Linha-staff: o que é, vantagens e como implementar

linha staff o que e vantagens como implementar

Quer saber tudo sobre a organização linha-staff e como aplicar essa estrutura na sua empresa?
Então, reserve alguns minutos para entender a estrutura organizacional que traduz a essência da sua empresa e define como as atividades são planejadas, executadas e coordenadas.
Como você vai ver e entender a partir de agora, toda empresa funciona a partir de um conjunto de processos e sistemas que envolvem decisões, responsabilidades e uma divisão própria da autoridade.
Além disso, cada organização tem sua dinâmica de relações única, que determina como as equipes e áreas se integram para cumprir os objetivos do negócio.
Há empresas que se dividem em departamentos focados em funções, outras orientadas a projetos, enquanto as tradicionais preferem centralizar as decisões e as mais inovadoras buscam um formato horizontal.
As variações são inúmeras, mas a linha-staff ainda é a base da maioria das empresas contemporâneas.
Para começar a se inteirar do assunto, pense na linha como a cadeia linear de autoridade com a qual estamos acostumados, com cargos executivos e operacionais.
Já o staff é formado por equipes de profissionais especializados em controle, planejamento, consultoria e atividades mais estratégicas, que se espalham por todos os níveis da organização para fomentar as decisões da linha.
Ficou interessado no modelo? Então, acompanhe nossos conteúdos:

  • O que é uma organização linha-staff
  • Vantagens e desvantagens
  • Como implementar a linha-staff
  • Tipos básicos de estruturas organizacionais
  • Novos tipos de estrutura organizacional
  • Relação entre estrutura organizacional e organograma
  • Diferença entre hierarquia e estrutura organizacional
  • Tipos de departamentalização.

Pronto para transformar a estrutura da sua empresa com a linha-staff? Boa leitura!

O que é uma organização linha-staff?

linha staff o que e organizacao
A organização linha-staff combina as características da estrutura linear e funcional, como um tipo híbrido criado para superar os modelos tradicionais.
Logo, esse tipo de empresa é caracterizada por uma estrutura mais completa e complexa.
Segundo a obra Princípios da Administração: o essencial em Teoria Geral da Administração (Editora Manole, 2006) de Idalberto Chiavenato, a linha-staff incrementa a vantagem dos dois tipos clássicos de organização.
Para isso, as empresas que seguem essa estrutura organizacional adotam um padrão hierárquico-consultivo, no qual os órgãos de execução trabalham em sintonia com órgãos de apoio e consultoria.
Na organização linha-staff, a linha possui autoridade absoluta e total aplicada às relações entre chefe e subordinado, enquanto a staff possui autoridade relativa e parcial com suas atividades de apoio.

Quais são as principais características da organização linha-staff?

linha staff quais sao principais caracteristicas organizacao
A principal característica da organização linha-staff é distinção entre os órgãos de linha e os de staff.
Enquanto as atividades de linha são diretamente ligadas aos objetivos básicos da empresa, as atividades de staff possuem um papel indireto.
Por exemplo, se o objetivo da organização é produzir e vender, as áreas de produção e vendas ganham status de linha e todas as demais se classificam em staff.
Logo, podemos concluir que as atividades-fim pertencem à linha, enquanto os demais órgãos são complementares e representam as atividades-meio (planejamento, controle, consultoria, etc.).
Por combinar os tipos linear e funcional, a organização linha-staff possui uma autoridade única tradicional, mas inclui serviços especializados e assessoria próprios.
Outra característica importante é a coexistência entre linhas formais e diretas de comunicação, pois os órgãos de linha obedecem à hierarquia, mas o staff possui um canal direto com todas as áreas.
Além disso, o pessoal da linha fica responsável pelas funções operacionais e executivas, deixando as tarefas de pesquisa, controle e estratégia para o staff.

Vantagens da linha-staff

Um dos grandes diferenciais da organização linha-staff é a manutenção da hierarquia com acréscimo da especialização.
Ou seja, a ordem é garantida com o comando tradicional, enquanto os serviços de inteligência agregam inovação e funcionalidade à empresa.
Logo, somente o modelo linha-staff é capaz de reunir a autoridade da hierarquia e do conhecimento na mesma estrutura.
Basicamente, o staff alivia a linha das tarefas mais específicas, fornecendo informações valiosas para a tomada de decisão dos líderes e gestores.
Assim, os órgãos de linha podem se focar na liderança e execução, devidamente apoiados pelos órgãos de staff que cuidam das finanças, compras, recursos humanos, controle, auditoria e planejamento, entre outras áreas.

Desvantagens da organização linha-staff

linha staff desvantagens da organizacao
Como qualquer modelo organizacional, a linha-staff também possui suas desvantagens.
Considerando que o staff não possui autoridade decisória, cabe à linha adotar as recomendações, fazer modificações ou simplesmente rejeitar as propostas.
Esse desequilíbrio de poder gera conflitos entre as duas instâncias, o que torna difícil a sinergia entre as equipes operacionais e de apoio.
Desse modo, um dos principais desafios da linha-staff é alcançar a cooperação e integração entre a autoridade de campo e de gabinete.

Como implementar a organização linha-staff na minha empresa?

linha staff como implementar organizacao minha empresa
A organização linha-staff é o tipo mais utilizado nas empresas ainda hoje, apesar das tendências apontarem para a flexibilização da autoridade.
Para implementar a estrutura linha-staff, basta incorporar especialistas à organização, criando áreas focadas em funções de assessoria, consultoria e inteligência.
Ao mesmo tempo, é preciso manter a hierarquia gerencial e o alto comando da empresa, no modelo verticalizado da administração clássica.
O professor de psicologia da USP Marcelo Afonso Ribeiro acredita que o desenho organizacional precisa evoluir, mas reforça que “você pode acabar com a hierarquia, mas não romper a liderança”.
Em entrevista à revista Exame, ele chama atenção para a importância dos líderes na motivação, orientação e coordenação das equipes, mas prevê o surgimento de uma nova mentalidade – menos hierárquica e mais colaborativa.
Mas o caminho para modificar a estrutura organizacional é longo, pois o processo deve envolver todos os membros da empresa e ter um bom planejamento como base.
Para alterar os sistemas de decisão e trabalho da sua empresa, você terá que investir na comunicação e treinamento para mudar a visão e comportamento das equipes.
Para facilitar esse processo, muitas empresas têm optado pela contratação de coaches, que são profissionais especializados no desenvolvimento humano capazes de impulsionar mudanças e superar resistências.
Com o apoio do coaching, a missão de renovar a estrutura da empresa fica mais fácil, e os colaboradores são encorajados a abraçar as transformações com entusiasmo.

Tipos e exemplos básicos de estruturas organizacionais

linha staff tipos exemplos basicos estruturas organizacionais
Antes da estrutura linha-staff, vieram os tipos clássicos de estruturas organizacionais que permitiram seu surgimento.
Vamos conhecer melhor cada uma delas:

Estrutura linear

A estrutura linear é o tipo de organização mais antigo e tradicional, fundamentado na unidade de comando verticalizada.
Nesse modelo, só existem linhas formais de comunicação, e as decisões são totalmente centralizadas, o que confere um aspecto piramidal.
Apesar de ser uma estrutura simples e de fácil implementação, pode se tornar excessivamente burocrática, rígida e fechada.

Estrutura Funcional

Já a estrutura funcional se baseia no princípio da especialização, com autoridade compartilhada e linhas diretas de comunicação.
É um modelo caracterizado pela horizontalidade, com descentralização das decisões e relações sem intermediação.
Embora a organização funcional abra espaço para a inovação e conhecimento, sua autoridade diluída pode ocasionar competição entre os especialistas e falta de foco nos objetivos da empresa.

Novos tipos de estrutura organizacional

linha staff novos tipos de estrutura organizacional
Para além dos três tipos de estruturas formais tradicionais, surgiram novas tipologias que buscam se adaptar aos tempos modernos.
Confira alguns desses modelos organizacionais:

Estrutura baseada em projetos

A estrutura baseada em projetos permite a criação de equipes multidisciplinares que compartilham responsabilidades.
Nesse modelo, cada equipe é focada em um projeto específico e possui algum nível de autogerenciamento, podendo tomar decisões com liberdade e autonomia.
O formato tende a tornar a empresa mais horizontal, pois organiza os colaboradores em torno dos processos de trabalho e transfere responsabilidades para os níveis mais baixos da hierarquia.

Estrutura matricial

A estrutura matricial é um modelo organizacional que nasceu na indústria aeroespacial e mistura elementos funcionais com a organização por projetos.
Nesse formato, as equipes são compostas por pessoas de diversas especialidades, e há gerentes de projetos designados para cada núcleo formado.
Além de responder ao supervisor direto, os profissionais também se reportam à alta gerência, gerando múltiplas camadas hierárquicas.
A duplicidade de comando pode gerar conflitos, mas as possibilidades de cooperação e interdependência entre os departamentos torna o modelo bastante participativo.

Estrutura tipo comissão ou colegiado

A estrutura do tipo comissão ou colegiado reúne diversos profissionais multidisciplinares para emitir opiniões a respeito de determinadas pautas.
Assim, as decisões mais importantes da empresa são colegiadas, com a formação de comissões independentes da estrutura organizacional fixa.
Essas comissões podem ser temporárias, formais informais, consultivas ou diretivas.

Estrutura divisional

A estrutura divisional se caracteriza pelas divisões autossuficientes que se encarregam de produtos ou serviços específicos.
É um formato interessante para empresas que atuam em nichos diversificados, pois as divisões têm autonomia para implementar estratégias focadas no cliente.
Além disso, os planos de marketing podem ser adaptados de acordo com o mercado de atuação das unidades.

Estrutura com base em função

Por fim, a estrutura com base em função é dividida em órgãos específicos que concentram grandes unidades setoriais.
Nesse modelo, há uma separação estrita entre departamentos de marketing, recursos humanos, finanças, produção e demais áreas, com uniformidade de normas e procedimentos.
É útil para ambientes estáveis e produções repetitivas, em que a centralização é mais eficiente, mas pode se tornar muito lenta.

Qual a diferença entre estruturas organizacionais e departamentalização?

linha staff qual diferenca entre estruturas organizacionais departamentalizacao
A estrutura organizacional abrange a análise, ordenação e agrupamento de atividades e recursos de uma empresa, enquanto a departamentalização é a divisão de segmentos distintos dentro da organização.
A departamentalização também pode ser chamada de especialização horizontal, pois tende a expandir as atividades e conhecimentos no mesmo nível hierárquico.
Logo, os departamentos são resultado do crescimento horizontal do organograma, que cria novas áreas de acordo com a demanda e desenvolvimento da empresa.

Por que estruturas organizacionais são confundidas com organogramas?

É comum a confusão entre estrutura organizacional e organograma, que são conceitos complementares.
Enquanto a estrutura indica como a empresa é organizada em torno de suas atividades e recursos, o organograma representa graficamente a estrutura formal da organização.
Ou seja, o organograma ilustra a distribuição de responsabilidades, cargos e relações hierárquicas.
Já a estrutura organizacional é a totalidade do sistemas de decisão, autoridade e comunicação, que também inclui a estrutura informal gerada espontaneamente.

Hierarquia é estrutura organizacional?

Na verdade, a hierarquia é apenas um aspecto dentro da estrutura organizacional, que define a distribuição da autoridade e relações de poder dentro da empresa.
Há modelos hierárquicos mais verticais e outros mais horizontais, de acordo com o nível de centralização das decisões.

Quais são os tipos de departamentalização?

linha staff quais sao os tipos departamentalizacao
A departamentalização é muito útil para padronizar processos em determinadas áreas, reunindo as equipes que estão executando tarefas e perseguindo objetivos em comum.
Ao criar um departamento, a empresa agrupa as atividades em uma nova divisão, escolhendo padrões e procedimentos para homogeneizar o setor.
Além disso, existem diversos tipos de departamentalização, como vamos mostrar agora:

Por clientes

A departamentalização por clientes agrupa as atividades de acordo com o perfil do público-alvo do produto ou serviço.
É uma divisão útil para manter o foco no cliente e na satisfação de suas necessidades em primeiro lugar, indicada para empresas que lidam com vários públicos diferentes.
Quando a organização precisa dedicar atenção a pessoas de diferentes classes, faixas etárias, gêneros e estilos de vida, a estrutura centrada no cliente é uma boa escolha.
Porém, a empresa deve estar preparada para coordenar uma estrutura mais complexa, já que os sistemas e recursos precisam ser organizados para servir diferentes tipos de clientes.

Por produtos ou serviços

Na departamentalização por produtos ou serviços, as células da empresa são divididas de acordo com as soluções oferecidas.
Assim, cada área pode se focar em uma linha de produtos ou serviços, adequando o porte das equipes à importância da solução para os resultados da empresa.
É uma estrutura interessante para cenários incertos e mercados instáveis, pois permite a cooperação das áreas em busca da qualidade e competitividade.
Além disso, o foco no produto favorece a inovação e investimento na qualidade, uma vez que as equipes podem concentrar seus esforços em um único objetivo.

Geográfica ou territorial

Como o nome sugere, a departamentalização geográfica ou territorial divide os setores de acordo com as localizações atendidas.
É um modelo indicado para empresas de grande porte, que atendem vastas áreas geográficas e precisam lidar com mercados extensos.
Assim, cada departamento pode ficar responsável por uma região, atendendo às necessidades específicas dos diferentes mercados.
Ao adotar a divisão, é preciso ter atenção redobrada à coordenação geral das áreas, pois o foco territorial pode dificultar a consolidação da cultura organizacional.
No entanto, o formato facilita a tomada de decisão dos responsáveis pelas unidades, que agem como célula autônomas voltadas ao seu território.

Por processos

A departamentalização por processos ou por equipamento é utilizada principalmente no ramo industrial, pois separa as unidades de acordo com a etapa da produção.
Nesse caso, as divisões são feitas de acordo com a sequência do processo produtivo ou operacional, racionalizando o uso das máquinas e equipamentos.
A tecnologia está no centro desse tipo de organização, pois se torna um ponto de referência para o agrupamento das equipes.
Um dos problemas típicos do modelo é que os responsáveis pelos departamentos tendem a se especializar em apenas uma parte do processo, tendo dificuldades em enxergar o negócio de forma mais ampla.
Por outro lado, a estrutura é capaz de extrair ao máximo as vantagens econômicas da tecnologia.

Por projetos

Por fim, a departamentalização por projetos agrupa as atividades e equipes para se adaptarem às necessidades de cada projeto desenvolvido pela empresa.
É um modelo flexível e mutável, totalmente orientado para resultados e formado por equipes multidisciplinares.
Nesse caso, cada projeto tem um ciclo de vida próprio, e os colaboradores estão sempre encarando novos desafios, pois suas atribuições são temporárias.
As principais vantagens dessa estrutura são a melhora no atendimento ao cliente e concentração de diferentes recursos.
Porém o formato exige cuidado com a estabilidade do emprego, pois a dependência de projetos pode causar insegurança e incertezas em relação ao futuro.

Conclusão

linha staff conclusao
Agora que você sabe exatamente o que é uma organização linha-staff, já deve ter identificado os pontos em comum com a estrutura da sua empresa.
A verdade é que a linha-staff é um modelo clássico que gerou as estruturas que conhecemos hoje, mas cada empresa combina elementos de vários formatos para chegar à organização ideal.
Por exemplo, até o início do século 21, as estruturas matriciais eram a grande aposta das empresas, que estavam cansadas do modelo piramidal e queriam mais flexibilidade.
No entanto, o modelo com vários chefes já apresenta sinais de desgaste, exigindo uma transição para modelos mais colaborativos.
Quem aponta a tendência é a consultoria Deloitte, que chamou atenção para o futuro da estrutura organizacional em seu estudo Global Human Capital Trends 2017.
Segundo a pesquisa, 38% das empresas mantêm sua estrutura linha-staff clássica, mas 92% dos líderes reconhecem que precisam reestruturar seu modelo para acompanhar as transformações globais.
A solução apontada é a criação de estruturas organizacionais mais horizontais, centradas em equipes autônomas que compartilham informações com agilidade e flexibilidade por meio das tecnologias.
Mas como se adaptar às novas exigências e garantir vantagem competitiva?
Como vimos, mudar uma estrutura organizacional é como revolucionar um sistema inteiro, rompendo com a lógica anterior para instituir uma nova política.
Se a tarefa parece muito complexa, você pode contar com a ajuda de um coach, o profissional mais indicado para mudanças comportamentais e estruturais.
Isso porque o coaching é uma metodologia avançada de desenvolvimento pessoal e profissional, que ajuda o gestor e seus colaboradores a superarem crenças limitantes, estruturarem planos de ação e atingirem seus objetivos.
Como agente da mudança organizacional, o coach pode engajar suas equipes a buscarem um objetivo em comum, além de extrair soluções e insights dos próprios colaboradores.
E se você quer resultados ainda mais impactantes, pode encorajar seus líderes a buscarem a formação em coaching, promovendo uma gestão focada na alta performance.
Seja qual for a sua estratégia, lembre-se de moldar sua estrutura combinando os vários tipos apresentados, até chegar à fórmula ideal para o sucesso da organização.
E você, pretende implementar a linha-staff na sua empresa?
Deixe um comentário e compartilhe este artigo nas suas redes sociais.

Comentários

Quem leu este post leu também :)

O que é autoeficácia e como ela pode ajudar você

Entenda o que é sincericídio e como ele pode afetar sua vida

Cursos de extensão EAD: Saiba as vantagens de aderir ao sistema

Descubra a importância de desenvolver a autoaceitação

MBA Coaching: Saiba tudo sobre esse tipo de graduação

Aprenda cinco dicas práticas de como desenvolver o autocontrole

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.