A importância das pesquisas científicas

Retornando à questão da contribuição dos artigos científicos para o coaching, exemplificaremos como você pode entrar em ação para aumentar as suas habilidades investigativas e produzir artigos em prol do crescimento da profissão. Um dia eu estava participando de um dos eventos da Sociedade Brasileira de Coaching em um hotel no Rio de Janeiro. Ao entrar no elevador, o ascensorista me perguntou que evento era esse “tal de coaching” que estava acontecendo, com pessoas tão alegres, alto-astral e super comunicativas.

E com uma voz entusiasmada, perguntou-me: “A senhora também trabalha com esse negócio de coaching”? Respondi: “Sim, sou coach positiva e atuo no desenvolvimento do comportamento humano e organizacional”. E ele continuou: “É…, comportamento positivo é tudo na vida de uma pessoa, não é mesmo?”.

A forma como você se posiciona durante uma simples conversa, como essa que tive no elevador, pode ser decisiva para você desenvolver uma temática investigadora a partir do que seu interlocutor responder.

A indagação do ascensorista, de alguma forma, questiona o senso comum sobre o comportamento humano, seja ele positivo ou negativo.

O senso comum aqui seria aquele conjunto de crenças/pensamentos que compõe o agir do indivíduo, formando assim uma visão explicativa e inteligível das relações causais que norteiam a sua vida. Entre elas destacam-se:

Crenças negativas:

– Não sou capaz de conseguir uma promoção no meu trabalho.

– Sou feia demais para namorar com aquele “deus grego” da minha empresa.

– Não consigo aprender inglês.

 

Pensamentos positivos:

–  Eu não desisto dos meus planos, luto até o fim pelos meus ideais.

– Tenho ótimos relacionamentos.

– Sou capaz de aprender novas habilidades.

Entende-se que a construção de uma temática investigadora sobre o impacto das crenças negativas e pensamentos positivos para o comportamento humano exigirá, por exemplo, que o coach-pesquisador inicialmente uma série de reflexões sobre o tema, tais como:

1) O assunto é de interesse científico?

2) É possível de ser investigado?

3) Há material bibliográfico sobre a temática?

4) O profissional coach demonstra familiaridade com o assunto?
Por fim, sugiro que a escolha do tema esteja relacionada ao interesse do pesquisador pelo assunto para que a produção do artigo se torne algo prazeroso, relevante e significativo.

Até a próxima!