Posted in:

Psicopedagogia: o que é, importância e atuação profissional

Psicopedagogia o que e importancia atuacao profissional

Você sabe o que é psicopedagogia e onde ela se aplica?

Entender como o conhecimento é construído, descobrir os processos de aprendizagem humana e permitir uma educação mais eficiente.

Todas essas são questões relacionadas a esse vasto campo.

Mas há muito mais a saber sobre a sua importância e também sobre as possibilidades de atuação de um profissional formado em psicopedagogia.

Ao longo do artigo, vamos esclarecer esses e outros pontos sobre o assunto.

Tudo isso é muito importante, mas existe algo fundamental para colocar em prática:
Você precisa de ter hábitos certos, que vão te colocar em ação.


Pensando nisso, criamos um material que vai te ajudar a ser mais feliz e realizado através de hábitos de sucesso.

Clique aqui para ter acesso ao material e participar de um encontro online, onde Villela da Matta vai te dar mais conhecimento sobre este tema.

Continuando...

Este é um verdadeiro guia para quem está considerando seguir por esse caminho, mas ainda convive com dúvidas e incertezas.

Pronto para começarmos?

O que é psicopedagogia?

psicopedagogia o que e

A psicopedagogia, como o próprio nome já sugere, vem da união dos saberes de duas áreas, a psicologia e a pedagogia.

Mas a verdade é que se trata de um campo ainda mais multidisciplinar, que aborda conhecimentos da antropologia e até mesmo da neurologia.

O objetivo é um só: entender todo o processo que leva o ser humano a assimilar e construir o conhecimento.

Afinal, desde que nascemos, estamos expostos a um universo de possibilidades, o que significa estarmos em constante aprendizagem.

História da psicopedagogia

Com origem na Europa, a psicopedagogia surgiu como uma forma de trazer respostas às dificuldades de aprendizagem e suas conexões com as disparidades sociais.

Os primeiros centros psicopedagógicos foram criados em 1946 por Juliette Favez-Boutonnier e George Mauco.

Nesses locais, eram recebidas crianças que apresentavam comportamentos considerados inadequados, fosse na escola ou em casa, além daquelas que demonstravam alguma dificuldade para aprender.

A ideia proposta era a de conhecer não só a criança, mas também o meio no qual ela estava inserida, como forma de determinar ações reeducadoras.   

A corrente europeia, posteriormente, exerceu influência direta no desenvolvimento da psicopedagogia na Argentina – sendo, mais tarde, Buenos Aires a primeira cidade a oferecer o curso de formação na área.

Traços históricos da psicopedagogia no Brasil

O Brasil, por sua vez, acabou se espelhando no país vizinho para o desenvolvimento da psicopedagogia, que chegou por aqui na década de 1970.  

Isso aconteceu, sobretudo, pela proximidade geográfica e também pela facilidade de acesso à literatura.

Vale destacar que os primeiros passos da psicopedagogia no Brasil ocorreram em um período no qual dificuldades de aprendizagem eram encaradas como disfunção cerebral mínima (DCM).

Um dos principais obstáculos, presente ainda hoje, é o modo como essa abordagem maquia a existência de problemas que são sociopedagógicos.

O que faz o psicopedagogo?

psicopedagogia o que faz psicopedagogo

Como já citamos no início do texto, estamos sempre em contato com novos aprendizados.

O papel do psicopedagogo, então, é compreender como assimilamos cada um deles desde que somos apenas recém-nascidos até a fase adulta.

Com isso, o profissional tem a oportunidade de identificar problemas, que podem ser dificuldades ou até mesmo transtornos, e encontrar alternativas para melhorar o processo de ensino e garantir que os conteúdos possam ser absorvidos e compreendidos.

Também cabe a ele decifrar a origem da dificuldade apresentada, que pode ser mental, social, física e mesmo emocional.

É possível ainda que o psicopedagogo atue no desenvolvimento de ações preventivas, a partir do acompanhamento, sobretudo de crianças.

Qual a importância da psicopedagogia?

Depois de falarmos sobre a construção histórica dessa área do conhecimento e mesmo sobre a atuação do profissional, não é difícil compreender a importância do trabalho realizado pela psicopedagogia.

Afinal, podemos dizer que ela serve até mesmo como uma forma de empoderamento daquele que apresenta algum tipo de dificuldade no processo de aprendizagem.

E isso não vale apenas para a alfabetização, por exemplo. Também estão envolvidos fatores de ordem emocional.

Quando inserida no ambiente escolar, a psicopedagogia é uma estratégia que permite agir preventivamente, orientando professores e familiares sobre como identificar sinais de que existe alguma diferença significativa entre o aprendizado de um aluno.

Qual é o campo de atuação do psicopedagogo?

As possibilidades de atuação do profissional especializado em psicopedagogia são muitas – e têm se multiplicado ao longo dos últimos anos.

Por isso, vale a pena olhar com atenção antes de supor que esse profissional vai estar sempre alocado no ambiente escolar.

Onde o psicopedagogo pode atuar?

Nas escolas, ele pode tanto ajudar a identificar as dificuldades apresentadas pelos alunos quanto auxiliar na escolha de métodos mais eficientes de ensino ou até mesmo no aperfeiçoamento do currículo escolar.

Já nas empresas, a psicopedagogia tem como objetivo aumentar a absorção de conteúdos e, é claro, melhorar a performance dos colaboradores.

Também é possível que esse profissional crie sua própria clínica ou consultório, atendendo conforme sua disponibilidade e foco, tanto no âmbito clínico quanto institucional.

Outra opção é prestar assessoria a empresas e até mesmo a órgãos públicos.

Pensou que acabou? Ainda não.

Existe também a alternativa de atuar em hospitais, auxiliando pacientes que tenham passado por algum tipo de trauma que reduziu sua capacidade funcional ou resultou em alguma perda de memória.

Quais as diferenças entre a psicopedagogia clínica e institucional?

De maneira prática, a psicopedagogia pode ser dividida em duas grandes áreas: a clínica e a institucional.

Cada uma delas exige conhecimentos específicos e também oferece possibilidades distintas de aplicação.

Vamos entender melhor as diferenças?

Psicopedagogia clínica

Quem atua como psicopedagogo clínico trabalha em consultórios e faz o atendimento individual de cada paciente.

Mas atenção: ele não tem formação como médico.

É bastante comum que o seu atendimento seja realizado em parceria com outros profissionais, como psiquiatra, fonoaudiólogo ou neurologista. Tudo, é claro, depende do caso e das necessidades apuradas.

Esse profissional tem como principais atribuições apurar as causas que levaram à dificuldade de aprendizagem e oferecer soluções que ajudem a superar o problema.

Com uma linha de atuação terapêutica, também desenvolve técnicas remediativas.

Psicopedagogia institucional

O psicopedagogo institucional, de outra forma, atua com grupos de pessoas. Pode ser em escolas, hospitais e empresas, por exemplo.

Seu papel pode variar de instituição para instituição, mas suas atribuições costumam envolver a avaliação de comportamentos e a identificação de fatores que podem influenciar no desempenho individual, com repercussões coletivas.

Como é o mercado de trabalho?

psicopedagogia como e mercado de trabalho

A profissão de psicopedagogia ainda não está regulamentada no Brasil.

O mais perto disso ocorreu em 2014, após aprovação no Senado Federal.

Contudo, um requerimento solicitou a análise do projeto em plenário e, desde então, a pauta aguarda a sequência na tramitação.

Mas é importante que se diga que a ausência de regulamentação não torna a profissão ilegal. Inclusive, muitas são as atividades profissionais no país que carecem de legislação própria.

O projeto de lei estabelecia que o exercício da profissão era restrito a graduados em psicopedagogia, pedagogia ou psicologia ou a formados em um curso de licenciatura com especialização em psicopedagogia.

Na prática, é exatamente o que tem acontecido.

Quais são as exigências do mercado de trabalho?

Ao longo dos últimos anos, novas possibilidades se abriram ao psicopedagogo.

Além de todas as opções de atuação que já citamos anteriormente, tem crescido o número de empresas que buscam esse profissional para auxiliar na adaptação de pessoas com deficiência (PCD) que concorrem às vagas oferecidas.

Sempre lembrando que, hoje, a legislação define que ao menos 5% dos postos de trabalho precisam ser ocupados por PCDs.

E por falar em normas, com a consolidação da Lei da Palmada, o psicopedagogo também passou a conquistar espaço em instituições da área jurídica, prestando auxílio no processo de identificação de eventuais problemas que a criança esteja vivendo em seu lar.

Atualmente, as regiões Sul e Sudeste oferecem a maior quantidade de vagas na área, o que também tem a ver com a legislação.

Em São Paulo, por exemplo, existe uma lei municipal que exige a presença do psicopedagogo nas escolas que compõem a rede pública de ensino.

Quais os níveis de formação e modalidades de curso de psicopedagogia?

Já citamos as possibilidades disponíveis para que um profissional passe a atuar como psicopedagogo, certo?

Agora, vamos nos aprofundar em uma delas: o curso de especialização, seja ele de ensino a distância ou não – na sequência, também traremos mais detalhes sobre a graduação em psicopedagogia.

Hoje, a especialização está entre as principais escolhas de quem deseja seguir na área de psicopedagogia.

Ela é oferecida por instituições de ensino no formato de pós-graduação lato sensu e tem duração que varia entre dois e três semestres.

Embora a maioria tenha foco na psicopedagogia institucional, também é possível encontrar a oferta de formação que abrange também a área clínica.

O curso tem como um de seus principais objetivos formar profissionais preparados para promover a avaliação e a intervenção psicopedagógica a partir da identificação de dificuldades ou transtornos de aprendizagem.

O foco é oferecer suporte não só ao indivíduo, mas também aos seus familiares, a partir da perspectiva da inclusão e da diversidade.

Como é o curso de psicopedagogia?

psicopedagogia como curso

Se você ainda não possui uma graduação de nível superior e deseja seguir na área de psicopedagogia, pode optar por se tornar um bacharel.

No total, essa formação tem entre três e quatro anos de duração – tudo depende da instituição escolhida.

O acadêmico é capacitado para que possa auxiliar no aperfeiçoamento do desempenho de seus pacientes durante o processo de aprendizagem, como forma de permitir que eles próprios possam conhecer e superar suas dificuldades.

Trata-se de uma formação que promove o pensamento crítico dos profissionais e que oferece uma visão sensível e ética sobre o desenvolvimento humano e o ensino.  

Qual a grade curricular do curso?

A grade curricular do curso de graduação em psicopedagogia também pode variar muito de uma instituição para a outra. Ainda assim, existem pilares que sempre vão estar presentes ao longo da formação.

Veja quais são alguns deles:

  • Dificuldades no processo de aprendizagem
  • Diagnóstico em psicopedagogia
  • Inclusão e diversidade na educação
  • Intervenção psicopedagógica
  • Análise comportamental
  • Recreação e psicomotricidade
  • Fundamentos sociológicos e antropológicos da educação
  • Metodologia de alfabetização
  • Princípios teóricos da psicopedagogia
  • Neurociência e aprendizagem
  • Instrumentos de avaliação psicopedagógica
  • Gerontologia
  • Saúde mental.

Além disso, a graduação conta com estágios obrigatórios e a produção de um trabalho de conclusão de curso.

Quais as bolsas oferecidas para quem quer cursar psicopedagogia?

Assim como qualquer outra graduação, na psicopedagogia, é possível encontrar bolsas que ajudem a arcar com os custos da faculdade.

A mais conhecida delas é o Programa Universidade Para Todos (ProUni), do Governo Federal, na qual é possível conseguir isenção de até 100%, desde que você preencha os critérios.

Mas essa não é a única alternativa disponível.  

O Educa Mais Brasil, por exemplo, é um programa de inclusão educacional que oferece bolsas de graduação e pós-graduação voltadas para a área.

O requisito para conseguir uma bolsa como essa é não ter condições de pagar o valor integral da mensalidade, além de não possuir vínculo prévio com a instituição de ensino.

E esses são só alguns exemplos.

Atualmente, é possível encontrar diversas opções de bolsa. Inclusive, algumas delas são concedidas a partir do desempenho alcançado pelo aluno no Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio.

Quais são as principais competências pessoais que o psicopedagogo precisa ter?

psicopedagogia quais sao principais competencias pessoais precisa ter

Agora, se a sua dúvida em relação à psicopedagogia é uma questão de perfil, vale a pena ficar atento a algumas características que são essenciais para o dia a dia de um profissional da área.

Confira a lista que separamos com cinco delas:

Ética

Podemos dizer que essa não é uma qualidade necessária apenas para quem deseja seguir na psicopedagogia, não é mesmo?

Ter ética é um traço fundamental em qualquer área de atuação.

Por lidar com questões muitas vezes sensíveis e que costumam envolver crianças, no entanto, vale redobrar a atenção com esse aspecto.

Facilidade de comunicação

Ser um psicopedagogo exige que você seja uma pessoa comunicativa, que consegue se conectar com o outro de maneira rápida.

Afinal, não há melhor forma de entender os problemas vividos pelo outro do que a partir de uma boa conversa.

Para isso, no entanto, é preciso construir uma base de confiança.

Ser um bom ouvinte

Se saber se comunicar é essencial, o mesmo vale para saber ouvir.

Até porque a conversa precisa ser uma troca e não um monólogo.

Às vezes, pode até ser que você acabe ouvindo coisas que nada tem a ver com o tema em questão, mas é preciso saber que cada detalhe conta.

Percebê-los pode ser a diferença entre entender ou não por que existe a dificuldade de aprender.

Equilíbrio emocional

Lidar com situações tão complexas pode levar você a ouvir relatos difíceis de absorver. Por isso, equilíbrio emocional é uma característica fundamental.

Não que você precise ocultar suas emoções a todo o custo, mas começar a chorar ou agir de maneira agressiva durante uma consulta pode atrapalhar todo o tratamento e prejudicar o paciente em vez de ajudá-lo.

Para chegar a esse equilíbrio, é importante que você busque estar sempre bem consigo mesmo, para não deixar que suas próprias inseguranças ou dificuldades se tornem um problema.

Empatia

Saber se colocar no lugar do outro é mais uma dessas características que todo profissional – aliás, toda pessoa – deveria ter.

Quando estamos falando de lidar diretamente com humanos e oferecer suporte a eles, essa capacidade é ainda mais importante.

Comprometimento

Nessa profissão, você vai lidar com situações complexas, que exigem o máximo de comprometimento e dedicação.

A história de cada paciente é única e requer acompanhamento constante.

Conhecer cada um deles pelo nome, descobrir sua trajetória e auxiliar em um processo de desenvolvimento que pode exigir tempo são prerrogativas básicas.

Tenha tudo isso em mente antes de trilhar o seu caminho na área.

Qual o perfil do profissional?

Para além de características específicas, podemos dizer que o psicopedagogo precisa ser um profissional com perfil analítico, capaz de entender o todo.

Por exemplo, como diferentes fatores influenciam na dificuldade apresentada pelo paciente.

Além disso, ele costuma ser de caráter humanista e com forte senso de comprometimento e doação.

Vale ressaltar, no entanto, que estamos falando de um perfil geral.

Nada impede que pessoas com qualidades e visões diferentes dessas possam alcançar o sucesso na carreira.

O importante, no fim das contas, é entender se esse universo faz sentido para você e para as suas perspectivas de futuro.

Quanto ganha um psicopedagogo?

Outra pergunta bastante comum é quanto ganha um psicopedagogo.

A resposta, como não poderia ser diferente, varia muito de acordo com o tempo de experiência do profissional, o nível especialização e mesmo a área de atuação escolhida.

De acordo com o site Love Mondays, plataforma criada para que profissionais possam avaliar as empresas onde trabalham e oferecer parâmetros dos salários oferecidos, a média mensal é fica próxima aos R$ 3 mil.

No entanto, é possível encontrar registros que mostram variações entre R$ 1.200 e R$ 9.686.

Já para quem deseja trabalhar na área clínica, o importante é avaliar a média do valor cobrado por consulta. Nesse caso, a variação vai de 50 a 180 reais.

Conclusão

psicopedagogia conclusao

O que você achou do nosso artigo sobre psicopedagogia? Encontrou as respostas que estava procurando?

Como deve ter percebido, essa é uma área que oferece inúmeras possibilidades de formação e atuação, mesmo que ainda seja pouco conhecida do grande público.

É uma alternativa, por exemplo, para quem sempre se identificou com os processos de educação, mas não queria ir para a sala de aula e ser professor.

Outro aspecto que pode facilitar a vida de quem precisa conciliar trabalho e estudos são as opções de ensino a distância, disponíveis tanto para graduação quanto pós-graduação.

Além disso, vale ressaltar que é uma carreira em crescimento, que ainda tende a se desenvolver – e muito.

Vale dizer ainda que, se você tem a meta de ajudar no desenvolvimento de pessoas, tal qual a psicopedagogia, você pode se tornar um coach.

Veja aqui como funciona essa metodologia.

Depois, divida a sua opinião e dúvidas com a gente! E se esse texto fez você lembrar de alguém, aproveite e compartilhe!