Outplacement: O que é, Benefícios e Como o Coaching Pode Ajudar

Já ouviu falar em outplacement?

Essa palavra não costuma ser usada no Brasil, mas se refere a uma tendência mundial na área de Recursos Humanos.

Aplicado após a demissão, esse serviço tem o objetivo de ajudar o profissional a se recolocar no mercado de trabalho.

A ideia é oferecer apoio e assistência em um momento de transição, dificuldade e incerteza.

Normalmente, o outplacement é contratado justamente pela empresa que demitiu o funcionário, para auxiliá-lo em seus próximos passos.

Esse tipo de serviço pode ser associado a um treinamento de coaching para que o profissional acelere ainda mais o seu crescimento e o seu caminho até o próximo emprego.

Ficou interessado em saber mais sobre o assunto?

Então, siga a leitura.

O Que é Outplacement? Conceito

o que e outplacement - conceito de outplacement

O outplacement é uma técnica de Recursos Humanos aplicada no momento da demissão, com o objetivo de oferecer apoio e assistência para recolocação do profissional no mercado.

As próprias empresas que desligam o colaborador costumam contratar o serviço de outplacement para minimizar qualquer trauma ou estresse na transição.

Segundo a associação que regula a atividade internacionalmente, a International Association of Career Consulting Firms (IACCF), o outplacement é um processo estruturado que apoia o funcionário demitido no próximo passo de sua carreira.

Isso significa que outplacement não se resume ao serviço de recolocação, pois o ex-colaborador também pode desejar abrir seu próprio negócio, mudar de área ou seguir outro caminho após a demissão.

Em todos esses casos, o especialista em outplacement poderá oferecer toda a assistência para qualificação, treinamento e busca de novas oportunidades.

Tanto os colaboradores quanto as empresas têm muito a ganhar com a técnica, que traz vantagens competitivas com a valorização do capital humano.

Nos EUA, o mercado de transição de carreira com serviços de outplacement já movimenta impressionantes U$ 5 bilhões ao ano, de acordo com a Forbes.

Curioso sobre essa história de aconselhamento para demitidos?

Vamos descobrir por que o outplacement está se tornando uma tendência.

Origem do Termo Outplacement

outplacement - origem do termo outplacement

O termo outplacement pode ser traduzido para o português como “recolocação”, mas sua origem exata não é consenso entre os pesquisadores da área.

De acordo com Alan J. Pickman, autor do livro O Guia Completo para o Aconselhamento de Outplacement (Routledge, 2013), a tese mais defendida é de que a técnica surgiu nos anos 1960, nos EUA.

Na época, a gigante do petróleo Humble Oil teria contratado assistência profissional para seus executivos recém-demitidos, dando início à prática do outplacement.

O fato é que o outplacement disparou nos EUA a partir de 1970, com as profundas mudanças sociais e econômicas.

A recessão trouxe um cenário desafiador para as empresas, que se viram obrigadas a demitir em massa e encontraram no outplacement uma maneira de reduzir os danos aos colaboradores – e também à própria imagem.

Com o tempo, os profissionais de outplacement deixaram de ser vistos como “apagadores de incêndio” e se tornaram parte essencial da estratégia para mudanças corporativas.

Ainda na década de 1970, a técnica chegou ao Brasil junto com o novo modelo de Curriculum Vitae, que mudou para sempre a dinâmica das relações trabalhistas.

Com a globalização, instituiu-se uma nova maneira do candidato se apresentar ao mercado de trabalho, com linguagem, estilo e preparo totalmente diferentes.

Assim, a tarefa do outplacement se tornou ainda mais complexa, pois era preciso capacitar e instruir os ex-colaboradores que saíam de seus empregos confortáveis para se aventurar em um mercado desconhecido.

A técnica moderna de outplacement começa antes mesmo do funcionário ser informado sobre a demissão, que é planejada nos mínimos detalhes.

Após a comunicação do desligamento, o processo se estende até que o ex-colaborador alcance seus objetivos profissionais.

E acredite: não faltam motivos para explicar o crescimento recente do outplacement no Brasil e no mundo.

Acompanhe os próximos tópicos e fique por dentro.

Importância do Outplacement Para Empresas

qual a importancia do outplacement para empresas

O outplacement é de vital importância para empresas que se preocupam com uma gestão de recursos humanos eficiente, valorização do capital humano e reputação sólida no mercado.

O cenário brasileiro é de altas taxas de desemprego, com o recorde de 14,2 milhões de desempregados em abril de 2017, segundo o IBGE.

Além disso, em junho de 2018 as demissões superaram as contratações no mercado de trabalho formal, de acordo com o Ministério do Trabalho.

Os números mostram que enfrentamos um período de grande instabilidade nas empresas, com os efeitos da crise econômica e institucional de 2014 ecoando no mercado de trabalho.

Não é à toa que inúmeras agências e profissionais de outplacement vêm ganhando espaço no Brasil, para facilitar a tomada de decisão das empresas e intervir nos processos mais complicados.

Afinal, qualquer demissão ou dispensa, seja individual ou coletiva, representa um transtorno para colaboradores e empresas.

Qualquer gestor de RH sabe que uma demissão sem assessoria profissional pode trazer muitas dores de cabeça.

Imagine que os problemas vão desde ações trabalhistas movidas por ex-funcionários descontentes até os impactos no próprio clima organizacional da empresa.

É por isso que o especialista em outplacement Gutenberg B. de Macedo afirma que um processo bem conduzido pode reestruturar o ambiente da organização, sem o risco da perda de motivação e competência.

Assim, o outplacement é fundamental porque contribui com a imagem positiva da empresa e concilia os parceiros sociais, mantendo a concordância durante uma fase crítica da relação trabalhista.

Do lado do ex-funcionário, o processo representa uma oportunidade de se manter empregável em um dos momentos mais difíceis de sua carreira.

Para muitas pessoas, a perda do emprego significa o fim das esperanças, principalmente em períodos de crise.

Assim, o outplacement estaria plenamente justificado só pela questão ética, pois humanizar as demissões é o mínimo que se pode fazer para atenuar os impactos emocionais, econômicos e sociais no ex-colaborador.

Mas o potencial da técnica é muito maior, com inúmeros benefícios para empresas e funcionários.

Você já deve estar ansioso para entender como funciona o outplacement.

Vamos aos detalhes do processo.

Objetivos do Outplacement

objetivos do outplacement

O primeiro passo para entender o processo de outplacement é listar seus principais objetivos.

Tendo como base os programas mais utilizados, destacam-se:

Orientar sobre o processo de demissão

A demissão é um evento traumático para demitido e demitente, por isso o profissional de outplacement acompanha ambos durante todo o processo.

No início, a empresa é orientada a respeito das melhores práticas no âmbito jurídico e organizacional, enquanto o ex-colaborador recebe assistência para lidar com o impacto psicológico da notícia.

Aprimorar a política de Recursos Humanos

Muitas empresas ainda mantêm uma política de Recursos Humanos ultrapassada, que não é coerente com as relações profissionais modernas.

O outplacement é o que há de mais avançado em termos de dispensa e demissão, muito à frente da época em que os ex-funcionários eram deixados à própria sorte.

Enriquecer as relações trabalhistas

Com o outplacement, as discordâncias entre empregados e empregadores também podem se tornar coisa do passado.

O processo não apenas humaniza as demissões, mas também muda toda a dinâmica das relações trabalhistas para um cenário muito mais cooperativo e responsável.

Desse modo, também diminuem drasticamente as ações trabalhistas motivadas por qualquer ressentimento em relação à empresa.

Analisar o perfil completo do ex-colaborador

Após o desligamento oficial, o responsável pelo outplacement deve realizar uma avaliação completa do ex-colaborador para determinar seu perfil profissional.

Para isso, o especialista leva em conta os valores pessoais, objetivos, competências, formação, resultados ao longo da carreira, cargos ocupados, personalidade e outros aspectos essenciais.

Elaborar um plano de carreira personalizado

Com todas as informações do profissional, já é possível elaborar um plano de carreira de curto, médio e longo prazo para o ex-colaborador.

Nessa etapa, alguns profissionais podem ter objetivos diferentes da recolocação no mercado, como a abertura de um negócio próprio ou carreira freelancer.

Acompanhar a recolocação do ex-funcionário

Depois de ajudar o ex-colaborador a superar a demissão, o responsável pelo outplacement deve acompanhar todo o processo de recolocação, desde o preparo do currículo até a negociação de salário.

Outplacement vs Recolocação Profissional

outplacement vs recolocacao profissional

Como você deve ter notado, a recolocação profissional é apenas uma parte do processo de outplacement.

Ou seja, o programa de outplacement é uma abordagem muito mais completa da gestão de capital humano nas empresas.

Em seu livro Outplacement: a arte e a ciência da recolocação (Maltese, 1993), Macedo ressalta que a principal finalidade da técnica é a concretização dos objetivos profissionais do ex-colaborador, e não necessariamente uma nova colocação.

Afinal, qualquer profissional demitido pode escolher abrir um negócio próprio, atuar como freelancer, mudar de área ou mesmo viver um ano sabático.

Independentemente do novo objetivo, o programa de outplacement deve cumprir sua função de apoiar o ex-funcionário e garantir uma desvinculação tranquila e correta.

Aliás, será que o impacto da demissão não afeta nossos planos?

Certamente, pois muitos funcionários se veem confusos nesse momento – e precisam mais do que nunca do auxílio profissional para decidir seu futuro.

Processos de Outplacement

processos de outplacement

Para o sucesso do programa de outplacement, são necessários diversos processos conduzidos por um profissional competente da área.

Acompanhe o passo a passo na prática:

Processo de Planejamento de Demissão

Antes do outplacement, os funcionários suavam frio com o chamado para uma conversa inesperada na sala do chefe.

Não à toa, pois nada pode ser mais perturbador do que uma demissão repentina e anunciada sem qualquer preparo.

Por essa razão, o outplacement inclui um planejamento de demissão completo, que envolve os seguintes aspectos:

  • Preparação da reunião de demissão e escolha de um responsável adequado
  • Apresentação de razões objetivas, transparentes e coerentes
  • Avaliação das condições físicas, econômicas e emocionais do profissional
  • Determinação de benefícios e pacote financeiro
  • Análise do impacto da demissão nos funcionários remanescentes
  • Definição de procedimentos pós-demissão como recolha de crachás e chaves.

Processo de Desvinculação

No processo de desvinculação, a demissão costuma ser comunicada por um responsável da empresa em uma reunião particular.

Logo em seguida, o ideal é que o ex-colaborador já converse com o especialista em outplacement, para ser orientado o mais rápido possível e externar seus sentimentos.

Assim, a missão do consultor de outplacement é cumprir as seguintes tarefas na desvinculação:

  • Auxiliar o assessorado a lidar com o impacto emocional do comunicado
  • Iniciar o processo de reconstrução da autoconfiança logo após o fato
  • Permitir a expressão de medo, raiva, insegurança e emoções conflituosas
  • Apresentar o panorama do mercado e principais estratégias de recolocação
  • Estimular a reflexão sobre a vida e carreira do profissional
  • Oferecer o pacote de serviços para qualificação e suporte na transição.

Processo de Comunicação dos Benefícios

Durante o processo de comunicação dos benefícios, o ex-colaborador é informado sobre os trâmites da demissão, seus direitos e concessões.

Nesse momento, a empresa pode optar por oferecer outros benefícios além do acerto de contas previsto em lei.

Por exemplo, algumas empresas buscam recompensar a dedicação do colaborador com prorrogação de seguros, porcentagens de lucros e direito a utilizar recursos da empresa por mais algum tempo.

Início do Processo de Recolocação

Se o profissional decidir pela busca de um novo emprego, é iniciado o processo de recolocação.

De acordo com o consultor Thomas Case, fundador da Catho, a metodologia básica da recolocação no outplacement engloba as etapas:

  • Coleta e análise das informações sobre passado e presente profissional
  • Descrição de responsabilidades, realizações e funções nos cargos
  • Avaliação dos objetivos profissionais, propósitos e valores
  • Elaboração de plano de carreira e marketing pessoal
  • Desenvolvimento e divulgação de currículo, cartões e portfólio
  • Preparação para participar de processos seletivos e entrevistas
  • Instruções para negociação de propostas e salários
  • Atualização constante com pesquisas de mercado e oportunidades.

Outplacement Individual vs Outplacement Coletivo

outplacement pessoal vs outplacement coletivo

Até agora, nós conversamos sobre o outplacement individual, mas também existe o outplacement coletivo.

Nos casos de demissões em massa por conta de redução de pessoal, crises setoriais e cortes de custos, as empresas podem contratar o serviço de outplacement em grupo.

Nesse processo, a metodologia é adaptada ao nível coletivo, com a vantagem de permitir que os ex-colaboradores troquem experiências e compartilhem o caminho da superação da demissão.

Algumas estratégias usadas no outplacement coletivo são a apresentação de qualificações de cada profissional, atualizações sobre o mercado e desenvolvimento de networking.

Principais Benefícios do Outplacement

beneficios do outplacement

Você já deve estar convencido de que o outplacement é uma técnica séria, e agora pode conhecer seus principais benefícios.

Vamos separar as vantagens para cada público-alvo do processo:

Benefícios para a empresa

Não é surpreendente que as empresas contratem o serviço de outplacement, pois os benefícios valem a pena:

  • Redução da carga emocional negativa nos responsáveis pela demissão
  • Promoção de uma imagem responsável e ética da empresa
  • Inibição de disputas judiciais de âmbito trabalhista
  • Redução de custos relativos a demissões mal conduzidas.

Benefícios para o ex-colaborador

Com o outplacement, o colaborador demitido consegue enfrentar o momento difícil com muito mais determinação:

  • Auxílio para recuperar a autoestima e autoconfiança
  • Assessoria profissional para processos de recolocação
  • Orientação para uma ação positiva em relação à demissão
  • Apoio no desenvolvimento de novas competências e habilidades.

Benefícios para os colaboradores remanescentes

Além disso, o outplacement também beneficia os colaboradores que continuam na empresa:

  • Melhora do clima organizacional, devido à responsabilidade da empresa
  • Reforço dos valores da companhia e humanização de suas políticas
  • Transparência em processos de reestruturação
  • Aumento da confiança e comprometimento com a empresa.

Coaching e o Outplacement

coaching e o outplacement

Quando se fala em coaching e outplacement, ainda há muita confusão sobre os dois métodos.

Mas a diferença é bem simples de entender.

Enquanto o outplacement cuida da humanização e redução dos impactos da demissão, o coaching impulsiona o profissional na direção de seus novos objetivos com fôlego total.

O processo de coaching pode começar logo após a demissão, como parte das estratégias de definição de objetivos e planos de ação para o futuro da carreira.

Com as perguntas poderosas do coach, o ex-colaborador poderá refletir sobre seus valores e propósitos e despertar seu potencial máximo, deixando o trauma da demissão para trás definitivamente.

Muito além de um aconselhamento pós-demissão, o coaching é a solução para conciliar a vida profissional e pessoal e alcançar a plena realização como ser humano.

Logo, se a dúvida é entre coaching e outplacement, o melhor é ficar com os dois e garantir seu sucesso.

Conclusão

outplacement conclusao

Como vimos, o outplacement é uma prática saudável tanto para a empresa quanto para o profissional.

De um lado, ajuda o funcionário a seguir seu caminho em busca novos objetivos, desafios e oportunidades.

Ele terá, assim, o auxílio necessário para lapidar seu talento, desenvolver melhor suas habilidades e obter apoio para sua rápida recolocação no mercado.

Do outro lado, o outplacement garante à empresa uma imagem melhor diante da sociedade, favorece o ambiente interno da organização e reduz o risco de descontentamentos e processos trabalhistas do ex-funcionário.

Com esse potencial tão positivo para ambos os lados da história, esse serviço tende a crescer.

Embora ainda não seja tão popular no Brasil, já tem um grande mercado nos Estados Unidos.

Por aqui, o profissional pode se valer do outplacement em conjunto com o coaching, que é uma metodologia muito empregada no momento de transição de empregos e funções.

Com esses dois aliados, é possível reforçar aspectos práticos do seu trabalho, como habilidades específicas e direcionamentos para o próximo emprego, e potencialidades essenciais para o mercado, como liderança, comunicação e persuasão.

Assim, com esse esforço construtivo, tanto empresa quanto funcionário saem ganhando, mesmo em um momento difícil.

Gostou deste artigo e das dicas sobre outplacement? Deixe um comentário e compartilhe em suas redes sociais.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Entenda o que é sincericídio e como ele pode afetar sua vida

Descubra a importância de desenvolver a autoaceitação

Aprenda cinco dicas práticas de como desenvolver o autocontrole

Entenda as diferenças entre eficiência e eficácia

Aprenda a desenvolver o equilíbrio emocional

Aprenda a fazer um planejamento semanal e otimize seus resultados

Materiais Educativos

Como se tornar um Coach de sucesso

Escrito por Villela da Matta, presidente da SBCOACHING, este e-book traz 29 perguntas para alavancar o marketing, as vendas e as estratégias do seu negócio para seu sucesso…

Segredos da Paternidade Positiva

O envolvimento do pai contribui de forma significativa para o crescimento intelectual e mental da criança e a estimula na educação, desenvolvimento de habilidades, interesse etc…

Brian Tracy

Brian Tracy é uma das maiores autoridades em coaching e negócios do mundo: em mais de 30 anos de atuação, passaram por suas palestras e seminários mais de 5 milhões de pessoas. Já atuou como coach e consultor em mais de mil empresas. Autor de dezenas de best-sellers, foi homenageado em 2011 com o Lifetime Achievement Award, concedido pela National Academy of Best Selling Authors. É fundador e CEO da Brian Tracy International, tem uma carreira de sucesso, principalmente nos setores de vendas e marketing, investimentos, desenvolvimento imobiliário, importação, distribuição e consultoria de gestão.

Flora Victória

Flora Victoria é fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, presidente da SBCOACHING Training e Mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Diretora educacional das empresas do SBCOACHING Group e founding fellow do Institute of Coaching (IOC) – órgão afiliado à Harvard Medical School dedicado ao avanço do coaching, Flora é considerada a maior especialista em psicologia positiva aplicada ao coaching do país. Seu trabalho precursor resultou na criação do primeiro treinamento de positive coaching do Brasil. Pioneira na condução de projetos de pesquisa e comprovação científica do coaching no país, tem contribuído significativamente para consolidar a credibilidade desse processo e estimular seu desenvolvimento no Brasil e no mundo.

Como trainer e master coach, Flora já participou da formação de mais de 45 mil coaches no Brasil. Responsável pelas parcerias internacionais firmadas pela SBCOACHING com instituições globais, Flora tem trazido para o Brasil o que há de melhor e de mais atual no coaching internacional. Flora representa a Sociedade Brasileira de Coaching como membro da Graduate School Alliance for Executive Coaching (GSAEC), instituição especializada no ensino acadêmico do coaching, e da Association for Coaching (AC), credenciadora internacional presente em mais de 50 países.

Escritora de obras que são referência no coaching mundial, Flora é coautora dos livros Personal & Professional Coaching®, Executive & Business Coaching®, Positive Psychology Coaching® e Career Coaching®, entre outros. Em parceria com Brian Tracy e Villela da Matta, escreveu Estratégias Avançadas de Vendas e Engajamento Total. Como parte de sua contribuição para o coaching global, Flora foi convidada a integrar uma equipe internacional cujo objetivo foi discutir e compreender a diversidade do coaching no mundo. Esse trabalho resultou no livro Diversity in Coaching: Working with Gender, Culture, Race and Age, lançado pela Association for Coaching (AC). Como especialista em coaching, negócios, liderança e psicologia positiva, escreve artigos para a Revista SBCOACHING, para a Revista Científica Brasileira de Coaching e para diversos portais.

Com graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa pela Harvard Business School, MBA pela FGV, Marketing pela ESPM e Tecnologia pela USCS, a expert em ciências comportamentais, Flora, aplica seu sólido conhecimento teórico e prático para contribuir com diferentes públicos na conquista de resultados e aumento de realizações.

Com uma experiência organizacional consolidada ao longo de 30 anos, antes de fundar a SBCOACHING Flora foi executiva da Claro e atuou em grandes empresas como Volkswagen, Ford e Bell South, nas áreas de planejamento estratégico, gestão de mudanças, governança corporativa, tecnologia e finanças. À frente da SBCOACHING Training™, dedica-se continuamente a expandir o portfólio de serviços e a elevar cada vez mais a qualidade e a eficácia do coaching.