Tomar decisões

É cada vez mais comum conhecermos pessoas e empresas que possuem dificuldade em fazer escolhas.

Tomar decisões não costuma ser uma tarefa fácil. É cada vez mais comum conhecermos pessoas e empresas que possuem dificuldade em fazer escolhas. Muitas vezes são assuntos tratados em longas reuniões e, como resultado, temos as chamadas decisões compartilhadas, com a responsabilidade dividida entre várias pessoas.

Essa demora em resolver questões gera perda de tempo e de dinheiro e pode ser atribuída a vários fatores:

Falta de autonomia para decidir

Atualmente, é possível ver empresas, gestores ou processos que não dão autonomia para os colaboradores tomarem suas próprias atitudes. Essa relação de dependência costuma ser justificada por meio do controle de riscos ou até mesmo por causa do ego dos líderes, que não conseguem sequer imaginar outros funcionários decidindo por eles. Escolhas centradas em uma única pessoa facilitam a imposição de responsabilidades.

Falta de confiança

Alguns colaboradores preferem pedir ajuda a outros para dividir a decisão. Isso pode não ser ruim, porém pode ocasionar uma demora maior em algo que poderia ser resolvido rapidamente.

Excesso de opções

Quando se tem muitas alternativas disponíveis, a escolha fica mais difícil e dúvidas surgem, gastando um prazo maior para chegar a uma solução. Reduzir o número de opções é um caminho para ajudar na tomada de decisão

Necessidade de brilho pessoal

Não é raro encontrar numa empresa a figura do “super decisor”. Ele não se mostra de início e exige que todas as pessoas pensem, organizem reuniões e façam levantamentos em prol de uma tomada de decisão, investindo tempo e dinheiro. Até que um dia ele aparece e magicamente propõe uma resolução que, possivelmente, ele já tinha formulado desde o começo.

Ausência da gestão de “milestones”

Algumas decisões não são tomadas por simples esquecimento. As pessoas não lembram o que foi pedido e, diante da falta de urgência, acabam executando outras atividades, o tempo vai passando e a escolha não é realizada. Uma sugestão importante é colocar a tomada de decisão como tarefa, delimitando um período para que ela seja resolvida.

Preguiça

É muito comum escolhas não serem feitas por preguiça. O momento da decisão vai sendo adiado, o tempo passa e nada é definido. Só quando a escolha é exigida de alguma forma a pessoa pensa novamente sobre o assunto.

momento decisão

Perceba o que pode ser trabalhado no seu comportamento e não tenha medo de mudar, pois assim você só tem a ganhar.

Se você se identificou com um ou mais pontos citados e não deseja que a sua carreira profissional seja prejudicada por isso, invista no autoconhecimento. Perceba o que pode ser trabalhado no seu comportamento e não tenha medo de mudar, pois assim você só tem a ganhar.