Nhenhenhém hereditário

(Por Marco Beck)

Na minha experiência como coach descobri uma ferramenta fantástica, que apliquei primeiro a mim mesmo (e sigo aplicando) e depois a inúmeros clientes e que poucos conhecem: o S.A. Code.

É uma ferramenta usada preferencialmente na crise de resistência que costuma surgir em muitos processos de Coaching e que acontece quando a pessoa, depois de iniciar o trabalho com determinação e entusiasmo, tem uma recaída num comportamento inadequado ou a voz do seu crítico interno aparece para jogá-la pra baixo, argumentando que ela é fraca e não conseguirá mudar. Pode envolver uma questão afetiva, como parar de sentir ciúmes irracionais do parceiro, ou uma questão de autoestima, como precisar sempre da aprovação dos outros, ou até conseguir manter uma dieta saudável ou escrever um livro.

Nesse instante, quando o entusiasmo inicial parece desbotar porque surgiu um revés, é hora de sacar do coldre o S.A. Code e BANG!!!, bem na testa de resistência sabotadora.
Pra quem não sabe, o “S” do S.A. Code significa “s”, o “A” significa “a”, o “Code” significa “code” e tudo junto significa “sacode”, que significa exatamente o que você está pensando: sacudir!

Sem sacudir, desista de mudar. Pra mudar de verdade, pra sua mudança ser efetiva e duradoura, você – e eu, e ele, e ela, e todos nós – precisa sacudir o nhenhenhém das desculpas que dá a si mesmo pra justificar a inércia, o contentar-se com pouco, o nivelar-se por baixo. Por mais elaboradas e justificadas que sejam, essas desculpas são do nosso eu-criança que resiste em crescer porque primeiro precisa receber o amor que não recebeu, ganhar o colo que não ganhou, experimentar o cafuné que faltou naquele dia triste ou escutar um pedido de desculpas praquela injustiça que sofreu.

Mas não será como o Nenê gostaria que fosse! E o desafio é sacudir a paralisia feita de desculpas mesmo assim, porque essas desculpas nem são originais: são repetidas geração após geração, herdadas de pais e avós e bisavós e tataravós, sempre proclamando que somos coitadinhos! Na verdade, é um nhenhenhém hereditário! Eu sei que o amor devia estar ali e não esteve, assim como o colo, o cafuné e as desculpas – tudo isso devia ter rolado e não rolou. Mas você simplesmente NÃO PODE deixar o eu-criança te sacanear exatamente como os outros fizeram no passado.

artigo Marco Beck

Ou pode?

Se seguir esperando e colecionando desculpas doloridas, o que acontecerá? O que virá disso?

Mais inércia. Mais desculpas. Mais empurrar-com-a-barriga.

E o que é sacudir, na prática?

É não aceitar mais desculpas pra adiar-se na vida! Quando acontecer um revés ou a voz do seu crítico interno vier “nhenhenhenzar” dentro da sua cabeça, não aceite o tombo e nem o veredicto do seu crítico. Faça diferente! Conclua outra coisa! Pense noutra direção! Sacuda! Se sacuda! Sacuda quem você ama! Depois que você decidiu sacudir, tudo anda – até o processo de Coaching!