Pesquisa traz principais razões que levam as pessoas a trair.

Pesquisa traz principais razões que levam as pessoas a trair.

(Por Marco Beck)

Não adianta: por mais modernos e liberais que nos consideremos, as duas perguntas do título seguem assombrando os casais e gerando angústia tanto para quem trai quanto para quem é traído, assim como para “a outra” ou “o outro”.

Publicado em 2013, o livro The Normal Bar (ainda sem título no Brasil, mas significando algo como “A Barreira da Normalidade”) traz a mais completa pesquisa realizada até agora sobre relacionamentos e aponta as principais razões que levam as pessoas a trair.

Num universo de 100 mil voluntários avaliados, 33% dos homens e 19% das mulheres admitiram ter traído os parceiros – com 17% das mulheres e 23% dos homens admitindo ter traído uma vez; 36% das mulheres e 33% dos homens “pulando a cerca” de 2 a 5 vezes; e mais de 40% dos homens e mulheres envolvendo-se com outra pessoa 6 vezes ou mais. Os percentuais impressionam.

Segundo os três autores do estudo – Chrisanna Northrup, Pepper Schwartz e James Witte – o fantasma da traição conjugal aparece por 5 motivos:

1)      Amigos – 45% dos homens e 26% das mulheres afirmaram sentir-se atraídos por amigas ou amigos de seus parceiros a ponto de pensar em traí-los.

2)      Viagens – 36% dos homens e 13% das mulheres reconheceram ter traído o parceiro em viagens de negócios, o que seria mais comum entre 6 a 9 anos de relacionamento.

3)      Amor do passado – quando uma velha paixão reaparece, a estatística se inverte e as mulheres traem mais que os homens: 32% a 21%, respectivamente.

4)      Tédio – nada menos que 71% dos homens e 49% das mulheres pesquisados responsabilizaram a monotonia sexual pela traição, alegando “pular a cerca” para experimentar novidades na cama.

5)      Vingança – “Dar o troco” diante de uma traição cometida pelo parceiro foi o motivo pelo qual 9% dos homens e 14% das mulheres alegaram envolver-se sexualmente com outra pessoa.

Você vai ser criativo e resistir ao hábito que desbota o amor?

Você vai ser criativo e resistir ao hábito que desbota o amor?

O que há de comum nesses motivos para trair?

“Pular a cerca” com amigos próximos, em viagens de trabalho, com antigos amores, por tédio ou por vingança significa que estamos habituados à relação. E não apenas habituados com o parceiro ou parceira, mas com a gente mesmo, a ponto de não perceber os indícios de que algo não vai bem e que precisamos nos reinventar para reinventar o relacionamento.

A menos que a gente desista como se dissesse: “A vida é assim, as relações são assim, os homens são assim, as mulheres são assim…”

É o seu caso ou você vai ser criativo e resistir ao hábito que desbota o amor?

Se a opção é resistir, vale perguntar: como posso ser criativo em relação a este detalhe, sendo “este detalhe” a cama, uma data importante, minha atitude diante das coisas da relação, meu jeito de olhar para a pessoa com quem divido a vida?

Na hora de ouvir a resposta, deixe a cabeça de lado e permita que o coração e o corpo falem por você.