12-anos-de-escravidão-1

A arte é a tentativa da representação estética da vida e das experiências humanas. O cinema, centenas de vezes, presenteou o mundo com construções de personagens que habitam o espaço do não comum, do extraordinário. E muitos dos protagonistas dessas histórias surpreendem pela veracidade de suas existências.

A edição do Oscar de 2014, por exemplo, premiou dois filmes baseados em biografias: 12 Anos de Escravidão e Clube de Compras Dallas. Esses roteiros tratam de superação, modelos que podem ser encarnados nas possibilidades do dia a dia, excluindo a regra de que a exceção acontece apenas com outros. Abaixo estão dois filmes selecionados para causar inspiração:

 

Clube de Compras Dallas e a Surpresa da Superação

Esse filme é triplamente vencedor: Matthew McConaughey e Jared Leto foram os vencedores das categorias de melhor ator e melhor ator coadjuvante, respectivamente. O roteiro está fundamentado na história surpreendente de luta do caubói Ron Woodroof – que até a descoberta e aceitação de sua condição de infectado pelo vírus do HIV – viveu sob a condição da degradação pessoal, envolvido nos mais diversos vícios e preconceitos. Na década de 1980 – em que as possibilidades de uma vida saudável ao portador do HIV eram raras e as opções farmacêuticas, ineficientes – o protagonista encontra formas alternativas para o tratamento da AIDS, investigando remédios oriundos do México, China e Japão. Estss novas drogas causam efeitos menos devastadores e melhoras plausíveis. Com essa conclusão, junto a Raynon, interpretado por Jared Leto, cria um clube de compra que tenta destruir o monopólio de venda de remédios para a AIDS que, na ilegalidade, ajuda milhares de pessoas. Da sentença de 30 dias de vida, diagnosticada pelos médicos, Ron viveu por mais seis anos, lutando por tratamentos mais eficazes contra o HIV.

 

Uma história de superação

Uma história de superação

Gravidade: a motivação pela vida extrapola o conhecido

Gravidade levou a estatueta de melhor diretor, entre outras categorias técnicas. O filme, vale destacar, é uma superação estética para o mexicano Alfonso Cuáron, que projetou na tela do cinema o universo e sua hostilidade ao homem. O filme teve cenas gravadas embaixo d’água, para imitar os movimentos no espaço sem gravidade, além de contar com o talento dos atores que encenaram em um ambiente artificial, que em nada se assemelhava ao universo. Porém, o roteiro é ainda outro caso de superação. Ryan Stone, interpretada por Sandra Bullock, é uma doutora que está em uma missão no espaço para consertar um telescópio quando é surpreendida, como o restante da equipe de cientistas, por uma chuva de meteoros. Ela é a única a sobreviver ao acidente e, a partir de então, inicia a luta pela vida. Sem contato com a equipe da NASA e sem conhecimentos técnicos suficientes, envolta à claustrofobia e à falta de ar, Ryan descobre seus limites até voltar à Terra.

Gravidade

Uma história de fé e determinação