Bebida alcoólica trabalho

O álcool reduz a percepção e o rendimento do indivíduo, dois fatores que podem trazer prejuízos não só para o profissional, mas também, para o empregador.

Bebida alcoólica e trabalho definitivamente não combinam. Afinal, o álcool reduz a percepção e o rendimento do indivíduo, dois fatores que podem trazer prejuízos não só para o profissional, mas também, para o empregador. Em casos de embriaguez no emprego, é comum que o empreendedor queira dispensar o colaborador por justa causa. Todavia, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) prevê que esse tipo de demissão só pode ser aplicado quando o trabalhador apresentar embriaguez habitual ou durante o serviço. Ainda assim, caso seja comprovado que o funcionário sofre de alcoolismo, ele não pode perder o emprego por esse motivo.

O que a empresa pode fazer nessa situação?

A diferença entre o alcoolismo e uma embriaguez eventual está na dependência química que o indivíduo enfrenta. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica o alcoolismo como uma doença crônica, por isso a demissão por justa causa não pode ser executada nesse caso.





Diante dessa circunstância, uma alternativa para a empresa é buscar o afastamento do colaborador pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), para que ele possa se reabilitar. A outra opção é encaminhá-lo à um programa de recuperação para dependentes químicos.

A demissão só pode ocorrer caso o funcionário se negue a aceitar o suporte oferecido pela empresa.

Como o funcionário deve agir?

Ao assinar um contrato de emprego, o profissional deve estar atento às regras de funcionamento da empresa e às normas previstas pela CLT. Não ingerir bebidas alcoólicas durante o horário de trabalho faz parte desses regulamentos. Lembre-se de que conhecimento dos direitos e deveres trabalhistas contribui para o desenvolvimento de uma carreira profissional de sucesso.

Trabalhadores alcoolizados oferecem sérios riscos a si mesmos e aos colegas, porque, além de desestabilizar a harmonia do ambiente, podem provocar graves acidentes com máquinas, prejudicar a execução de projetos e agredir outros colaboradores verbal e fisicamente. Por esse motivo, o profissional que não é alcoólatra e vai trabalhar bêbado, pode sim sofrer demissão por justa causa. Isso certamente dificultará sua recolocação no mercado de trabalho.

Trabalhadores alcoolizados oferecem sérios riscos

A prevenção ainda é a melhor alternativa para quem deseja permanecer no emprego por um longo período.

Assim, antes que a situação chegue a esse ponto, o ideal é nunca misturar serviço com bebida alcoólica e, caso exista a possibilidade do problema ser crônico, o próprio indivíduo deve buscar ajuda médica e apoio familiar para evitar que danos mais graves aconteçam. A prevenção ainda é a melhor alternativa para quem deseja permanecer no emprego por um longo período.