Talvez seu maior medo seja chegar lá! Isso já passou pela sua cabeça?

Talvez seu maior medo seja chegar lá! Isso já passou pela sua cabeça?

(Por Mariana Viktor)

Seja em que área da vida for – amor, trabalho, família, dinheiro, realização pessoal – a imensa maioria dirá que tem medo de fracassar, de perder, de não ser bom o bastante, de não estar à altura das situações. O óbvio pra todos, não é mesmo?

Mas convido você a pensar numa possibilidade na qual quem sabe nunca tenha pensado: talvez o seu maior medo não seja fracassar, perder, sentir-se fraco e pequeno diante da vida.

Talvez seu maior medo seja chegar lá! Isso já passou pela sua cabeça?

Ser pleno no amor, ter grana, amigos, colher todas as coisas boas que você plantou e planta. E antes que você diga que isso nunca assustaria você e, muito pelo contrário, que você adoraria colher coisas felizes, eu pergunto: tem certeza? Por mais sem sentido que isso pareça racionalmente, é muito comum ter esse medo em alguma área da vida e não perceber. Porque, ao contrário de outros medos evidentes, este é um medo de entrelinhas, não é explícito não.

Se você cresceu num ambiente onde as pessoas eram infelizes no amor – se seus pais, tios e avós tiveram relacionamentos complicados e você aprendeu, por exemplo, que todo homem pula a cerca e que toda mulher é interesseira – é pouco provável que se entregue numa relação, por mais que queira ou que confie plenamente num determinado homem ou mulher. Percebe? Num contexto assim, estamos como que mergulhados em “verdades” que invalidam todas as tentativas de ser feliz no amor por mais que a gente deseje e mereça a felicidade ao lado de alguém.

E o que vale pro coração vale para qualquer assunto. Sobre dinheiro, a cabeça da pessoa pode ser ótima, ela pode ter conhecimento de mercado e grandes planos, mas se cresceu ouvindo que dinheiro traz problemas, que o melhor é ter um pouquinho mais do que o suficiente para viver, que dinheiro demais muda o caráter, é quase certo que haverá um bloqueio interno amarrando os passos e impedindo a prosperidade.

E se de repente você começa a ganhar dinheiro e quebra essas “leis”, já pensou?

Isso não ia mexer com valores antigos e “queridos” que dizem o contrário? E o mesmo se aplica a fazer novos amigos (se você cresceu ouvindo que só os amigos de infância são leais), dançar (“não levo jeito”), morar um tempo em outro país (“isso não é pra mim”) e etc.

Veja bem se por trás da sensação de ser incapaz não se esconde apenas um receio.

Veja bem se por trás da sensação de ser incapaz não se esconde apenas um receio.

Então vale a pena fazer uma lista de verdades familiares e sociais que ouvimos ao longo da vida e checar se elas estão nos ajudando ou atrapalhando. Talvez você tenha uma surpresa ao descobrir que uma destas verdades da lista pode ser a responsável por alguma estagnação que incomoda você hoje em dia.

Outro problema de ser feliz na vida é a reação dos outros. Se, de repente, você encontra seu verdadeiro caminho (que não tem nada a ver com o caminho dos seus familiares e sequer com o que você fazia antes) e fica bem, leve, tranquilo, como reagirá quem convive com você? Claro que muita gente vai apoiar e brinda com você, mas todos vão estranhar e alguns talvez até façam objeções que poderão desanimá-lo caso você se deixe influenciar. E se você não quer causar estranheza nem despertar “clima”, será que esse desejo não fará você tirar o pé do acelerador do sucesso, para não ter que lidar com essas questões? Já pensou nisso?

Todos nós temos forças que nos empurram para a frente e forças que nos puxam para trás, sem que percebamos. Então veja bem se por trás da sensação de ser incapaz não se esconde apenas um receio de alcançar o que você deseja e ter que desmentir a velha crença no fracasso.