papel lápis calculadora

O trabalho de administração dos gastos é feito por meio de anotações.

As escolas pouco abordam os temas economia e comércio na sala de aula, e o resultado disso é a falta de planejamento da população com o dinheiro e os altos índices de endividamento. Ensinar crianças e jovens a lidar com as finanças é formar adultos capazes de organizar a contabilidade, evitar dívidas e garantir reservas.





Para quem já saiu da sala de aula, recuperar o tempo perdido é algo que pode ser feito individualmente. Ler, fazer cursos, assistir a vídeos disponíveis na internet ou procurar outras fontes de informações sobre economia são medidas de treinamento comportamental que ajudam a equilibrar o orçamento e evitar estresse por causa da falta de dinheiro.

Além de buscar conhecimento sobre o assunto, ações simples de organização e controle são úteis para manter o equilíbrio financeiro.

– Faça anotações: o trabalho de administração dos gastos é feito por meio de anotações. Registre todos eles no papel para que seja possível analisar se precisam ser reduzidos. Para começar, pontue quais as fontes de renda da família. Em seguida, anote os pagamentos obrigatórios e os extras. Para aqueles que mudam de valor a cada mês, faça um cálculo estimado do dispêndio. Esse procedimento dá a dimensão da quantia que está sendo gasta sem necessidade.

– Obrigações e supérfluos: liste os gastos não obrigatórios e tudo o que puder surgir durante o mês. Some os valores e veja se as contas fecham, de maneira que o salário dê para arcar com todas elas. Independentemente de conseguir saldá-las, analise todas as despesas que não são fixas e veja como pode reduzi-las. Além de evitar o endividamento, essa atitude vai garantir um dinheiro a mais para os imprevistos e até para aplicação em uma poupança.

familia quadro desenho dinheiro

Ensinar crianças e jovens a lidar com as finanças é formar adultos capazes de organizar a contabilidade, evitar dívidas e garantir reservas.

– Aprenda a poupar: a diminuição dos recursos desembolsados pode vir com a classificação deles. Aquilo que você usufrui menos – como as dezenas de canais da TV paga aos quais ninguém assiste -, deve ser cortado. Energia e água também ficam mais baratas se você prestar atenção ao que está sendo usado de forma ineficiente.

– Pague em dia: quitar os boletos em dia ajuda a economizar. As taxas de juros do cartão de crédito são as mais altas, portanto, priorize essa despesa. Mensalidade escolar, aluguel, financiamentos, tributos e impostos também geram encargos quando pagos depois da data estipulada e isso pode reduzir ainda mais o seu saldo bancário. Outra dica é não comprar por impulso.

– Estabeleça metas: caso a renda familiar seja menor do que as contas, estipule metas de redução com prazos a serem cumpridos. Avalie com frequência se você está atendendo ao cronograma. Só assim, conseguirá equilibrar a situação, promovendo treinamento e desenvolvimento de educação financeira na família. Poupando, é possível pensar, inclusive, em fazer investimentos com o intuito de obter mais rendimentos.

Menos dor de cabeça com dinheiro depende não só da renda, mas da organização de cada indivíduo. O controle das finanças significa, além de folga no orçamento, bem-estar pessoal.