fato é que as narrativas que envolvem o pai da filosofia sempre se constituíram como ensinamentos valiosos para todos, mas em especial no coaching.

O texto que segue é encontrado com facilidade no mundo virtual, mas aqui ele nos interessa, sobretudo, por ser classificado como uma abordagem de coaching no livro “Ferramentas de Coaching“, de João Alberto Catalão e Ana Teresa Penim, da Editora Lidel. Com o título “Filtros de Sócrates”, a história nos apresenta alguns crivos úteis que podemos considerar quando lidamos com episódios que tomamos conhecimento das mais diversas fontes ou que desejamos propagar, mas também é relevante quando lidamos com nossas crenças, sobretudo aquelas que nos limitam, e que são somente informações que obtivemos ao longo da vida e compramos suas ideias. Para você, o que vale a pena dizer ou acreditar? Boa leitura!

informações na vida

Para você, o que vale a pena dizer ou acreditar?

Um dia, um homem interpelou Sócrates e disse-lhe:

– Sabes o que me disseram de um amigo teu?

– Espera um minuto – replicou Sócrates. Antes de me dizeres alguma coisa, quero te colocar algumas questões. Um processo que chamo de exame do triplo filtro.

– Triplo filtro? – respondeu o outro.

– Isso mesmo – continuou Sócrates. Antes de me falares do meu amigo, pode ser uma boa ideia filtrar três vezes o que vais dizer. É por isso que lhe chamo o exame de triplo filtro.

1º filtro:

O primeiro filtro é a verdade. Estás absolutamente seguro de que o que me vais dizer é verdade?

– Não – respondeu o homem. Realmente só ouvi falar sobre isso e…

– Está bem! – disse Sócrates. Então realmente não sabes se é verdade ou não.

2° filtro

– Agora, permite-me que aplique o segundo filtro, o filtro da bondade. Aquilo que vai me contar sobre o meu amigo, é algo de bom?

– Não, pelo contrário… – respondeu o homem.

– Então, queres contar-me algo de mau sobre ele, mas não estás certo de que seja verdade….

3° filtro

– Mas posso ainda ouvir-te, porque falta um filtro, o da utilidade. Vai servir-me para alguma coisa saber aquilo que queres contar sobre o meu amigo?

– Não. A verdade é que não…

– Bem – concluiu Sócrates. Se o que desejas me contar pode nem ser verdadeiro, não é bom e nem me é útil para nada, por que haveria eu de querer tomar conhecimento disso?