Por Flora Victoria e Villela da Matta

O que é o engajamento total e quais são suas origens?

No ambiente corporativo, o engajamento pode ser definido como um estado mental positivo e gratificante relacionado ao trabalho, caracterizado pelo vigor, dedicação e absorção (Schaufeli e colegas, 2002). Entendemos, porém, que embora capte alguns elementos essenciais do engajamento, essa definição – e outras mais ou menos na mesma linha – não expressa o conceito de um modo mais amplo. Não expressa, por exemplo, o que vem a ser o engajamento total, uma construção que se refere não só ao trabalho, mas também à vida. Por esse motivo, propomos a seguinte definição:

Engajamento total é uma conexão física, emocional, cognitiva e social
que se desenvolve quando estabelecemos uma relação imbuída de propósito com
os diferentes aspectos de nossa vida, gerando, assim, um esforço
voluntário direcionado a objetivos.”

Essa definição fundamenta-se na filosofia, na psicologia positiva e, também, na neurociência. Sob o ponto de vista filosófico, o engajamento pode ser relacionado ao conceito de comprometimento desenvolvido por Kierkegaard. Quando estamos desengajados daquilo que nos cerca, tudo nos parece vazio e sem sentido. Por outro lado, o “comprometimento incondicional” com alguma coisa – por exemplo, com uma causa ou vocação – é um elemento formador da identidade e do senso de realidade do indivíduo. O engajamento se manifesta no dia a dia por meio de um esforço voluntário voltado para a realização e para a contribuição. Aquilo com que nos engajamos confere coerência e significado a nossas existências, e ajuda a formar nosso senso de identidade.

Como campo da psicologia voltado para o estudo daquilo que faz o ser humano florescer, a psicologia positiva também trata do engajamento. Isso se dá, principalmente, por meio do trabalho de dois dos principais expoentes dessa área do saber: Martin Seligman e Mihaly Csikszentmihalyi. Seligman incluiu o engajamento em seu acrônimo PERMA, que sintetiza as bases do florescimento humano (as demais letras do acrônimo significam, em português, emoções positivas; relacionamentos; significado e propósito; e realizações). Diz Seligman que engajamento refere-se ao flow (ou fluxo, em português): a sensação de deixar-se absorver por uma atividade, de imergir completamente naquilo que estamos fazendo, experiências essas que contribuem para a “vida engajada”.

Como é possível, para um líder ou para uma organização, operacionalizar um processo que promova o engajamento total?

O engajamento total envolve quatro dimensões:

  1. O físico, que se refere ao vigor e a energia que você dispensa àquilo que você está fazendo.
  2. O emocional, que diz respeito à dedicação, a colocar “o coração” no trabalho ou tarefa a ser realizado e ao sentimento de orgulho que isso gera.
  3. O social, que trata da qualidade das relações que você mantém, e que se reflete na colaboração necessária para fazer as coisas que você não pode fazer sozinho – ou que gerariam resultados melhores se você as fizesse com o apoio de outras pessoas.
  4. O cognitivo, que alude à absorção, ao foco e à concentração direcionados à atividade que você está executando.

As quatro dimensões do engajamento atuam em um conjunto harmônico, no qual uma alimenta a outra. A ausência ou redução de uma única dimensão afetará negativamente todas as outras. Por exemplo, o baixo engajamento físico – ou a falta de vigor – eventualmente provocará uma redução no engajamento emocional, social e cognitivo. Afinal, sem vigor, você não terá energia suficiente para continuar a colocar o coração naquilo que faz, nutrir bons relacionamentos e manter o foco e a concentração. Um reduzido engajamento cognitivo implica empenhar um esforço muito grande para manter um mínimo de concentração, o que aumenta o estresse e a fadiga mental – com um efeito negativo para as demais dimensões. Baixo engajamento emocional acarreta perda de motivação e redução do bem-estar e da frequência das emoções positivas, gerando desânimo e desinteresse. E sem engajamento social, ficamos expostos a uma série de consequências que vão da falta de apoio e colaboração à ansiedade e depressão.

Agora que você conheceu as dimensões do engajamento, que tal refletir sobre como isso se aplica a você?  Pense a respeito.

 

Este é um preview do capítulo que Flora Victoria e Villela da Matta escreveram para o livro “Engajamento Total”, em coautoria com Brian Tracy. O livro será lançado no Fórum Internacional de Negócios e Coaching, que acontecerá nos dias 18 e 19 de março deste ano, em São Paulo.