VOZ interior - Cuidado com a VOZ interior

VOZ interior

Só executar quando estiver inspirado. Só mover-se quando não sentir medo. Só se expressar entre amigos. Só posicionar-se se não gerar conflito. Só andar por onde os outros já andaram.

Todas essas afirmações parecem sensatas e racionais, vindas de um eu interior igualmente sensato e racional. Mas tome cuidado porque na prática tais afirmações são, ao contrário, insensatas e irracionais.

Duvida?

Então vejamos.

Faz sentido que em muitos casos a inspiração “pega no tranco” e que grandes artistas simplesmente não fariam nada se esperassem a tal da inspiração bater à porta?

Faz sentido que a verdadeira coragem não é mover-se quando não sentimos medo, mas mover-se com medo e tudo?

Faz sentido que expressar a sua verdade é mais do que bom, mas necessário, e que por isso você deve expressá-la independentemente de estar entre amigos?

Faz sentido que certos conflitos são bons e úteis para sacudir situações estagnadas e que grandes e boas soluções podem emergir de conflitos?

E, finalmente, faz sentido que andar apenas por caminhos conhecidos gera resultados igualmente conhecidos e que mesmo caminhos habituais foram um dia desbravados pela primeira vez?

Então, pra resumir, comece devagarinho a duvidar das afirmações aparentemente sensatas e racionais que uma voz interior azeda por vezes martela na sua cabeça. E duvide porque essa voz não é realmente sua, mas do seu “eu” que mora na zona de conforto e que fará de tudo para manter você exatamente onde está, por puro medo de avançar.

Desobedeça essa voz e avance! Isso é que é realmente sensato e racional!