Adam Smith, em seu importante livro, A Teoria Moral dos Sentimentos (The Theory of Moral Sentiments), afirma que as pessoas excelentes possuem três virtudes primárias: prudência, justiça e benevolência, exatamente nessa ordem. Cada uma delas é essencial para conviver com outras pessoas e viver plenamente em sociedade.

1ª Virtude: Prudência

Essa virtude, na visão do autor, diz respeito ao hábito de proporcionar o bem para si mesmo, sua família, seus amigos, seus colegas de trabalho e sua empresa. Isso implica pensar de maneira inteligente e honesta sobre quais são as melhores ações que, se realizadas, podem maximizar as suas oportunidades e minimizar os possíveis perigos e ameaças.





Ter a prudência como hábito significa analisar, cuidadosamente, todos os investimentos, avaliar sobre o que pode acontecer se você tomar determinadas atitudes e ser inteligente para se proteger contra retrocessos e reviravoltas do destino. As pessoas mais bem-sucedidas são aquelas que são prudentes em todos os seus assuntos pessoais e de negócios.

2ª Virtude: A Justiça é Cega

O segundo hábito que a pessoa deve ter é o senso de justiça. Este se refere ao compromisso com o estabelecimento e a manutenção das leis que protegem a pessoa e a propriedade de cada indivíduo na sociedade. A república americana perdurou por mais de 200 anos, porque foi cuidadosamente estabelecida com base na lei por seus fundadores. Em todos os níveis da nossa sociedade, são elaboradas e estabelecidas leis específicas, que são aplicáveis a todos os cidadãos, independentemente da riqueza ou posição social.

John Rawls, o filósofo de Harvard e autor de “Uma Teoria da Justiça” (A Theory of Justice – Belknap Press, edição revisada, 1999), uma vez fez uma pergunta à classe da qual era professor, que vem sendo repetida diversas vezes ao longo dos anos.

Imagine ter o poder de escrever as leis e criar as normas da sociedade na qual você vive. Lhe foi dado o poder de definir as relações econômicas, sociais e políticas que existem no seu país enquanto você viver.

O seu poder possui apenas uma limitação. Você pode criar toda essa estrutura, mas sem saber em qual família você irá nascer. Não saberá com antecedência com qual condição física irá nascer. Independentemente do sistema de leis e das normas que escolheu, você será obrigado a conviver com eles até o final da sua vida. Que tipo de sociedade você criaria nessa situação?

A resposta a esta pergunta é a essência do conceito de justiça. A estátua da justiça segura a balança em sua mão e está vendada. A verdadeira justiça é, portanto, aplicável a todas as pessoas que vivem sob um determinado sistema, independentemente da sua origem. Quando você faz da justiça uma virtude responsável por organizar o seu próprio caráter, você desejará que, independente do poder que cada parte ostenta, todos sejam tratados com justiça e imparcialidade na resolução de qualquer dificuldade ou disputa.

Utilizar da prudência é essencial para o sucesso pessoal. Ter a justiça como hábito é fundamental para criar uma sociedade na qual uma pessoa tem diversas possibilidades para correr atrás de seus interesses e objetivos. A regra é: não desejar ou exigir de uma pessoa o que não esteja totalmente disposto a aceitar para si mesmo.

3ª Virtude : Benevolência

A terceira qualidade necessária é a benevolência. Esta é uma característica marcante existente em uma pessoa realmente superior. Aristóteles se referiu a essa virtude, como uma das oito essenciais, o da “generosidade”. A maioria das pessoas possui uma estrutura psicológica e emocional que a faz acreditar que a verdadeira felicidade e satisfação só existem quando se está fazendo algo que beneficia outras pessoas.

Quando você doa ou realiza alguma ação generosa aos outros, sendo para um membro da sua família ou para um desconhecido, você se sente mais valioso e mais feliz. Quando oferece sempre os melhores produtos aos seus clientes ou presta um serviço de maneira superior à sua capacidade, você sente não só uma enorme satisfação pessoal, mas também se coloca em um patamar superior aos demais, quando se trata de sucesso pessoal e nos negócios.

Você se lembra do ditado: “Quanto mais você dá de si aos outros esperando retorno, mais coisas boas voltarão para você, por meio das mais inesperadas fontes”.

Utilizar regularmente essas três virtudes: a prudência, justiça e benevolência, geram naturalmente sentimentos e ações de bondade, compaixão e tolerância para com outras pessoas. Você se torna uma pessoa mais aberta e flexível. Desenvolve mais paciência e compreensão. Torna-se menos crítico ou exigente com os outros. Você se torna uma pessoa melhor.