Cinestésico: significado e como identificar seu perfil

Será que você é uma pessoa com perfil cinestésico, visual ou auditivo?
Difícil responder sem compreender bem o conceito, não é mesmo?
Mas é para isso que você está aqui, neste artigo que traz um guia completo sobre o assunto.
Saber responder à nossa pergunta que abre o texto pode facilitar muito a sua vida, acredite.
Ao identificar seu modo de se relacionar com o mundo, você também descobre a melhor forma de aprender com ele.
Alguns são seguidores de São Tomé e precisam “ver para crer”. Outros precisam ouvir para assimilar melhor. Já alguns são adeptos de colocar a mão na massa e necessitam tocar e sentir na prática.
Qual desses será que é você? Ao ler este artigo, você vai descobrir.
Então, boa leitura!

O que é cinestésico?

Vamos começar por aquele perfil que pode causar mais dúvidas. Afinal, o que seria alguém cinestésico?

Significado

O indivíduo cinestésico é aquele que não se satisfaz apenas ouvindo ou vendo.
Ele precisa tocar, experimentar, sentir e cheirar para compreender melhor o que está diante dele.
O termo é um adjetivo relacionado com a cinestesia, que é um conjunto de sensações que nos permite perceber os nossos movimentos musculares.
Fazendo uma analogia, podemos dizer que o cinestésico é o conjunto dos sentidos que nos possibilita ter uma noção mais prática das coisas.

Como você se relaciona com o mundo? Você é visual, auditivo ou cinestésico?

cinestesico como voce se relaciona com mundo visual auditivo
Uma forma de procurar entender se somos visuais, auditivos ou cinestésicos é voltar para quando éramos jovens e recordar qual era o nosso método perfeito de estudos.
Se você ainda mantém o hábito de estudar, seja para se tornar um profissional melhor através de cursos de especialização ou decidiu seguir a carreira acadêmica, vale também. Não precisa retornar ao passado para isso.
Relembrar os recursos utilizados no aprendizado ajuda a mostrar qual a maneira mais fácil que encontramos de assimilar novos conhecimentos e, por que não, sobre como nos relacionamos com o mundo.

Pessoa visual: memória fotográfica

Se você é alguém que adora fazer um resumo, tem facilidade em memorizar nomes e dados estatísticos quando estimula a visão, é possível que tenha uma memória fotográfica.
Pessoas visuais costumam se dar bem com ilustrações, diagramas, esquemas, slides, gráficos e textos, pois tendem reter mais as informações desse jeito.
Por outro lado, qualquer barulho é uma distração.
O recomendado é que, em ambiente não silenciosos, como as salas de aula, por exemplo, a dedicação seja em escrever tudo o que foi dito para depois, em casa, com mais tranquilidade, reforçar o estudo.
A matéria pode, inclusive, ser complementada com outros recursos visuais mencionados logo acima, que ajudem na compreensão do tema.
Cartazes e fichamentos também são ótimas opções para trazer à tona assuntos mais complexos.
Até em disciplinas da área de exatas, como física, química e matemática, você pode usar esse artifício para decorar fórmulas, ligações e equações.

Pessoa auditiva: gravadores humanos

Bom, se pessoas visuais têm dificuldades para se concentrar em ambientes barulhentos, os auditivos são ótimos nisso, certo?
Não, necessariamente.
Na verdade, esses gravadores humanos precisam de silêncio para ouvir a explicação dos professores e depois reproduzir suas falas em voz alta, como forma de assimilar a compreensão.
Mas essa não é a única forma desse perfil memorizar conteúdos. Aliás, existem muitos outros complementos ao material principal que podem ser ótimos.
Podcasts, audiobooks e documentários em áudio, por exemplo, são excelentes opções.
Vídeos e filmes também podem ajudar, desde que a qualidade de som seja boa e as imagens não tirem toda a atenção.
Em casos assim, procure minimizar a janela – se estiver assistindo no computador – e fique só escutando o áudio da produção.
Se for na TV, tente não ficar de frente para o aparelho e desfoque das cenas, em si.
Para quem está com dificuldade de concentração, músicas instrumentais, aquelas que remetem ao sons da natureza e também sinfonias clássicas podem ajudar as pessoas auditivas.

Pessoa cinestésica: mão na massa

Agora, se para você ler ou ouvir as explicações do professor não basta e escrever esquemas ou se conferir podcasts não funciona muito bem, há grandes chances de ser uma pessoa cinestésica, daquelas que preferem colocar a mão na massa.
Os sinais desse tipo de perfil já podem ser notados desde a infância.
Segundo os especialistas, a preferência por brinquedos de montar representa um possível indicativo.
Muitas pessoas podem confundir o cinestésico como uma criança com déficit de atenção.
Isso porque, algumas vezes, esses alunos têm dificuldades para ficar horas parados, somente tentando resolver atividades, sem qualquer dinâmica.
O negócio deles é entender o conteúdo na prática e estar em constante movimento. Por isso, se dão melhor em trabalhos do que em provas.
A dica para facilitar o aprendizado aqui é tentar transformar a teoria em algo palpável, que facilite a visualização.
Experimentos e atividades em laboratórios podem ajudar nesse processo.

Por que a comunicação cinestésica é tão importante?

Também chamada de linguagem corporal, a comunicação cinestésica é tão ou mais importante que a expressão verbal.
Isso porque, muitas vezes, entrega mais informações que as palavras.
Ela pode até revelar traços da personalidade e o estado emocional de uma pessoal, através de um gesto, uma postura, um olhar ou o movimento do corpo.
Mesmo sem saber direito como emitir mensagens ou receber sinais por meio desses códigos, a interação entre duas ou mais pessoas pode se dar com assertividade dessa maneira.

A comunicação cinestésica e o tato

O tato, por exemplo, é uma das formas mais comuns de interagir com os outros através da comunicação cinestésica.
Cada um de nós estabelece o seu próprio vínculo físico, em contato com a pele dos demais, apesar de nem sempre ser algo consciente.
O advento da tecnologia, inclusive, tem tornado o contato tátil cada vez menor.
Os encontros face a face têm dado lugar às reuniões por videoconferência, às conversas por rede sociais, aos relacionamentos por aplicativos de paquera e aos jogos virtuais.
Hoje, o tato parece estar mais restrito a uma forma de cumprimento: um abraço, um beijo, um aperto de mão e uma ou outra carícia.

A importância da comunicação tátil

O ser humano e os mamíferos, de uma maneira geral, são carente por natureza e a demonstração de afeto através do tato é a primeira forma de comunicação que experimentamos. Estamos falando da amamentação.
Além de nos prover o alimento, esse ato também é uma maneira de o bebê começar a desenvolver a sua afetividade.
Em conjunto, vêm os afagos e os carinhos da mãe, que também são exemplos do quão essencial e genuíno o tato é em nossas vidas.
A ausência de um contato mais próximo entre os pais e a criança pode, inclusive, redundar em problemas emocionais futuros e no sentimento de abandono.
Mesmo com o passar do tempo, a comunicação tátil é fundamental, ainda que ela passe a ser um pouco mais moderada.
Afinal, quem dispensa um cafuné para dormir ou um colo quando as coisas não estão lá muito bem?

O significado do tato

Podemos atribuir inúmeros significados ao tato, quer ver só?
Um abraço apertado e demorado pode indicar saudade.
A intensidade de um aperto de mão pode representar confiança, firmeza ou ausência de ambos.
Já um tapinha nas costas pode denotar indiferença ou transferência de responsabilidade.
Em algumas culturas, o contato físico é mais incentivado do que em outras.
O Brasil é um dos países que mais aceita esse tipo de comunicação.
Aproveite que esse traço já é parte da nossa cultura para demonstrar afeto e também para receber um carinho e se sentir amado.

Os comportamentos e a importância da identificação para seu negócio

cinestesico comportamentos importancia identificacao para seu negocio
Da mesma forma como os perfis de pessoas visuais, auditivas e cinestésicas nos ajudam a entender a melhor forma de aprendermos, essa definição também colabora para identificar a forma dos clientes se comunicarem com o seu negócio.
Então, vamos aprender mais sobre isso?

Qual a forma pela qual os clientes visuais se comunicam?

Clientes visuais costumam se impressionar muito mais pela beleza da imagem do que pelo produto ou serviço, em si.
Às vezes, ele pode nem ser o melhor ou mais completo, mas se for bonito ou possuir um design diferente, já pode os conquistar.
Mais do que ficar apresentando o leque de opções e falando sem parar dos ponto positivos, deixe o cliente bem à vontade para apreciar o produto.
Caso possua um catálogo, procure mostrar as diferentes alternativas.
Também pergunte sobre a cor preferida dele. Se existir um modelo conforme a sua predileção, as chances de fechar o negócio aumentam.
Sempre prefira amostras em bom estado, sem avarias na embalagem ou no seu exterior.
Ignorar essa parte pode fazer com que você perca pontos com um consumidor visual.

Qual a forma pela qual os clientes auditivos se comunicam?

Já os clientes auditivos, por sua vez, prezam por uma comunicação verbal.
Eles apreciam o diálogo, gostam de escutar os prós e contras do produto e cobram uma promessa como ninguém.
Sempre que se deparar com um freguês assim, abuse do seu poder de persuasão e mostre domínio sobre o que está falando.
Caso contrário, o consumidor vai perceber e você corre grandes riscos de perder uma venda.
Normalmente, esse público não aprecia muito barulho, confusão ou falta de organização.
Por isso, se possível, procure atendê-lo em um local mais reservado ou priorize o seu atendimento.
Mostrar que você está interessado em suas histórias e ir em busca das suas reais necessidades também são atitudes apreciadas por este perfil.

Qual a forma que os clientes cinestésicos se comunicam?

Por fim, os clientes cinestésicos costumam ser os mais exigentes, por levarem todos os fatores em conta.
Para eles, olhar e ouvir as explicações não basta.
Para que fiquem convencidos de verdade, é preciso que experimentem e sintam o conforto ou eficiência do produto, dependendo do caso.
Mais do que enumerar os benefícios, você precisa deixar que eles mesmos tirem essa conclusão, fazendo relações com as suas vivências e analisando texturas, cheiros, sabores e demais sensações presentes.
A experiência também conta muito.
Lugares agradáveis, bem cuidados e com um atendimento diferenciado são pontos considerados por este tipo de cliente.
A dica é deixar o consumidor ainda mais à vontade que o público visual.
Ofereça um café, uma água e sempre que for fazer algum tipo de abordagem, abuse dos gestos e da linguagem corporal.

Dicas para identificar corretamente o perfil do seu cliente

cinestesico dicas identificar corretamente perfil cliente
Mas como identificar corretamente qual desses perfis representa o cliente a ser atendido?
Aliás, há como saber? A boa notícia é que há indícios para seguir.
Confira as três dicas que separamos para você e descubra qual é a melhor abordagem a se fazer.

Fique atento à apresentação

O primeiro contato pode dizer muito sobre o perfil do seu cliente.
Se ele for meio evasivo e já partir direto para observar o produto que está interessado ou soltar o clássico bordão “só estou olhando”, é bem possível que seja um consumidor visual.
Agora, se ele estiver a fim de papo e encher você de perguntas, as chances de ele ser um auditivo são grandes.
Por fim, se ele abusar dos gestos e cumprimentar você com um aperto de mão, sem que você o estimule a isso, pode ser que ele seja um cinestésico.

Deixe que o cliente se entregue sozinho

As perguntas de um cliente podem revelar o seu perfil, mesmo que o consumidor não seja adepto de muito diálogo.
Por exemplo, se ele fizer questionamentos a respeito da cor ou das variações estéticas de um modelo, você pode deduzir que ele leva o lado visual mais em conta que o resto.
Se as perguntas tiverem a ver com o custo-benefício e os diferenciais do produto, tudo leva a crer que se trata de um freguês auditivo, que gosta de ser convencido pela palavra.
No entanto, se além das perguntas em relação à estética e às qualidades específicas da mercadoria, a pessoa pedir para experimentar ou analisar o item por outros ângulos, pode ser que ela seja cinestésica.

Na dúvida, use um pouco de cada estratégia

Caso não fique claro qual dos três perfis é o do cliente em questão, a dica é atender bem, usando um pouco do visual, do auditivo e do cinestésico.
Ao mesmo tempo em que você dá a liberdade para o visual folhear o catálogo e conferir os detalhes estéticos da loja, permite ao cinestésico experimentar as diferentes sensações e tira todas a dúvidas do auditivo.
Afinal, nada substitui um atendimento atencioso e preocupado com as necessidades do seu público.

Teste e identifique o seu tipo de linguagem: visual, auditivo ou cinestésico

cinestesico teste identifique seu tipo linguagem visual auditivo
E você, qual será o seu tipo de linguagem?
Como será que se comunica com o mundo?
Por exemplo, se você gosta de fazer listas, aprecia a visita a museus mais que o comum, leva a aparência muito em conta e se localiza com facilidade em mapas, mesmo em cidades desconhecidas, há indícios de que seja uma pessoa mais visual.
Por outro lado, se você gosta de programas de entrevistas, não vê o tempo passar quando está conversando com alguém, nunca foge de uma discussão, presta muita atenção nas letras das músicas e prefere fazer uma palestra do que escrever uma redação, esses são sinais de uma pessoa auditiva.
Agora, se você costuma batucar em tudo quando ouve uma música, possui boa coordenação motora, tem mania de gesticular muito ou tocar nos outros enquanto conversa, fica arrepiado com frequência e prefere praticar esportes a assistir, temos vestígios de alguém cinestésico.

Memória cinestésica e cliente cinestésico no processo de coaching

cinestesico memoria cliente processo coaching
Para definir qual é o perfil comunicacional de uma pessoa, é preciso muito autoconhecimento.
Afinal, como é possível saber quais estímulos funcionam melhor se você não se conhece a fundo?
Uma das maneiras mais eficazes de desenvolver esta ferramenta é por meio do coaching.
Com o suporte fornecido pela metodologia, você vai descobrir qual é a sua maneira de se relacionar com mundo.
Assim, fica muito mais fácil aproveitar suas habilidades da melhor forma possível.
Os benefícios da metodologia de coaching são inúmeros, disso já falamos.
Mas vale ressaltar que um dos principais, sem dúvidas, é colaborar para o seu desenvolvimento profissional e pessoal sem tirar o seu protagonismo do processo.
Afinal, a mudança só é possível se você desempenhar o papel principal nela.
Quer conhecer as outras vantagens do coaching? Então, acesso o site da SBCoaching e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto.
Quem sabe você não encontra o curso ideal para as suas necessidades?
Em nosso portal, estão disponíveis todas as modalidades de formação.

Conclusão

cinestesico conclusao
Não existe um perfil ideal para nos comunicarmos com o mundo.
O que você precisa é encontrar a sua forma e ser feliz como é, gozando de todos os benefícios possíveis de se reconhecer e saber quem você é, o que gosta e como se sente confortável.
Esperamos que, com todas essas dicas, você tenha encontrado a sua maneira de se relacionar – ou, pelo menos, tenha despertado essa vontade.
Mas conte para nós: você é mais visual, auditivo ou cinestésico?
Deixe seu comentário no espaço abaixo e nos diga como você chegou à essa conclusão e se este artigo foi útil para a sua descoberta.

Comentários

Quem leu este post leu também :)

Entenda o que é sincericídio e como ele pode afetar sua vida

Descubra a importância de desenvolver a autoaceitação

Aprenda cinco dicas práticas de como desenvolver o autocontrole

Entenda as diferenças entre eficiência e eficácia

Aprenda a desenvolver o equilíbrio emocional

Aprenda a fazer um planejamento semanal e otimize seus resultados

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.