O seu estado de espírito depende de quem mesmo?

vida mais feliz como buscar um com mais felicidade
Responsabilizar os filhos por qualquer clima ruim entre o casal é distorcer o que de fato ocorre.

(Por Mariana Viktor)

“Se você está infeliz no casamento, não culpe o parceiro, mas os seus filhos. É o que sugere uma pesquisa feita por cientistas da Open University, no Reino Unido”.

Esse é o parágrafo inicial de uma matéria publicada recentemente pela revista Exame, e que me fez pensar muito.

Primeiro, na reação dos casais felizes que têm filhos ao ler a conclusão dos cientistas. É impossível deparar-se com uma pesquisa dessas – abalizada por uma universidade – sem sentir o chão ceder sob os pés e uma nuvem cinzenta se formar sobre a cabeça, anunciando que a felicidade conjugal está com os dias contados. E pior: a culpa será dos seus amados filhos.

Depois, pensei no que sentiram os casais infelizes com filhos – um terror! E, por fim, pensei nas crianças.

Todos crescemos com “suficientes” crenças limitantes. Mas as crianças pós-essa-pesquisa terão de acrescentar outra crença nociva e muito pesada: a de serem culpadas por estragar a felicidade (e até o desejo sexual) dos pais. É muita responsabilidade para quem acabou de chegar ao mundo! Crianças são crianças. É redundante, mas necessário lembrar que elas não têm a maturidade que temos – e ainda têm menos defesas emocionais e cognitivas para proteger-se dessa culpa.

Responsabilizar os filhos por qualquer clima ruim entre o casal é distorcer o que de fato ocorre: uma dificuldade de interação entre os parceiros.

Outra informação preocupante do estudo é sugerida na mesma frase: “Se você está infeliz no casamento, não culpe o parceiro, mas os seus filhos”.

Nesse caso, a culpa é sempre do outro: do parceiro(a) ou dos filhos. A responsabilidade nunca será “minha” – o que sugere que tenho consciência dos erros que cometo e optei por infernizar minha própria vida e a de quem me cerca. E, nesse caso, quem é o “outro”, o tal que é sempre o culpado, se não sou eu e nem você?

Mature mother with teen daughter having serious conversation

Não estou em Londres e não represento uma grande universidade, mas a prática diária como coach de relacionamento mostra coisas que desmentem a pesquisa:

1 – O óbvio: não existem culpados, mas responsáveis. No plural mesmo, porque se o relacionamento afetivo está causando infelicidade, os dois têm alguma participação no problema, mesmo que não percebam a dinâmica da interação e nem tenham consciência de como contribuem para aumentar os atritos – e nisso o processo de coaching pode ajudar e ajuda muito!

2 – Atendo casais com e sem filhos, e o que percebo é que as dificuldades de convívio dos casais com filhos existiriam mesmo se os filhos não existissem – porque são dificuldades pessoais. Quem é impaciente, por exemplo, ficará mais impaciente com uma criança cheia de energia correndo pela casa, mas a impaciência está ali – a presença da criança serve para evidenciar a necessidade urgente de a pessoa trabalhar essa característica.

4 – Não necessariamente “os casais sem filhos dedicam mais tempo à manutenção do relacionamento. Conversam mais abertamente, apoiam mais o parceiro e dizem ‘eu te amo’ com mais frequência”. Atendo casais sem filhos que procuraram auxílio justamente porque não aprenderam a dialogar, brigam constantemente, não conseguem superar as mágoas e desconhecem como colocar em prática o apoio mútuo – o que acaba afetando até mesmo o desejo sexual.

Então, creio que bom senso e autoconsciência são o segredo de tudo. E questionar certas pesquisas também.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Conheça as vantagens e desvantagens do outsourcing

Empowerment: O Que é, sua Importância nas Empresas e Exemplos

Dinâmica de Apresentação: Como Fazer, Dicas e Exemplos Práticos

Diagrama de Ishikawa: Guia Completo Passo a Passo

O Carnaval chegou… todo cuidado é pouco!

AFINAL, EXISTE UM MODELO DE CORPO PERFEITO?

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.