Posted in:

SEMEAR – Seis elementos que contribuem para a felicidade

Felicidade é um tema que sempre gera muito interesse. Afinal, quem não quer ser feliz? Embora o assunto esteja muito em voga atualmente, com universidades e escolas em todo o mundo oferecendo disciplinas ensinando como ser feliz, a depressão insiste em se multiplicar: entre 2005 e 2015, a quantidade de quadros depressivos cresceu 18,4%. A Organização Mundial da Saúde estima que, até 2020, a depressão será o maior motivo de afastamento no trabalho. Isso preocupa. Muito! Sobretudo quando analisamos dados referentes ao nosso país: quase 6% da população tem a doença, tornando-nos o campeão de casos na América Latina. Ainda segundo a OMS, o Brasil é recordista mundial em prevalência de transtornos de ansiedade. Mais de 18 milhões de pessoas enfrentam o problema.

O QUE NOS FAZ FELIZ?

O cenário abre espaço para um questionamento: o que pode ser feito para prevenir que quadros como depressão e ansiedade continuem a aumentar em nosso país? Bem, entender o que nos faz feliz é um caminho. Muita gente busca a felicidade como um objetivo final, mas jamais a alcança. Isso acontece porque a felicidade é um prêmio que você só recebe da vida quando vai em busca de outras coisas – que não a felicidade propriamente dita. Ser feliz não deve ser encarado como um objetivo de vida, mas como uma recompensa que ganhamos da vida ao concentrar nossos esforços naquilo que traz a felicidade como consequência, como por exemplo, viver o seu propósito de vida, utilizar suas forças diariamente, manter relacionamentos positivos, etc. Baseados em uma teoria da psicologia positiva, Villela e eu criamos o SEMEAR, um acrônimo que sintetiza seis elementos essenciais para o florescimento humano:

 

S – Supremacia, desenvolvimento e otimização

E – Engajamento e uso de forças e virtudes

M – Missão, propósito e significado

E – Emoções positivas e vitalidade física

A – Alvos, metas e objetivos

R – Relacionamentos e interações

Quando falo dos elementos do SEMEAR, é comum muitas dúvidas surgirem: o lugar onde vivemos tem impacto na nossa felicidade? E o dinheiro? Onde entra a segurança ou as oportunidades de estudo e trabalho? Todos esses elementos são circunstanciais, ou seja, elementos externos que são impostos a nós dependendo do lugar onde vivemos. Claro que esses contribuem, também, para o florescimento humano e a felicidade, mas aquilo que vem de dentro de nós contribui muito mais. Pense comigo… se você vive em uma democracia rica e sem corrupção, mas permite que as emoções negativas sobrepujam as emoções positivas, você acha que poderá realmente ser feliz? Se você tem um emprego, mas se sente solitário e incapaz de se conectar, você poderá florescer? Infelizmente não, por isso costumo dizer que a felicidade é uma questão de escolha. Ela não está em  um talão de cheques ou em um bem material, mas dentro de você.

 

S – SUPREMACIA, DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO

Supremacia, do latim supremus, significa “o primeiro”, “o mais elevado”.  Supremo é aquele que chega ao topo e se mantém no topo, sejam quais forem as circunstâncias. Para isso, é necessário desenvolver a resiliência. Resiliente é todo aquele que, quando sofre algum abalo, rapidamente volta ao bem-estar original. Em outras palavras, é aquele que…

  • Tem energia e disposição para enfrentar dificuldades, em vez de deixar-se abater.
  • É capaz de atuar com competência, mesmo sob forte pressão.
  • Antecipa crises, prevê obstáculos e se prepara para lidar com eles.
  • Tem atitudes positivas, porém realistas, e firmeza de objetivo.
  • Recupera-se mais rapidamente após sofrer reveses e não muda sua essência depois
  • de passar por experiências difíceis.

De 0 a 10, o quanto você se considera resiliente? Todos nós temos de enfrentar adversidades em nossa rotina, seja no trabalho, na família ou até mesmo nas mais triviais situações do dia a dia. Os contratempos e desafios, por menores que sejam, fazem parte da experiência humana, e estar apto a lidar com eles é fundamental para que possamos florescer.

E – ENGAJAMENTO E USO DE FORÇAS E VIRTUDES

Martin Seligman, o pai da psicologia positiva, definiu o engajamento como um estado decorrente do uso das virtudes e das forças de caráter. Você tem usado suas forças em suas atividades? Durante o mês de setembro, falamos muito sobre as forças de caráter aqui no blog e disponibilizamos um e-book sobre o tema. Você pode saber mais clicando aqui.

Bem, manter-se engajado mesmo em tarefas rotineiras é um desafio, mas não é impossível. Quando uma pessoa é capaz de integrar valores, sentimentos, pensamentos e ações em um todo harmonioso, surge então uma sensação sólida de significado que motiva o engajamento do indivíduo em relação à própria vida. Isso significa que é possível criar engajamento nas atividades pessoais e profissionais que desenvolvemos em nosso cotidiano e, assim, aumentar a nossa satisfação com a vida – já que assim nos sentimos bem ao realizar nossas atividades diárias. Segundo a Teoria do Flow, de Mihaly Csikszentmihalyi, quanto mais há engajamento em uma ação repleta de significado, mais há crescimento pessoal, mais excelência e mais florescimento.

beneficios do coach de carreira

M – MISSÃO, PROPÓSITO E SIGNIFICADO

Você saberia dizer qual é a sua missão de vida? O que motiva você a se levantar pela manhã todos os dias? Quando temos uma missão, obtemos senso de direção, tornando mais fácil para nos mantermos focados naquilo que realmente importa para nós, evitando, assim, a sensação de estar fora de rumo e o consequente desperdício de tempo, energia e esforços. A missão requer, também, uma reflexão sobre propósito e significado. O significado está relacionado à crença individual de que sua vida é relevante, de que sua vida tem um propósito maior que transcende o presente.

como funciona o coach de carreira

E – EMOÇÕES POSITIVAS E VITALIDADE FÍSICA

As emoções desempenham um importante papel em nosso desenvolvimento pessoal. A ciência indica que, em termos evolutivos, as emoções negativas possuem a função de avisar-nos de que há algo errado e colocar nosso organismo em estado de alerta para lidar com perigos iminentes. E quanto às emoções positivas? Alguma vez você já se perguntou por que razão nós sentimos alegria, prazer ou contentamento?

As emoções positivas são essenciais para otimizar tanto nosso funcionamento psicológico quanto físico. Durante algum tempo, as emoções positivas eram vistas apenas como indicadores de bem-estar e também como uma forma de equilibrar os efeitos nocivos das emoções negativas prolongadas. Hoje, sabe-se que elas não são apenas indicadores de saúde e

bem-estar: elas produzem saúde e bem-estar. Além disso, também fazem parte dos mecanismos que permitem nossa sobrevivência e evolução.

A – ALVOS, METAS E OBJETIVOS

Este elemento refere-se a atingir os objetivos que estabelecemos para nós. Como você se sente ao conquistar um objetivo ao qual há muito tempo você vinha se dedicando? Qual a sensação de bater uma meta desafiadora que você impôs a si mesmo? Com certeza você se sente energizado e cheio de vontade de realizar ainda mais, não é mesmo? Com certeza você se sente feliz. Possuir um objetivo na vida e perseverar para atingi-lo remonta ao uso estratégico de nossas melhores competências e qualidades, por isso alvos, metas e objetivos são tão importantes para a nossa felicidade.

R – RELACIONAMENTOS E INTERAÇÕES

Os relacionamentos sempre tiveram papel de destaque na história do pensamento humano e contribuem fortemente para a felicidade. Pertencer a uma teia social traz profundo bem-estar, especialmente quando isso está aliado a nos sentirmos competentes e autônomos diante da vida. Esse equilíbrio entre uma convivência harmoniosa, habilidades adequadas e consciência da própria capacidade de trilhar o caminho é o que prepara o cenário de um indivíduo para a felicidade real, duradoura e compartilhada. Segundo um artigo publicado na Harvard Women’s Health Watch em dezembo de 2010, pessoas que têm relacionamentos satisfatórios são mais felizes, possuem menos problemas de saúde, lidam melhor com o stress e vivem mais. Por outro lado, pouca conexão social está associada à depressão, declínio cognitivo e até mesmo à morte prematura. Bons vínculos são fundamentais para nos sentirmos criaturas de valor e para que seja ampliada a sensação de que somos dignos de admiração. Isso não apenas no que se refere a parceiros amorosos ou a conexões relativas à família; mesmo no ambiente escolar, na infância, é imprescindível que a convivência conte com interações de qualidade. Você diria que seus relacionamentos são positivos?

Um dos aspectos mais impressionantes do florescimento é que todos os benefícios a ele associados podem ser obtidos por meio de intervenções muito simples e que realmente funcionam. Quer conhecer práticas cientificamente embasadas para florescer?

Participe do Positive Experience, um treinamento totalmente prático com foco em felicidade. O evento acontecerá entre 6 e 8 de dezembro em São Paulo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *