Nos últimos anos, inúmeras organizações internacionais de coaching foram criadas buscando oferecer certificações para treinamentos e escolas de formação em coaching. A proliferação destas organizações está deixando muitas pessoas desorientadas e colocando em cheque a credibilidade dessas certificações como parâmetro de qualidade.

Diante deste fato a Sociedade Brasileira de Coaching separou algumas dicas para você ampliar a sua visão sobre treinamentos ou serviços de Coaching. Além de desmistificar os conceitos passados por empresas que acabaram de surgir no mercado e que estão se apoiando em falsas informações para angariar clientes e alunos. Deste modo a pesquisa e escolha por uma instituição de formação será muito mais fácil. Seguem as dicas.

Como distinguir a qualidade profissional de um órgão com o coaching

Se você está considerando juntar-se a uma organização profissional. Aqui estão nove critérios, geralmente acordados. Observe que as organizações de coaching que se chamam de “profissionais” se diferenciam nos graus para os quais exibem completamente cada um destes critérios:

1- Padrão de Afiliação

Devem ser demonstrados a fim de agregar. Este pode ter a forma de avaliações previamente passadas, certificações alcançadas, graduação em escolas especificadas ou instituições de treinamento, e outros tipos de atividades que devem ser completadas anteriormente à afiliação. Os padrões de afiliação tipicamente implicam que um membro potencial possui um especial conhecimento de base, apoiado pela pesquisa e entendimento da teoria; uma base de habilidades, apoiada por um padrão ou mínimo de horas de instruções de prática ativa; e uma base de competência, apoiada pela avaliação de supervisores qualificados. As organizações se diferenciam quanto ao nível de documentação requerida de tais fundações e devem ter categorias de afiliação que reflitam progresso no alcance de várias competências.

2- Padrões para prática profissional

Estão claramente declarados e expostos de forma destacada. A aceitação escrita de tais padrões é requerida para a afiliação. Os padrões são geralmente expressos através de um Código de Conduta ou um Código de Ética. Os padrões são tipicamente enfatizados como sendo “altos” e servem para guiar os membros em relação a lidar com o público e com cada um. As organizações se diferenciam quanto ao nível de monitoramento oferecido, avaliação ou disciplina dos membros em relação à adesão ou à violação de tais códigos e padrões. Na maioria dos casos, tais códigos e padrões são desenvolvidos pelos “pares” dentro da organização e podem ser atualizados de tempos em tempos quando os problemas de prática emergem. Tais códigos ou padrões vão além das obrigações morais e pessoais dos membros.

3- Desenvolvimento Profissional dos membros

É considerado uma alta prioridade e a organização provê publicações, seminários, conferências e outros materiais ou eventos, exclusivamente para o uso dos membros. As organizações diferenciam-se quanto ao nível de admissão de não-membros em tais eventos ou acesso às suas publicações.

4- Proteção

É a principal atividade de muitas organizações profissionais. Uma organização profissional típica toma uma posição pró-ativa e procura por maneiras de educar o público não-membro antecipadamente à ocorrência de problemas. Isto pode tomar a forma de comentário público em questões relacionadas à especialidade da afiliação.

5- Solvência Financeira

É essencial para qualquer organização profissional. Independente se a organização é com ou sem fins lucrativos, que se tenha solvência financeira. Segundo o SEBRAE 75% das empresas declaram falência antes de completar 5 anos de existência e 95% delas antes dos 10 anos. É exatamente por isto que a escolha deve ser cuidadosa por qualquer pessoa que deseja entrar nesta profissão. Imagine o quanto irá valer seu diploma se a instituição que você fizer o treinamento não existir mais daqui há alguns anos.

6- Responsabilidade Social

Este item veio para ocupar uma ampla função nos últimos 30 anos em relação às organizações profissionais. Vem sendo demonstrada através de trabalho voluntário, criação de serviços gratuitos ou de baixo custo para certos segmentos da população. Além de oferecer funcionários para comentar ou responder a uma variedade de questões e preocupações sociais, e atender a aspectos não-profissionais do bem-estar dos membros através de benefícios à saúde, grupo de seguro, programas de aposentadoria, apoio ao desenvolvimento da carreira e outras atividades. Além disso, uma profissão enfatiza a responsabilidade de servir outros acima dos interesses pessoais dos indivíduos membros.

7- Metas Comuns e Visão

São típicas dos membros. Enquanto debates consideráveis, questionamentos e conflitos podem ocorrer entre os membros em relação às políticas e estrutura, os membros concordam que a proposta básica ou metas do trabalho focam nos indivíduos dentro das organizações.

8- Governança

É guiada ou controlada por conselhos administrativos. É comum a existência de reuniões estratégicas de comitês em organizações profissionais. Dependendo do tamanho da organização, equipes pagas podem ser envolvidas na assistência da organização para alcançar ou manter suas metas. Em alguns casos, as organizações profissionais envolvem membros em um número de atividades, mas não têm oficiais eleitos da afiliação. Ao invés disto, elas têm uma assembléia consultiva constituída por membros da organização conhecidos e altamente respeitados.

9- Relacionamentos>

Com o público e com outras organizações tais como órgãos federais, organizações concorrentes ou relacionadas e instituições de treinamento são mantidas de forma contínua. Em alguns casos a organização profissional criará padrões que serão usados para credenciar profissionais ou aconselhará agências governamentais no licenciamento e certificação. Uma organização profissional, freqüentemente, se governará de forma a minimizar o envolvimento com agências externas na implantação de diretrizes, padrões ou leis pertencentes ás atividades dos membros. O público espera que a organização represente os mais altos padrões da prática da profissão e protegê-lo da exploração e do abuso de seus membros.

Apesar da Sociedade Brasileira de Coaching se enquadrar em todos os itens acima citados e para manter uma posição imparcial sobre os credenciamentos, nosso certificados são reconhecidos internacionalmente pelo International Coaching Council.