Emagrecimento: mude comportamentos improdutivos

O processo de emagrecimento é desafiador e muitos que estão passando neste exato momento por uma tentativa poderão, em algum momento, vivenciar frustações.

Mas uma coisa é certa: resultados insatisfatórios estão diretamente relacionados a comportamentos improdutivos.

É muito interessante como grande parte das pessoas querem colher algo diferente do atual sem ao menos mudar a forma de pensar (para plantar benefícios).

Mudar significa modificar, alterar para transformar. E como a mudança certamente altera a zona de conforto, há no processo, seja no iniciou no decorrer dele, uma resistência que pode dar o seu sinal com pensamentos e atitudes sabotadoras.

Muitos querem mudar, mas poucos têm a prontidão para a mudança. A pessoa com baixo nível de prontidão para mudar não percebe a real necessidade de fazer.

Por exemplo, vou citar o caso de JPF de 44 anos, executivo, casado e pai de dois filhos. Ele está obeso e foi recentemente diagnóstico com hipertensão.

Ele trabalha 10 horas por dia, gasta 2 horas no trânsito e no restante do tempo tem que se dividir entre família e outros afazeres que seu cérebro encontra para lhe exigir, de forma a estar sempre atarefado, e esta atitude faz com que ele não se culpe por comer mal ou estar sedentário.

Parte dele deseja emagrecer, mas outra parte não quer abrir mão do churrasco do fim de semana, já que trabalha muito de segunda à sexta. Da quinta-feira ao domingo à noite tem o costume de tomar seu whisky, uma a duas doses sem gelo. Seu guarda-roupa só tem terno, roupas sociais e sapatos. Não imagina e nunca se imaginou fazendo academia, aliás há na sua coleção de sabotadores que academia é coisa para pessoas que não ascendem profissionalmente. Inclusive seu bom cargo na empresa é devido a seu estilo de vida workaholic, onde o trabalho está em primeiro lugar.

Se ele não mudar todo este padrão de pensamento e tornar consciente todos os seus sabotadores, um plano alimentar ou de exercícios, em suas mãos, acabará na primeira escondido em sua primeira gaveta.

Na verdade, ele não sabe o que irá ganhar se fizer o devido esforço físico e alimentar. Ah, pode ganhar a leveza de 15kg a menos!

Bom, ele precisará ter claro e consciente todos os ganhos para melhorar o nível de prontidão. OBS: 15 é apenas um número.

Segundo o psicólogo James Prochaska, a mudança pode ser dividida em estágios, conhecido como modelo transteorético.

O primeiro estágio

É a pré-contemplação, uma fase onde o indivíduo acredita estar tudo bem e que não é necessário mudar. É o caso de JPF, de 44 anos, que está bastante satisfeito profissionalmente e que obesidade e hipertensão é o preço que se paga para ascender na profissão. Aliás, é melhor tomar um remédio para pressão e gastar mais tempo com um curso extra do que fazendo exercícios.

A segunda fase

É a contemplação, onde a pessoa já sabe que precisa mudar, mas ainda não conhece formas para que isso ocorra. Se JPF persistir neste estilo de vida, vai colecionar prejuízos como falta de ar, insônia, dores no corpo, desordens sexuais e talvez, só a partir de um desconforto maior ele entre na fase de contemplação. A necessidade faz a prontidão.

A terceira fase

É a preparação em que a pessoa pretende mudar e já tem uma ideia do que fazer. Colocar a ideia em prática e ir em frente é o foco do trabalho do coach com seu coachee nesta fase. Por exemplo, o nosso querido JPF, de 44 anos, costuma gastar no mínimo de duas a três horas no trânsito diariamente no horário de pico, saindo do trabalho e indo diretamente para casa. Esse número pode ser reduzido drasticamente para a metade do tempo, (1 hora e meia) se ele resolver passar na academia ao lado do trabalho. Ao sair mais tarde, ele pegará menos trânsito e chegará em menos tempo em casa.

Otimizar o tempo é contribuir para preparação + ação!

Ação é a quarta fase. Por a mão na massa e já começar a colher resultados é o que caracteriza a mesma. Aqui o coach encoraja a seguir em frente e percebe o retorno do esforço.

Com os resultados visíveis entra a necessidade da quinta fase, a manutenção. Reforçar a autoconfiança do coachee é importante para ele superar recaídas.

No modelo de James Prochaska, a última fase, denominada de término, é quando a mudança se consolidou e o indivíduo já não têm retrocessos, o que pode de fato ocorrer em mudanças que geram êxito profissional, dentre outras.

Mas, no processo de emagrecimento, vamos dizer que as pessoas apresentam (por motivos relacionados ao prazer associado à comida) um menor temor para as recaídas. E o papel do coach é fundamental para trabalhar o reconhecimento do Êxito das pessoas que se dispuseram a encarar o processo.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Conheça as vantagens e desvantagens do outsourcing

Empowerment: O Que é, sua Importância nas Empresas e Exemplos

Dinâmica de Apresentação: Como Fazer, Dicas e Exemplos Práticos

Diagrama de Ishikawa: Guia Completo Passo a Passo

O Carnaval chegou… todo cuidado é pouco!

AFINAL, EXISTE UM MODELO DE CORPO PERFEITO?

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.