Distorções Cognitivas

Podemos dizer que a função da linguagem é descrever a realidade.

(por Fernando Colella)

“Os limites da minha linguagem significam os limites do mundo”.

(Ludwig Wittgenstein, em “Tractatus Logico-Philosophicus”, 1929)

O austríaco Ludwig Wittgenstein foi um dos mais importantes filósofos do século XX. A relevância de sua obra está, entre outros aspectos, no esclarecimento de que a representação do mundo depende das condições lógicas do pensamento e da linguagem de cada indivíduo. Em outras palavras, podemos dizer que a função da linguagem é descrever a realidade, porque em última análise nada pode ser concebido fora da linguagem.

Experimente por um instante lembrar-se de algo que lhe aconteceu ontem, descrever uma ideia ou expressar uma crença que possui. Claramente são coisas que podem ser feitas, sem dificuldades, por qualquer pessoa funcional. Mas tente executar as mesmas ações sem fazer uso da linguagem, ou sem pensar em palavras. É simplesmente impossível! A linguagem que usamos na vida cotidiana, na comunicação com os outros ou mesmo conosco, indica como experienciamos o mundo e de que forma somos impactados por ele.

Se o sentido da linguagem é descrever ou representar algo que acontece na realidade, temos ainda de admitir que nem sempre ela pode dar conta de ser esse espelho do mundo de forma absolutamente precisa. Se pensarmos que as palavras são signos que servem para reproduzir ideias, e que para que a linguagem verbal ou escrita funcione bem, todos devem concordar sobre o significado das palavras que a compõem, o que pensar quando constatamos o grande desacordo de interpretações existente no uso cotidiano da linguagem? Tente perguntar à diferentes pessoas o que elas entendem por palavras como “respeito” ou “amor”,  note que dificilmente encontrará algum consenso para definir termos tão corriqueiros como esses na comunicação habitual.
E é neste ponto que encontramos os limites da linguagem e consequentemente do nosso mundo, uma vez que este só pode ser descrito por ela. No universo do coaching e do desenvolvimento pessoal, podemos chamar de distorções cognitivas alguns aspectos particulares de ideias ou experiências (geralmente “negativas”) que damos mais peso e foco do que outras, em função de interpretações que fazemos na tentativa de capturar pensamentos, ideias e caracterizar o que vemos a nossa volta por meio do uso das palavras.
É comum perdermos um sentido de compreensão mais profunda dos fatos por meio de generalizações, de exclusões seletivas ou porque, simplesmente, usamos um número limitado de palavras para tentar descrever infinitas possibilidades de nossa experiência. Assim, muitas vezes, somos vitimados por um sofrimento desnecessário e tomamos atitudes negativas, simplesmente porque acabamos “perdidos na tradução” da linguagem conforme a significamos.

como vender mentoria saiba tudo sobre assunto
E, verdade seja dita, se há boas razões para a humanidade ter chegado ao atual estágio evolutivo e tecnológico, sem dúvida a sofisticação de nossa comunicação está entre elas.

Todos nós fazemos isso de alguma forma, consciente ou inconscientemente. Afinal, nossas formas de expressão podem ser imperfeitas, mas são as melhores que temos. E, verdade seja dita, se há boas razões para a humanidade ter chegado ao atual estágio evolutivo e tecnológico, sem dúvida a sofisticação de nossa comunicação está entre elas. O importante aqui não é criticar a linguagem que utilizamos, mas que procuremos desenvolver a consciência de nossas distorções cognitivas proporcionadas por ela, e que as vejamos como uma boa oportunidade de desafiar nossos pensamentos e crenças limitantes sobre nós mesmos, sobre os outros e o mundo.
Para que não fiquemos apenas na teoria, que tal nos colocar a prova para identificar nossas interpretações negativas mais corriqueiras e como elas interferem em nossas crenças e atitudes? Segue uma breve lista de alguns exemplos de distorções cognitivas mais comuns. Quais delas podem se aplicar a você?
 Tudo ou Nada

  • Se eu não fizer isso de forma perfeita, então sou um fracasso!
  • Se algo der errado, todo o meu trabalho terá sido uma completa perda de tempo!
  • Se eu não estiver 100% preparado, então é melhor nem começar.


Rótulos

  • Se eu não fizer isso, serei um covarde!
  • Se ele pensa diferente de mim, é um idiota!


Generalização

  • Eu nunca vou conseguir isso.
  • Ele sempre faz a mesma coisa.


Exagero

  • Se eu me esquecer do aniversário de casamento, minha esposa vai me deixar.
  • Se eu não estudar 8 horas por dia, não passarei no vestibular.


Raciocínio Emocional

  • Só posso ser um egoísta por tê-la magoado.
  • Evidentemente sou um fracassado por meu empreendimento não ter dado certo.


Ver apenas o negativo

  • Isso não conta, qualquer um poderia ter feito isso.
  • Não importa que eu faça um ótimo trabalho se as vendas não andam boas.


Leitura de pensamento

  • Meu marido deveria saber o que estou sentindo.
  • Meu chefe deveria saber que eu desejo um aumento.


Filtros Mentais

  • O bolo ruim estragou minha festa de aniversário.
  • Tive bons relacionamentos, mas agora estou sozinho, logo minha vida amorosa é um fracasso.


Conclusões infundadas

  • Se eu tivesse me formado em outra área, seria mais feliz.
  • Meus filhos têm dificuldades porque não fui uma boa mãe.
  • Ela não me deu bom dia porque não gosta de mim.

Boa reflexão!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Conheça as vantagens e desvantagens do outsourcing

Empowerment: O Que é, sua Importância nas Empresas e Exemplos

Dinâmica de Apresentação: Como Fazer, Dicas e Exemplos Práticos

Diagrama de Ishikawa: Guia Completo Passo a Passo

O Carnaval chegou… todo cuidado é pouco!

AFINAL, EXISTE UM MODELO DE CORPO PERFEITO?

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.