Criando Novos Hábitos

(por Fernando Colella)

Criar ou mudar hábitos definitivamente não é algo fácil. Quem já tentou parar de fumar, iniciar uma dieta ou começar a acordar mais cedo para praticar uma atividade física compreende bem o que estamos falando. Esse é o tema do livro “O Poder do Hábito”, best-seller escrito pelo repórter investigativo do New York Times, Charles Duhigg. Com base na leitura de centenas de artigos acadêmicos, entrevistas com cientistas e pesquisas em empresas, Duhigg defende que hábitos podem ser criados e transformados, desde que seu mecanismo de funcionamento seja corretamente compreendido.

O mais importante aqui é compreender que hábitos, bons ou ruins, fazem parte de um mecanismo natural do cérebro, que procura o tempo todo maneiras de poupar esforço. Em outras palavras, o que os cientistas dizem é que o cérebro sempre tentará transformar qualquer rotina em um hábito para que a mente possa desacelerar com maior frequência.

Isso é exatamente o que comprovam alguns experimentos feitos no MIT (Massachusetts Institute of Technology). Basicamente, alguns ratos eram colocados diante de uma porta fechada. Quando soava um clique, a porta se abria para que pudessem entrar em um labirinto. Se os ratos seguissem em frente e depois virassem à esquerda, encontrariam comida, mas se tentassem outro caminho, não encontrariam nada. A partir do monitoramento do cérebro desses animais, os cientistas perceberam que, nos primeiros dias do experimento, a atividade cerebral dos ratos era muito intensa enquanto ficavam fuçando, cheirando e procurando algo. Nos dias seguintes o experimento era repetido e, a medida que os ratos aprendiam onde estava a comida, passavam a errar menos o percurso e sua atividade cerebral era drasticamente reduzida.

Assim, um hábito se formou naqueles pequenos animais. A cada dia que a rotina de fazer o mesmo caminho para encontrar a comida se consolidava, era menor a atividade cerebral nos bichinhos que, com menos esforço, passavam a operar no “piloto automático”. E é exatamente isso que ocorre conosco. Lembra-se quando você aprendeu a andar de bicicleta? No começo havia muita dificuldade e medo, você precisava do auxílio de rodinhas e da supervisão de um adulto. Depois você passou a ter prática com aquele instrumento de duas rodas, ficou mais independente e ousado, e passou a não ter mais que pensar para pedalar, frear ou controlar a direção. O hábito consolidou-se de tal forma que, se resolver passar alguns anos com a bicicleta encostada, saberá exatamente o que fazer quando tentar novamente, e nunca mais terá a mesma dificuldade das primeiras vezes.

Mas o mais importante desse e de outros experimentos sobre o tema, é que os cientistas puderam desvendar como exatamente os hábitos funcionam. Basicamente, eles são constituídos de três componentes, que formam o chamado “loop do hábito”. O primeiro deles é a deixa, que é o evento que gera o impulso para o hábito. O segundo é a rotina, ou seja, o conjunto de atividades que permitem que o hábito seja percebido como tal. O terceiro componente é a recompensa, o incentivo que o cérebro busca e que mantém o hábito. No experimento do MIT, o clique que soava era a deixa para que os ratos mantivessem a rotina na busca da recompensa: a comida no final do labirinto.

loop hábito
Há ainda mais um elemento fundamental para manter o “loop do hábito”, que é o anseio.

Há ainda mais um elemento fundamental para manter o “loop do hábito”, que é o anseio. Trata-se de uma antecipação da recompensa, também deflagrada pela deixa, que o cérebro promove uma vez desenvolvido o hábito. Um fumante que vê um maço de cigarros (deixa), por exemplo, passa a viver o anseio da recompensa, que é a sensação que o cigarro irá lhe proporcionar. Segundo Duhigg, vários estudos demonstram que apenas uma deixa e uma recompensa não são suficientes para que um hábito perdure, é necessário que haja também um irresistível anseio.

E é assim que novos hábitos são criados: somando uma deixa, uma rotina e uma recompensa, que mantém um anseio capaz de alimentar loop. O mais interessante de tudo isso é que, com esse conhecimento, temos uma fórmula básica para criação de hábitos que pode ser utilizada por qualquer pessoa. É uma boa razão para nos desafiarmos a desenvolver aquele hábito que há tempos pensamos, mas sempre deixamos para depois, ou que iniciamos um dia e acabamos desistindo em função das dificuldades enfrentadas. Aceita o desafio?

Em primeiro lugar temos que ter clareza da rotina a ser desenvolvida. No coaching, todo objetivo deve ser bem específico. Se o seu objetivo é condicionar-se fisicamente, é preciso definir se pretende fazê-lo através de corridas, praticando algum esporte ou frequentando uma academia. Outras definições são importantes, como os dias e horários da semana que pretende dedicar-se a essa atividade, bem como suas metas e uma forma de mensurá-las. Lembre-se que estamos falando da criação de um hábito novo, e para isso temos de ter não apenas uma motivação, mas também uma rotina bem clara a ser incorporada.

Para que essa nova rotina seja ativada, precisamos de uma deixa simples, algo que possa lembrar-lhe imediatamente daquela rotina a ser executada. Se o seu objetivo é frequentar uma academia em um horário específico, você pode definir um lembrete com alarme no celular, deixar a roupa da academia em um lugar visível para ser lembrado, ou mesmo pedir para um amigo ligar na hora correta para lhe cobrar. O importante é que seja uma deixa que não falhe e que funcione bem para você.

Por fim, é necessário que haja uma boa recompensa. Recompensas abstratas não funcionarão. É preciso que seja uma gratificação bem definida e irresistível, a ponto de criar um anseio que o cérebro passe a esperar e nos conduza automaticamente à rotina esperada. Para algumas pessoas, a sensação de bem-estar proporcionada pela atividade física é uma boa recompensa para quem deseja incorporar a rotina de frequentar uma academia, para outras pode ser a socialização, estar com amigos. Às vezes isso não é suficiente para começar, e podemos criar uma recompensa mais sedutora para nós, como tomar um gostoso smoothie depois de cada sessão de exercícios. Mais uma vez, a recompensa definida deve ser aquela que traga resultados mais efetivos para você.

Simplesmente definir uma deixa e recompensa nem sempre garantirá a criação imediata de um novo hábito. É preciso encontrar deixas e recompensas certas para desenvolver um anseio forte, e para isso pode ser necessário experimentar, testar novas alternativas até encontrar a melhor combinação para o seu hábito. Para desenvolver rotinas de forma consciente é preciso ainda esforço e repetição, e isso só poderá ser alcançado com persistência e comprometimento com a meta. Pode não ser uma tarefa muito fácil, mas agregar em sua vida aqueles hábitos que você tanto deseja para se tornar uma pessoa mais realizada, certamente fará valer a pena.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Conheça as vantagens e desvantagens do outsourcing

Empowerment: O Que é, sua Importância nas Empresas e Exemplos

Dinâmica de Apresentação: Como Fazer, Dicas e Exemplos Práticos

Diagrama de Ishikawa: Guia Completo Passo a Passo

O Carnaval chegou… todo cuidado é pouco!

AFINAL, EXISTE UM MODELO DE CORPO PERFEITO?

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.